TED

Há pessoas por esse mundo fora a fazer coisas incríveis. Esta semana tive oportunidade de conhecer algumas dessas pessoas no TEDx Porto.
Conheci gente incrível, gente empreendedora, gente que começou do nada para construir alguma coisa.
Quanto à astronomia acho que esteve bem representada e acho que suscitou interesse nos presentes.
Para o ano conto voltar.

Mas também estive com alguns destes amigos no Sociedade Civil da RTP2 e gostei do debate.

65 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. tedxlisboa.comted.com…

    Não, não vou falar mais daquilo que apagaste 😛

    Mas foi agora o TEDxLisboa, e tive amigos que foram expressamente a Portugal só para assistir a esse TED. Tal como já tinha acontecido no Porto, e daí o feedback que te dei, sobre a tua palestra não ser nada inovadora.

    No TEDxLisboa, este foi o feedback geral ke tive, de amigos meus ke foram ver, e que sabem o que é o TED (ao contrário de, pelos vistos, alguns de vocês) 😉
    http://www.tedxlisboa.com/

    Este é o feedback geral:

    “Oscilou entre o muito interessante e o extraordinariamente desadequado e desinteressante.”

    “Havia varios oradores que nao faziam a menor ideia do que era o TED e que nao trouxeram nada de inovador ou sequer interessante.”

    “Uma pequena sugestao de talk:
    http://www.ted.com/talks/hans_rosling_shows_the_best_stats_you_ve_ever_seen.html

    “Na retina ficaram-me somente 3 talks:
    Rodrigo Viterbo e os workshops de construcao de didgeridoo.
    João Nogueira Santos e a adesão massiva aos partidos políticos para uma nova cidadania.
    Joaquim Casado, ex Presidente da Junta da Ericeira sobre varios projectos de sustentabilidade ambiental e de envolvimento social. Um homem genuino e o unico a ser ovacionado de pé.”

  2. Zé, já te disse que eu exagerei mais.
    Por mim, não houve qualquer problema no que me disseste.
    Há no “calor” do comentário… mas fica por aí.

    LOLLL tendo em conta que exagerei mais, então eu vou ter que te pagar 2 jantares… 😉
    Como a conversa é de astrobiologia… peço depois contas ao meu departamento… LOLL 😀

    abraço amigo!
    Carlos

  3. Carlos

    Como já te disse pessoalmente acho que esta discusão fica mal entre amigos…

    No calor da discussão cometemos exageros e eu concerteza cometi alguns…Portanto, faço a minha penitência…por erros ou omissões ou por palavras mais amargas…desculpa os meus exageros….tenho-te que te pagar um jantar quando vieres a Portugal como castigo da minha má-língua…

    Um abraço amigo

  4. Zé,

    Lá continuas tu a dizer que deves pôr uma pedra…mas continuas. Continuas a destratar-te a ti próprio.
    “Own it”.

    Quanto ao TED… eu sou pessoa com 3 formações superiores.
    Se me fores falar de medicina, não vou perceber nada. Vou pensar que estás a dizer coisas certas. Mesmo que troques várias coisas específicas que qualquer médico perceberia.
    Aliás, há estudos sobre a falta de literacia científica de cientistas. Porque não sabem coisas básicas fora da área deles. Como eu não sei de outras áreas. Logo, esse teu argumento não pega.

    Teu comentário 6: “Mas a minha palestra nem sequer é focada no homem, mas sim na vida na Terra”
    Teu comentário #10: “Vamos passar a factos concretos, que abordo na palestra… (…)
    Em resumo, existem vários factores especiais ou excepcionais que permitiram a existência de vida na Terra e é isto que me refiro quando falo de condições excepcionais…
    O aparecimento de vida na Terra mostra que não basta apenas estar na zona de habitabilidade uma estrela, outros factores são importantes para que a vida apareça.
    Tu pelos vistos achas que não que a Terra não teve condições especiais para o aparecimento da vida…”

