Google+

«

»

Nov 30

Viver para Sempre

“Para sempre” é realmente tempo a mais…
Pensemos no Super-Homem – ele não vivia para sempre, mas a nós, terrestres, parecia-nos isso porque mesmo que vivesse “somente” 1000 anos, para o nosso tempo de vida isso já seriam várias gerações e parecer-nos-ia realmente que ele era um ser imortal.
Pensemos no Highlander, que também não viveu sempre, mas era considerado imortal.

Olhando para as espécies terrestres, vemos que a mosca vive 1 mês, um beija-flôr 2 anos, um canário 20 anos, um humano cerca de 75 anos, certas tartarugas vivem 150 anos, e um pinheiro na Califórnia (denominado Matusalém) tem quase 5000 anos.

Daí que é estranho, quando pensamos em vida extraterrestre, assumirmos que eles terão um tempo de vida semelhante aos seres humanos.
E essa suposição errada vai afectar outras “conclusões”, como por exemplo a hipótese de viajar entre as estrelas, caso sejam civilizações extraterrestres tecnologicamente avançadas.

Sabemos que a longevidade das espécies está associada ao metabolismo. Quanto mais intenso o metabolismo, mais curta é a vida. Quanto mais intensamente a espécie se alimenta e gasta a sua energia, menos tempo vive. Esta relação vê-se até nas estrelas – as mais massivas, e mais energéticas, são as que menos tempo vivem.
Quer isso dizer que seres que vivam indefinidamente têm que ser os mais quietos? Segundo o que sabemos de alguns extremófilos, a resposta é Sim.

Como é que isso se coaduna com uma possível civilização extraterrestre que seja curiosa e que queira viajar entre as estrelas?
Só afectando outros factores.
Por exemplo, poções para retardar o envelhecimento, ter capacidade para uma contínua renovação das células, e decididamente um controlo a nível genético.

Em termos de longo prazo, a ciência costuma evoluir como um todo, o que quererá dizer que quando conquistarmos o espaço também conquistaremos o tempo… de vida.

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

1 comentário

  1. Carlos Oliveira

    Curiosamente, Frank Drake, o pai do SETI disse isto: “Immortality may be quite common among extraterrestrials”, e espera que os ETs nos dêem o segredo da imortalidade.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

AstroPT – Informação e Educação Científica is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache