Carlos Oliveira na Imprensa Portuguesa

dn-capa

Dia 23 de Maio de 2009, apareci na capa do jornal Diário de Notícias!
Além de outros textos ligados à astronomia (por exemplo sobre a Pedra da Lua em Coimbra, e outros textos bastante interessantes), na página 38 do mesmo jornal aparece mais uma fotografia minha, e uma entrevista feita pela Filomena Naves sobre o curso de astrobiologia que lecciono na Universidade do Texas em Austin.
carlos
Podem ler o texto, clicando aqui.

O Ano Internacional da Astronomia 2009 publicou em Abril de 2009 nas notícias do Sapo um pequeno texto com a “big picture” sobre o artigo publicado no IJA. O título do artigo é: “Os extraterrestres somos nós: ensinar a pensar a ciência”. Leiam aqui.
“A importância da ciência no mundo tem vindo a crescer exponencialmente. Neste século XXI, o mundo está cercado de ciência por todo o lado mas, paradoxalmente, a literacia científica do comum dos mortais está aquém do necessário para se ter opiniões fundamentadas e tomar decisões informadas.
Foi tendo em conta este contexto que foi criado este inovador curso de ciência, que é único a nível mundial e que tem tido excelentes referências internacionalmente. Na Universidade do Texas em Austin, nos EUA, o português Carlos F. Oliveira criou e lecciona um curso de astrobiologia que é inovador a vários níveis. Este curso universitário vai muito mais além do que simplesmente «procurar extraterrestres», promovendo o pensamento crítico em diversas áreas, inspirando uma imaginação mais fértil, impulsionando a interdisciplinaridade científica, incentivando argumentos lógicos e racionais para defender as posições, e fomentando um conhecimento científico diversificado e robusto.
O grande tema deste curso traduz-se como: Os Extraterrestres Somos Nós. Uma visão crítica da astrobiologia e das limitações com que imaginamos a vida extraterrestre.
Após a criação deste curso de astrobiologia há 4 anos atrás, as recomendações de alunos e de professores universitários nos EUA têm sido excelentes, tendo a apresentação do curso recebido uma menção honrosa na conferência de astrobiologia do Reino Unido no ano passado, e, recentemente, o curso teve finalmente o merecido reconhecimento ao ver a sua descrição detalhada num artigo científico aceite e publicado no prestigiado International Journal of Astrobiology.
O interesse que este original curso de astrobiologia está a despertar poderá levar a uma reavaliação do ensino da ciência para alunos de áreas não científicas.”

Também a Lusa, em Maio de 2009, através do jornalista Fernando Zamith, escreveu um pequeno texto sobre o meu curso de astrobiologia.
Esse texto da Lusa foi seguidamente enviado para vários órgãos de comunicação social.
Leiam os textos que foram aparecendo pelos Media:
Diário de Notícias, secção Ciência.
Diário de Notícias online.
Jornal de Notícias.
Correio do Minho.
– blog Acredita Portugal.
“Quatro países querem curso criado por português!
Universidades dos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Brasil manifestaram interesse em ter o curso de astrobiologia criado na universidade norte-americana do Texas em Austin pelo português Carlos Oliveira.
Este curso sobre a possibilidade de vida extraterrestre tem a duração de um semestre e é destinado a “alunos que já têm pelo menos dois anos de licenciatura”, mas pode ser frequentado por estudantes de outros graus.
O funcionamento do curso foi explicado pelo próprio Carlos Oliveira num artigo recentemente publicado na revista International Journal of Astrobiology, intitulado “Aliens are us. An innovative course in astrobiology” (Extraterrestres somos nós. Um curso inovador em astrobiologia).
O docente realçou que “o curso neste momento está muito mais direccionado para o pensamento crítico em geral do que na altura em que o ‘paper’ [artigo] foi escrito.
“O curso vai muito mais longe do que a simples ideia de extraterrestres. Existem várias actividades (praticamente todas) que promovem o pensamento crítico e algumas delas nem têm a ver com extraterrestres”, referiu, dando como exemplo “ideias disparatadas sobre o Homem não ter ido à Lua”.
“O que o curso pretende é avaliar a argumentação científica, ou seja, lógica e racional, dos alunos. Esta é uma das razões para a existência de alunos das mais diversas áreas, incluindo, por exemplo, administração pública, negócios, educação e jornalismo”, acrescentou.
Carlos Oliveira explicou que “o curso promove uma imaginação muito mais além do que aquela que se vê em Hollywood, na TV, e até por vezes na ciência”.
Licenciado em Astronomia, Carlos Oliveira prevê concluir em Dezembro o doutoramento em Educação para a Ciência, com especialização em Astrobiologia.
“Tudo aponta para que exista vida extraterrestre”, afirmou Carlos Oliveira, salientando que também tudo apontava para a existência de planetas extra solares (exoplanetas) antes de eles começarem a ser descobertos.
“O ensino da astrobiologia é vital na sociedade do século XXI”, disse o docente, destacando a ligação desta área a outras ciências, como a astronomia, biologia e química.”