    Nota que tu, agora, “apagaste” o “abordo na palestra” do teu comentário #10… porque sabes que foi um erro.
    Podias deixar estar o que escreveste originalmente. E podias ter admitido o erro. Mas não. Preferiste passado 1 mês, apagar aquilo que disseste há um mês atrás, como se não fosse um erro grave que levou à discussão posterior. Já que falaste em técnicas de deturpação… o que chamas a apagar algo que estava errado, como se não tivesse acontecido?
    De qualquer modo, quer apagues ou não, foste tu que o disseste aqui. Que a tua palestra abordava isso… que abordava o aparecimento da vida. Obviamente que te critiquei porque a tua palestra nunca foi sobre isso.
    Tu podias ter admitido, e a conversa acabava aí. Mas não, continuaste a dar a entender que não sabias sobre que era a tua palestra. Quiseste discutir algo que desde o início não tiveste razão. Obviamente que eu tinha razão, e continuei a criticar-te.

    Já agora, cá fica a tua palestra:
    http://radiante.wordpress.com/2010/10/31/no-tedx-porto/
    que prova as minhas críticas anteriores, em que vês a vida de forma muito limitada.
    Tu achas que a vida é especial, que os humanos são especiais, que a Terra está à “distância certa” do Sol, que termos Primavera é muito importante (sabes que existem humanos a viver em sítios que não têm essa estação?), que estamos na “altura certa”, etc, etc, etc… Tu vês a vida como sendo humana, e como estando dependente de todas essas condições. Ou seja, tens uma visão limitada das possibilidades.
    Já agora, podes apanhar com um asteróide em cima amanhã ou hoje, sem saberes… não faz sentido os “10 anos” de espera… nunca ninguém disse que era possível detectar “meteoritos” – para usar a tua palavra – com 10, 20, ou 30 anos de antecedência… nem sei como foste imaginar isso.
    A tua visão é bastante religiosa. A religião é que promove a ideia que somos bastante especiais – o geocentrismo psicológico persiste…
    E acabaste dizendo que o Universo está feito, “por alguém”, para a vida. Fiquei desgostoso em saber que era uma palestra religiosa, disfarçada de palestra científica…

    bem… abraço!

  5. Carlos

    Acho que devemos pôr uma pedra sobre isto, no entanto, eu não insultei aqui ninguém nesta discussão. Gostava de deixar isso bem claro. Se fiz algum comentário despropositado, alguma piada retiro o que disse…já o disse atrás….Acho que não destratei ninguém…

    Disse aqui várias vezes que respeito os teus conhecimentos na área, disse também que se dás uma cadeira sobre astrobiologia concerteza que tiveste que estudar e preparar-te para a dar…Portanto, respeito as pessoas e respeito o trabalho de cada um…O facto de não fazeres propriamente investigação em astrobiologia não te diminui em nada. Estás ligado à educação em ciência que é obviamente um trabalho importante…se calhar tens a tal visão do big Picture..muito bem…

    Agora da mesma forma que eu não desrespeito o trabalho de ninguém, a única coisa que peço é que respeitem o meu…e por isso não posso obviamente admitir que venhas dizer que andei a enganar as pessoas no TED. As pessoas no TED não são pessoas com 4ª classe. São pessoas com formação superior. Podem não saber muito de astronomia (embora estivessem lá algumas que até sabiam alguma coisa de astronomia), mas perceberem perfeitamente que a palestra era à volta das condições que a Terra tinha para suportar vida como a nossa. Foi esse sentimento que tive quando falei com as pessoas nos intervalos…Não senti que alguém tivesse sido enganado..

    A conversa sobre a origem da vida surgiu no seguimento desta discussão, não era o tema da palestra…já o disse atrás…

    Quando falo do exemplo das estradas já te disse que é um num contexto de exagero: “Nunca nenhuma espécie teve a capacidade, por exemplo, de modificar a paisagem como nós temos…queres pôr uma bactéria a fazer estradas ou a construir cidades???” É óbvio que nenhuma bactéria vai fazer isso…o exemplo não foi melhor….admito, pois não se percebe que estou a exagerar de forma jocosa…mas a mais frente na discussão apresentei argumentos mais sérios sobre isso…

    O problema disto é que a conversa foi transviando tornando-se ridícula e completamente disparatada a partir de um certo ponto…Houve frases exageradas, confusões e equívocos de parte a parte…Não vamos voltar a isso..

