Sol com problemas

Teleconferência da NASA:
O estudo anterior aponta para “problemas” no ciclo solar, levando a um abrandamento de actividade solar.
Dados da sonda Ulysses apontam no mesmo sentido.
Isto levou logo algumas pessoas a reavivarem as profecias que apontam para o fim do mundo em 2012… desta vez, devido ao Sol!
Em Setembro de 2008, cientistas da sonda Ulysses, pertencentes à NASA e à ESA, fizeram uma teleconferência conjunta para apresentar dados e explicar estes mínimos solares actuais. Podem ler a “press release” aqui.

Se por um lado, esta conferência despertou algum alarido porque não é uma coisa normal… levando a algumas ideias estranhas sobre certas surpresas que poderiam lá ser apresentadas.
Por outro lado, é preciso ter uma noção histórica e perceber que por exemplo em 1980 ia havendo uma guerra nuclear porque ainda não se percebia que o Sol podia afectar os nossos satélites. Ou seja, os nossos conhecimentos científicos sobre o Sol são bastante recentes. Todos os ciclos de que se fala são reais, mas estas “fugas aos ciclos” além de reais são normais – não são “problemas” -, e só provam que ainda temos muito para descobrir sobre o funcionamento do Sol durante milhões de anos.
Concluindo, não me parece que existam problemas. Parece-me sim que o nosso conhecimento solar é insuficiente.
Com dados da SoHO e da Ulysses, vamos percebendo um pouco mais.

Mas a tão esperada teleconferência da NASA não trouxe nada de novo.
O Sol está num período de fraca actividade que se prolongou para além daquilo que era esperado. Leiam mais sobre isto, aqui.

Mas outras coisas sobressaíram da Teleconferência, que para os mais desatentos podem ter causado estranheza.
Por exemplo, os cientistas disseram que não podem ter certeza quando será o próximo máximo solar, que têm dúvidas sobre os ciclos solares, que não percebem bem o que estará a acontecer no interior do Sol de modo a existirem estes mínimos, que não entendem a ligação entre o actual mínimo solar, os raios cósmicos e o clima terrestre, e que até para eles foi surpreendente este mínimo actual no vento solar (o menor desde que se estuda o assunto, desde há 50 anos atrás).
A beleza da ciência está precisamente em não saber tudo. Se é certo que esta honestidade dos cientistas pode levar algumas almas mais stressadas a preocuparem-se em demasia. Também é certo que só esta honestidade pode levar os leitores a perceber que a ciência é mesmo assim; faz-se da descoberta, do que não se sabe. Ciência não é sinónimo de certezas; quando o fôr, morre como ciência.
Daí que só posso ficar satisfeito por estes cientistas terem assumido o que não sabem.
Estou a imaginar o relatório da sonda Ulysses: “Gastamos muitos milhões de dólares com a sonda, mas não ficamos a saber mais sobre o Sol”.
Claro que isso não verdade, como podem ler aqui.
Mas aposto que tudo isto que não se sabe, e que referi em cima, foi usado, e muito bem, como estratégia de marketing para promover o envio de mais uma sonda para estudar o Sol…
😀

Palestra:
No dia 26 de Setembro de 2009, houve uma palestra do NUCLIO intitulada “O Ciclo Solar 24”, com o palestrante Mário Ramos.
“Em Março de 2006 a NASA anunciava a chegada oficial do mínimo solar. Mausumi Dikpati do National Center for Atmospheric Research (NCAR) apresentava um modelo de previsão para o ciclo solar 24 que apontava no sentido de este ser um dos mais intensos dos últimos 200 anos. Dois meses mais tarde, David Hathway, físico solar da NASA, apresentava evidências para que, afinal, o ciclo 24 fosse menos intenso do que o anterior. No entanto, ambos partilhavam a ideia que colocava o máximo solar cerca de 2012.
Em Maio deste ano, após uma prolongada e total ausência de manchas solares, a NASA corrigiu as previsões para o Ciclo 24, baixando a sua intensidade e colocando o máximo em 2013/2014.
Teimosamente, o Sol continua sem sinais de actividade.”

FC Aug2009US.indd
A revista Sky & Telescope de Agosto de 2009 analisa o que se passa com o Sol – o porquê de não estar a “trabalhar” de acordo com as nossas previsões.

Quieto:
sol quieto
O Sol tem andado muito quieto, com pouca actividade.
No ano passado, durante 73% dos dias, não teve manchas solares.
Não estava assim tão quieto há mais de 100 anos!
Estamos a atravessar uma época baixa no ciclo de actividade solar.
Mas dentro de 5 anos estaremos novamente num pico solar.

Mínimos:
O mínimo solar ainda continua… é dos mínimos solares mais prolongados de que há registo, desde a década de 50! Ou de há 100 anos!
Prevê-se agora que o máximo solar decorrerá durante o ano 2013…

1 comentário

1 ping

    • Agostinho Magalh&ati on 22/08/2009 at 13:15
    • Responder

    Meu caro Carlos!

    Não conheço muito o mundo da astronomia e nem sequer sou astrónomo ou algo parecido, mas adoro tudo o que se relaciona com astronomia e sempre que possível, leio o que me aparece, raramente respondendo como agora, àquilo que leio! Tudo isto para dizer que gostei muito do conteúdo e da forma como escreveste este artigo!

    Abraços

  1. […] – Sol: problemas, máximos e mínimos, manchas, variável, SDO, tempestade, tornado, heliosfera, canção. Dois […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.