O Jornal de Ciência, Ciência Hoje, também escreveu sobre isto.
Leiam o artigo, clicando aqui.
astrobiologia NASA

3 comentários

3 pings

    • Luis Gonzaga Parente Ribeiro Moreira on 26/03/2013 at 10:08
    • Responder

    Muito bom dia meu amigo Carlos.
    Antes de ontem, comentei na página, da responsabilidade de Marco Filipe, “Um planeta vivo pode existir”, datado de 22 do corrente mês sobre temas diversos (astrobiologia,cartoons, contactar ets.humor,ovnis), pensando que era da sua responsabilidade, o que peço desculpa. O meu amigo não ligue ao pecado praticado, porque eu não passo de um nabo,no manuseamento desta tecnologia, que adquiri há três anos, exclusivamente para escrever, o que me der na gana. Como o servidor não publicou, o referido comentário, nas diversas consultas que efetuei, passadas que foram mais de 10 horas, repeti a dose, ao reenviá-lo levemente alterado. No primeiro período do artigo, dirijo-me ao meu amigo, com o propósito de o convidar a almoçar na minha casa, na companhia do amigo comum Manel Rosa Martins, que desde já aceitou, no dia agendado de 12 de Abril próximo, pelas 12,30 horas, para posteriormente e depois do jantar, proferirem os dois, as respetivas palestras, no Auditório do Instituto Politécnico, da linda cidade de Viana do Castelo, cuja animação cultural já começou a ser divulgada, não só, na Internet, no seio dos Associados da Associação de Astronomia de Viana do Castelo, “Polaris” mas também no seio da Comunidade Vianense, que os aguarda com expectativa. Creio que vão viajar juntos e caso isso aconteça, vão fazer os possíveis por chegar às portas da cidade de Viana do Castelo, entre as 12,30 e as 13 horas, hora da reunião da minha família para o almoço, na minha residência. Depois de passarem a cidade do Porto, em direção a cidade de Viana do Castelo, dar-me-ão um toque para o meu telemóvel, com o nº. 966250450, para calmamente me colocar em local privilegiado, imediatamente a seguir ao fim da Ponte, sobre o Rio Lima, onde os aguardarei, com a obrigação de emitir as instruções e a indicação do rumo a seguir até junto do meu automóvel de cor preta, de marca Honda Civic, que servirá de guia até à minha casa, situada na freguesia de Santa Marta de Portuzelo. Se o meu amigo entender conveniente, poderá comunicar ao amigo Manel, o conteúdo desta comunicação. Muita saúde e boa viagem.

  1. Carlos,

    É melhor a foto de óculos… 😉 tu é mais feio que eu 🙂

    Em tempo: parabéns pelo destaque 😉

    Abraço 🙂

    1. LOL 😀

      Obrigado 😉

  1. […] 5 para a meia-noite. RTP 1. RTP Açores. TSF, Rádio Nova Cidade, Dias do Futuro, Antena 1, RCP. Imprensa. Grande Porto. Bitaites. Diário de Coimbra. Revista C. Prémio. Curso no Porto e Açores. […]

  2. […] um mini-curso no Porto e outro nos Açores, dei algumas entrevistas para televisões, rádios e jornais, entre várias outras actividades, relacionadas com astrobiologia e não […]

  3. […] caminho, a imprensa portuguesa deu conta disto. Leiam aqui. E falei disto também numa entrevista na TSF. Oiçam […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.