    Portanto, há uma lição a tirar de tudo isto…acho que nunca mais devemos cair numa discussão deste género. Não fica bem a ninguém este tipo de conversa. Ainda por cima, tu és moderador do blogue e eu um colaborador. Portanto, não podemos ter aqui comportamentos como se fossemos uns meros comentadores vulgares de rua…Por mim, tem um ponto final aqui…

  6. Zé,

    Eu respeito-te como pessoa.
    Mas em termos de tudo o que demonstraste aqui em termos de conhecimento, obviamente que te enterraste e não foi pouco!

    Podes vir agora fazer-te de vítima e dizer que fui eu que não te respeitei e não sei que mais.

    Mas eu nunca te obriguei a mentires. Tu fizeste porque o quiseste.
    Eu não te obriguei a contradizeres-te. Tu fizeste porque o quiseste.
    Nunca te obriguei a demonstrares ignorância sobre o tema. Tu fizeste porque o quiseste.

    Limitei-me a criticar a tua palestra (no meu primeiro comentário disse-te: “não concordo em nada com a tua “filosofia” de base”) e a tua 1ª intervenção no programa (mesmo tendo dito que “adorei o programa”). Disse coisas que foram óbvias tanto sobre a palestra como sobre o programa.
    Tu não gostaste, e em vez de admitires os erros, preferiste discutir.

    Estive a ler para trás, e percebi que a discussão começou a mudar de tom a partir do momento em que tu falas do Rare Earth sem saberes do que falavas (porque não leste o livro) – obviamente que isso me deixou chateado. Então tu queres-te fazer de conhecedor de algo que não tens conhecimento? Lá está, a minha crítica aqui é que tu assumes que estás a falar com alguém que nunca leu essas coisas e que por isso não vai dar pelos erros que dizes. Isso surpreendeu-me em ti, desapontou-me em ti, e fiquei chateado obviamente.
    E logo no comentário seguinte é quando dizes que o Homem é o maior por fazer estradas.
    E queres que eu aceite estas coisas? Obviamente que não posso aceitar estes erros.

    Agora não me venhas culpar a mim por em todos os comentários dizeres que não discutes mais, e depois continuas.
    Não me venhas culpar a mim por dizeres que o homem é o maior por fazer estradas.
    Não me venhas culpar a mim por dizeres que eu sou um mero “interessado”, e depois não sabes definir o que é um especialista.
    Não me venhas culpar a mim por falares em composição e depois dizeres que não o fizeste.
    Não me venhas culpar a mim por fazeres uma palestra onde vês a vida basicamente como humana, e depois vens para aqui dizer que afinal estavas a falar da origem da vida, e depois já dizes que era sobre vida complexa… só para me contradizeres (e a ti próprio) e demonstrares ignorância sobre o assunto.
    Basta leres para trás que eu disse isto: “A tua palestra está excelente como condições especiais para alguma (nem toda) vida complexa na Terra! Está focalizada para aquela vida que toda a gente vê na rua ou em programas de TV. Está basicamente focada nos humanos!” E tu mesmo assim quiseste continuar a discutir. Tenho culpa?

    Fazeres essas coisas pode ser para ti a “percepção correcta do que deve ser uma discussão na net.”
    Para mim, seja na net ou ao vivo, acho que deves falar correctamente das coisas. Nem ao vivo nem na net me vês a discutir agricultura. Há uma razão para isso. Meteria montes de água.

    Como te disse várias vezes ao longo desta conversa, acho que deste uma péssima imagem de ti e do teu conhecimento sobre o assunto em causa.
    Mas eu não te obriguei a nada. Pelo contrário! Disse-te várias vezes que devias parar, porque só continuavas a dizer coisas erradas. Podias ter parado. Mas preferiste continuar a dizer coisas erradas. Não me parece que me possas culpar pelo que foi uma decisão tua.

