Calendário Maia

Mayan Calendar

Até há uns anos atrás a maior especialista no calendário Maia era a Linda Schele, que morreu de cancro em 1998.
Mundialmente era vista quase de forma unânime como a maior autoridade no assunto, e fundou um centro aqui na Universidade do Texas em Austin, para esse assunto.
Um dos estudantes de doutoramento mais promissores que teve foi o Ed Barnhart. Este entretanto tornou-se o grande especialista no assunto, e até foi um dos nossos professores no México, quando andamos a estudar as culturas meso-americanas.
Ele tem um centro que se dedica a educar as pessoas sobre a cultura Maia. Vejam aqui.
Continuamos em contacto, obviamente.
Ele enviou-me um dos seus projectos: Calendário Maia.

Se forem aqui, podem ver no final dessa página, o dia de hoje, no calendário Maia!
Nesta página podem calcular o calendário Maia para qualquer dia!
Nesta página, podem ter o calendário Maia no vosso iPhone!
Nesta página, podem ler sobre as correlações existentes.
Leiam aqui sobre os diversos calendários utilizados pelos Maias.
Sobretudo, leiam aqui sobre o Mayan Long Count, porque é este que mete medo aos ocidentais.

O Ed é bastante diplomata e não quiz colocar exactamente aquilo que pensa sobre os misticismos baseados no medo dos ocidentais actuais. Aliás, a razão mais premente será que é uma forma de marketing também – chamar acéfalos aos potenciais compradores, não lhe daria muitos clientes. Daí que deixa no ar a ideia de que “depois vê-se o que (não) acontece”.
Mas vê-se bem a ideia de ciclos, que não passam disso; tal como nós temos os nossos próprios ciclos (o nosso calendário), e só porque dividimos o nosso calendário em dias, semanas, meses, anos, séculos e milénios, não é por isso que a nossa civilização deixa de existir no fim de “long counts” como um ano, um século, ou um milénio; por muito que até há 9 anos atrás, as mesmas pessoas andassem todas histéricas e com medo que o mundo iria acabar no ano 2000 – porque era o fim do milénio, e porque várias “evidências” apontavam para isso, nomeadamente havia quem dizia que na Bíblia estava escrito que “de 2000 não passarás”.
Enfim… ninguém aprende com os erros do passado.

De qualquer modo, é sempre uma boa prenda de Natal, se quiserem, comprem o calendário Maia para 2010.
Vejam-no aqui.
É sempre giro de ter numa parede de casa, e pode servir como tema de conversa com as vossas visitas (aproveitando para as assustar, inventando histórias sobre o calendário Maia).
Mayan Calendar

2 comentários

1 ping

    • René Haurón on 09/05/2015 at 21:12
    • Responder

    Estimado Carlos Oliveira.

    Desejo consultar sobre um tema muito polêmico. Especificamente sobre o calendário mesoamericano. Alguns afirmam que seja Náhuatl, outros Asteca ou Maia e até Tolteca.
    Tenho feito pesquisas exaustivas a seu respeito durante mais de 25 anos e acredito que as configurações conhecidas que os delineiam não correspondam a conta certa do sistema mesoamericano.
    Sei que ele foi descrito por muitos especialistas acadêmicos e que agora, acreditam, não existir dúvidas a seu respeito.
    Porém, um olhar sem contaminação, posso demostrar que as atuais configurações estejam aquém do imaginável.
    Gostaria, se me permitir, conhecer o trabalho desenvolvido e tentar-nos colocá-lo aonde acredito merece.
    Podemos conversar?
    Abraços.

    1. René,

      Sendo-lhe sincero, pouco ou nada entendi do seu comentário.
      Se pesquisa sobre calendários mesoamericanos há mais de 25 anos, basta que me envie os seus artigos científicos em journals credíveis da especialidade.

      Se já tiver feito esse peer-review, então poderemos conversar, já que realmente terá a experiência que diz ter.

      abraços

  1. […] – calendário Maia. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.