Eclipse lunar 2008

Esta quarta-feira à noite, dia 20, há um eclipse da Lua.
Durante os eclipses lunares, a Lua parece tomar a côr vermelho-laranja, devido à atmosfera terrestre.
eclipse-lunar.jpg
Este eclipse será visível em Portugal, a partir das 0h35m de quinta-feira.

Esta quinta-feira, dia 21 de Fevereiro, de madrugada haverá lugar a um eclipse lunar. De notar que irá decorrer na passagem de Quarta-feira para Quinta-feira…
O eclipse terá início às 0 h 34 min UT, que corresponde precisamente à hora local portuguesa (hora de Inverno), e atingirá o máximo às 3 h 26 min, começando a fase de totalidade às 3 h e terminando às 3 h 51 min. A totalidade refere-se à altura em que todo o disco lunar é coberto pela umbra da Terra.
O que torna aliciante a observação do fenómeno é que não é necessário qualquer instrumento de amplificação, seja binóculo ou telescópio. Pode apreciar o fenómeno com um dos melhores instrumentos da Natureza: o olho.

É de se aproveitar uma vez que o próximo eclipse lunar total decorrerá apenas em finais de 2010.
Normalmente durante o eclipse lunar a Lua fica com um aspecto acobreado que não é mais do que a projecção da sombra da Terra. Pode questionar: mas por que acontece isso? Simplesmente os raios solares que passam pela atmosfera são sempre refractados (relacionado com o efeito de Rayleigh onde há dispersão de comprimentos de onda), em maior grau os comprimentos de onda mais curtos que os mais longos (que são os vermelhos). Assim ao passarem, maioritariamente, os comprimentos de onda menos desviados que são os vermelhos, cria um aspecto de anel de fogo em torno da Terra para quem olhasse do espaço e estivesse no plano de órbita da Terra ou não muito afastado daquele.
Está com certeza familiarizado com as sombras que normalmente são pretas/cinzentas, por exemplo, a sua… mas como obviamente não estamos envoltos numa atmosfera, as nossas sombras serão sempre cinzentas/escuras sem aura vermelha ou aproximada em redor do limite da nossa sombra. No caso da Terra, as coisas passam-se de maneira diferente. Como ela é rodeada por uma fina camada de atmosfera (em comparação com o tamanho real da Terra), o que acontece quando os raios solares passam pela atmosfera é que ela desvia os raios luminosos, deixando passar na sua esmagadora maioria os comprimentos de onda vermelho (a razão de ser estes, está relacionada com o princípio de Huygens que não serve para o escopo deste pequeno artigo). Dependendo do estado da atmosfera terrestre podemos ter uma infinidade de cores possíveis que se poderão projectar na superfície da Lua.
Como no eclipse total lunar deste ano, a Lua não passa precisamente pelo centro da umbra (porção da sombra da Terra mais interna, a outra mais externa chama-se penumbra) da Terra e como não houve grande actividade vulcânica (que poderiam libertar para a atmosfera grande quantidade de aerossóis, poeiras e gases que absorveriam grande parte dos raios solares, tornando a Lua hipoteticamente mais escura, e, num caso extremo, torná-la quase invisível à vista desarmada) espera-se que seja um eclipse relativamente brilhante.

Contudo, esteja alerta pois poderá haver a possibilidade de ver a Lua com ligeira tonalidade turquesa. A maioria dos raios solares passam na estratosfera, dando aquela tonalidade vermelha, contudo, quando os raios passam pela estratosfera superior, onde se encontra o gás que absorve grande parte de UV – o famoso ozono, os raios de comprimento de onda vermelhos são absorvidos deixando então passar uma parte do comprimento de onda mais curto – os azuis.
O truque para tentar ver esta tonalidade turquesa é olhar para a Lua nos primeiros e últimos minutos da fase de totalidade (que corresponde à altura em que todo o disco lunar está coberto pela umbra da Terra), ou seja, por volta das 3 horas da manhã de Quinta e depois por volta das 3 horas e 51 min…

E assim, apesar de ser num dia da semana e as nuvens parecerem ameaçarem a visibilidade do eclipse, saia e veja o eclipse colorido da semana e do ano…

Historicamente interessante é o facto de que foi um Eclipse Lunar que salvou Cristóvão Colombo, como se pode ler aqui.

2 pings

  1. […] uma cor aparente. É uma cor que vemos devido a estarmos a observar a Lua através da nossa atmosfera. Mas a Lua […]

  2. […] 2008), Híbrido (2013). Lunar (2014, 2013, 2011 com explicação e transmissão e fotos, 2010, 2008). Próximos. Luas Sangrentas: explicação, tétrade, […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.