    Quanto à linguagem, tens razão. Não tenho qualquer problema em admitir as coisas que eu faço.
    Tu insultas com piadas e outras vezes directamente. Eu insulto directamente. A forma como vejo as coisas é que prefiro não me esconder atrás de piadas. Prefiro ser directo.
    Se te sentiste ofendido ou desrespeitado, obviamente que te peço desculpa.

    Tornei a ler para trás, e a linguagem começou a “descambar” a partir do momento em que tu usaste um tom paternalista com críticas à personalidade (#8).
    Até aí, as críticas tinham sido aos argumentos utilizados e às ideias subjacentes a esses argumentos. Tu decidiste tornar as coisas mais pessoais.
    E nota que o tom paternalista é um tom que utilizas largamente. Poderia fazer como tu e dizer que é por arrogância, mas sinceramente não me parece.
    Parece-me que tu, sem notar, usas esse tom paternalista para imaginares que tens razão, quando não a tens.
    Além disso, penso ser ridículo utilizares um tom paternalista com alguém, num assunto em que evidentemente sabes menos. Parece-me ridículo, inapropriado, e até insultuoso.
    As críticas à personalidade também acontecem porque não consegues ter razão com base nos argumentos sobre o assunto em causa.
    Depois pões piadas para tentares retirar o tom grave ao que dizes…
    É uma estratégia como qualquer outra… Mas comigo não funciona. Se calhar foi esse o problema.
    Para mim, a piada que fazes a seguir não retira peso ao que acabaste de dizer. Pelo contrário.

    A partir daí, comecei a utilizar uma linguagem mais dura.
    E tu começaste a contradizer-te e a mentires, para não admitires o que acabaste de dizer atrás.
    E eu, em face disto, aumentei a linguagem dura.
    Em termos de argumentos, eu tive razão. Em termos de tom, ambos falhamos (eu mais), e eu admito que fui algumas vezes longe demais.
    Mas no essencial, nas críticas que te fiz à tua falta de conhecimento em diversos aspectos, isso qualquer pessoa pode ver que tive razão.
    Nas críticas que te fiz às contradições, então é óbvio que tenho razão. Está tudo aqui escrito.

    Tu dizes que tentas fazer um trabalho sério e honesto. E dizes que eu te chamei aldrabão.
    Eu repito o que já te disse: nesta discussão pareceu-me por várias vezes que estava a discutir com criacionistas ou com astrólogos.
    Os criacionistas e muitos astrólogos acreditam naquilo que dizem. Para eles, estão a ser sérios e honestos. Não estão, obviamente, a ser aldrabões.
    Mas acho que AMBOS (eu e tu) concordamos que se eles forem para a TV proferir as crenças dele e a forma como eles vêem os assuntos de que falam, obviamente que vamos dizer que eles estão errados e em várias coisas metem água.
    Claro que a audiência deles não se apercebe, e por isso é que há tanta gente a seguir a astrologia.
    Mas tanto tu como eu sabemos que muitas das coisas que eles dizem são erradas. E nesse sentido estão a ENGANAR a audiência. Eles podem pensar que não, porque acreditam no que dizem, mas o certo é que nem o mundo tem 6000 anos, nem Júpiter me influenciou se fui para astronomia ou para gestão.
    No entanto, eles podem ser muito boas pessoas, e podem ser extremamente honestas naquilo que transmitem (baseado nas misconceptions que têm).

    Como te disse em comentários anteriores, acho que és um excelente divulgador.
    Mas acho que te deves limitar àquilo que sabes mesmo do que falas.
    Para mim, o que fizeste no TED foi um erro, porque te meteste num assunto que, como se prova por estes comentários, não dominas.
    Como já te disse noutro comentário, deverias ter escolhido outro assunto para falares.
    Ao falares sobre um assunto em que tens tantas misconceptions, obviamente que enganaste a audiência.
    Não digo que fizeste de propósito para enganar. Simplesmente não sabes mais. Noutro assunto farias um melhor trabalho.
    Penso que o que fizeste com o Rare Earth aqui é o exemplo particular perfeito do que se pode aplicar ao que fizeste à generalidade da tua palestra e do assunto astrobiologia.

    Concluindo, eu admito o que fiz, sem qualquer problema.
    Mas não me culpes pelas coisas erradas que tu disseste. Nem me culpes por te ter corrigido.

    abraço!

  7. Carlos

    Esta discussão já deixou de ter sentido há muito tempo…

    Porque como qualquer pessoa poderá ver grande parte desta discussão foi contigo a destratar-me e armado em esperto.

    Usaste a linguagem que usas em muitas discussões, linguagem desapropriada para uma conversa destas e com insultos à mistura. Usaste também a arrogância do costume, o que só te fica mal.

    Como eu já escrevi noutro post, eu não ando a brincar com as pessoas, nem no TED, nem em lado nenhum. Tento sempre fazer um trabalho sério e honesto. Com falhas, com limitações, com constrangimentos, com tudo o que é típico desta actividade, mas tento sempre fazer um trabalho sério…por isso não posso obviamente admitir que alguém (sejas tu ou outra pessoa qualquer) venha dizer que eu sou aldrabão….como tu disseste várias vezes ao longo desta discussão. Tem lá paciência, mas acho que estás a passar das marcas…

    Mostraste pouco respeito por mim ao longo desta conversa…tenho pena. Não é o tipo de postura que eu tenha com ninguém…

    Infelizmente esta conversa prolongou-se demais…constato que já lhe devia ter posto um ponto final há muito tempo atrás…Fizeste-me de facto perder muito tempo, andaste a afrontar-me, a enxovalhar, sem necessidade nenhuma…

    Continuarei a falar contigo com toda a normalidade, mas é óbvio que não voltarei a alimentar contigo uma discussão deste género seja em que contexto for…Foi a última vez que me apanhaste numa discussão destas…Eu felizmente, ao contrário de ti, tenho uma percepção correcta do que deve ser uma discussão na net e da postura que devemos ter em relação aos outros…As pessoas que me conhecem sabem que não é esta a minha postura na vida, nem na astronomia.

    Se disse alguma piada mais desajustada retiro o que disse…pois como já te disse respeito as pessoas….

  8. Cada qual tem a vida que escolhe…

    Sobre a tua palestra, preocupa-me como alguém pode fazer uma palestra sobre um tema do qual nada sabe, e nem sequer sabe sobre que é a palestra.
    De cada vez que a tentaste explicar, contradizes-te!!!
    Já tá mais que provado que não percebes o assunto da palestra!
    Para quem não percebe do assunto, obviamente que caíram nas tuas piadas e nem perceberam que foram enganados pela tua ignorância.

    Quanto à Edna, que posso dizer? Então, dizes tu, que ela não é especialista…
    Bem, só me posso rir. Que posso eu mais fazer?
    Muitas vezes quem faz investigação num tema bastante específico, perde a “big picture”. Daí que não se pode dizer que é especialista na “umbrella”, mas somente numa coisa específica.
    A Edna é o contrário.
    Estamos a falar da “umbrella” da astrobiologia.
    (isto já me foi explicado aqui no passado quando me pediram para dar uma palestra, porque acharam que eu era especialista desse “umbrella”, enquanto o pessoal na audiência, alguns que até descobrem planetas extrasolares, estavam tão especializados no seu método específico, que perdem a noção da “big picture”).
    Obviamente que ela também é especialista em educação.

    Para ti, ela criou um curriculum em astrobiology somente porque é uma “interessada” no assunto? Sim, porque para ti, meros “interessados” podem criar curriculums e criar cursos universitários e tudo…

    Sabes que as pessoas podem ter várias especialidades… eu percebo que tu te limitas a uma especialidade (de escreveres disparates), mas outras pessoas conseguem fazer várias coisas.

    By the way, é “outreach” e não “auto”.

    Mas para quê continuar a falar nisto?
    Tu é que és o gajo que sabe tudo, eu somente trabalho na área.
    Enfim…

    A discussão pode não interessar ao menino jesus… mas interessa-te a TI… senão parávas a discussão… por isso escusas de MENTIR mais uma vez.

    Zé, segue lá os teus conselhos e, de uma vez por todas, faz outras coisas.
    Porque aqui, de cada vez que escreves, só te sabes enterrar!
    Enfim…

    Tu deves ser masoquista para continuar uma discussão em que nitidamente não tens razão, em que te fartas de mentir e contradizer, e em que cada vez que escreves só demonstras mais ignorância!
    Enfim…

    É o que eu digo… uns quando não têm razão, admitem, e fica tudo resolvido.
    Outros preferem mentir, contradizer-se, demonstrar ignorância, e aparvalhadamente continuar a discutir para defender o indefensável.
    Há quem diga que é uma questão de carácter. Eu prefiro pensar que é de inteligência.

  9. Carlos
    Como eu já te disse no último comentário, tu não andas bem, a minha palestra de facto perturbou-te profundamente…e já não dizes coisa com coisa…por isso, deves repousar e não te meteres mais nesta discussão….

    Em primeiro lugar, continuo à espera da lista dos papers que estranhamente parece que tens um problema qualquer em publicá-la…

    Quanto a ser especialista, segundo o dicionário um especialista é uma pessoa especializada em algo…, o que em astronomia significa habitualmente um investigador em certa área…

    Ora o exemplo, que dás da Edna mostra de facto que não sabes do que estás a falar. A Edna não faz investigação em astrobiologia. O que Edna faz e fez ao longo de toda a vida foi investigação em educação em ciência aplicada a diversas áreas…como é o caso recente da astrobiologia. Mas já trabalhou no autoreach do SOFIA, isso não quer dizer que fizesse investigação em astronomia dos IR, depois trabalhou para o NAI e agora trabalha no SETI como directora da educação e autoreach…Portanto, o que ela faz é investigação na área do autoreach…não é investigação em astrobiologia…

    Aliás, ela também está envolvida no autoreach da missão Kepler, ora pela tua lógica então também é uma especialista em planetas extra-solares???

    Agora isto não quer dizer que não saiba de astrobiologia. concerteza que sabe, pois só podemos transmitir aquilo que sabemos…mas se eu por exemplo trabalhar no autoreach dos MER não quer dizer que eu seja um especialista em geologia planetária ou que faça investigação em geologia planetária. Concerteza que saberei muita coisa sobre Marte ou sobre os rovers, mas isso não me torna um investigador em geologia marciana…
    Agora isso não diminui ninguém e tu parece que ficaste com um problema qualquer de eu ter dito que não eras especialista em astrobiologia, nem fazias investigação em astrobiologia. O que tu fazes é educação em ciência aplicada na área da astrobiologia, não é propriamente investigação em astrobiologia…Não tem mal nenhum, agora escusavas era de te armar em especialista…ou em investigador…

    Quanto a tempo livre, de facto não tenho o teu tempo livre, pois vê-se pelos testamentos que fazes e pelo tempo que perdes na net que tens boa vida…agora meu amigo eu tenho que trabalhar…e tenho coisas mais importantes a fazer do que esta conversa da treta…

    Portanto, vê lá se repousas se vais para o campo apanhar um pouco de ar fresco, e se me deixas em paz…porque eu já perdi tempo demais com isto…e continuo a perder, pois continuas a dar a corda a uma discussão que não interessa nem ao menino Jesus….

  10. Zé,

    Vejo que continuas a discussão… afinal já não tens que fazer.

    Espera pelos meus e pelos da Edna… porque para TI, segundo o teu último comentário, ela não é especialista… porque és ignorante sobre o tema.
    E espera por até pensares um bocadinho, e chegares a uma conclusão sobre o que era a tua palestra. Está claro que continuas sem saber.

    É o que eu te tenho dito…
    Como está aqui tudo (todas as mentiras, contradições, etc, que tens feito), optas por piadas de 2ª categoria, porque pensas que as pessoas não têm 2 neurónios e caem nelas, em vez do essencial das tuas afirmações.
    Podes enganar alguns, mas não todos.

  11. Carlos

    Continuo à espera da tua lista de papers…

    Quanto ao resto desejo-te as melhoras, tu não andas bem…andas perturbado com a minha palestra…tem calma….para um pouco, escuta o coração e come BECEL….

  12. Carlos

    Não fiques nervoso….Sobre as tuas investigações e a tua qualidade de especialista…penso que andarás a estudar as possibilidades de vida fora da Terra, penso que andarás a investigar como é que a vida pode sobreviver em diferentes tipos de ambiente ou então em ambientes extremos ou se existe vida noutro sítio do sistema solar, ou então deves andar envolvido em alguma pesquisa SETI, concerteza que deves andar a fazer uma investigação qualquer destas…E sendo assim, deves publicar as tuas investigações e por isso fico à espera da tua lista de papers…

    O problema desta discussão começou contigo a falar de palestras que não vistes…e a dizer que andei a enganar pessoas no TED….quando eu no TED comecei por dizer às pessoas vou contar-vos porque razão é que a Terra é um planeta mesmo bom para vós…Portanto, não estava a falar da vida terrestre no geral, não estava a misturar vida simples com vida complexa…estava a falar porque a Terra tinha boas condições para vida como a nossa…portanto, ninguém se sentiu enganado por coisa nenhuma…infelizmente já me disseram que as palestras não vão ficar disponíveis na net, porque senão percebias facilmente que eu não andei a falar dessas tretas que dizes ao longo desta discussão…

    portanto, metade desta conversa da treta era escusada se tu não andasses a falar de coisas que não vistes e a pensar que outros é que são burros e que tu é que és esperto…

    Mas é como te digo fico à espera da tua lista de papers, pois estou certo que ficarei rendido às tuas investigações em astrobiologia..

    Outra coisa, eu sei que tu agora estás por casa em recobro…e espero que recuperes de depressa…agora eu começo a trabalhar hoje e de facto tenho mais que fazer do que andar a perder tempo com isto…porque isto é mesmo aquele tipo de conversa de quem não tem nada que fazer…

  13. Zé,

    Eu não estou nervoso, mas é curioso que a tua ignorância vai ao ponto de nem perceber que eu também trabalho a partir de casa… como faço a partir do escritório… como faço no café… etc e tal.
    Enfim, mais uma vez, se seguisses os teus conselhos e estivesses calado, acertavas muito mais.

    Curioso que nem percebes que também existe um sector de educação na astrobiologia (e nas suas conferências).
    Ou agora vais dizer que, por exemplo, a Edna DeVore – educadora – NÃO é especialista em astrobiologia??
    http://archive.seti.org/pdfs/DeVore-CV2009.pdf
    É o que eu digo, andas desatento e vanglorias-te da tua ignorância.

    Eu não preciso ver a tua palestra. Limitei-me a criticar com base em 7 factores:

    1 – no que me disseram que se passou e nos disparates que disseste.

    2 – no que disseste que a tua palestra era, no programa de TV.

    3 – no teu powerpoint da outra palestra em que te baseaste.

    4 – nos livros em que te baseaste.

    5 – na tua definição de “planeta no sítio certo” e nas restrições que lhe impuseste.

    6 – nas imbecilidades que foste dizendo nestes comentários. Novamente dou os exemplos da Rare Earth, composição da atmosfera, estradas, falares na Lua e depois dizeres que era mentira, and so on and on…

    7 – e nas MENTIRAS que vais dizendo!!!

    Por exemplo, no comentário 10, dizes literalmente que a tua palestra foi sobre a ORIGEM DA VIDA.
    “Vamos passar a factos concretos, que abordo na palestra…”
    “Em resumo, existem vários factores especiais ou excepcionais que permitiram a existência de vida na Terra e é isto que me refiro quando falo de condições excepcionais…”
    “O aparecimento de vida na Terra mostra que não basta apenas estar na zona de habitabilidade uma estrela, outros factores são importantes para que a vida apareça.”

    E continuas por outros comentários a seguir:
    “tem a ver com a origem da vida na Terra e sua manutenção.”
    “estamos a falar da origem da vida na Terra…”
    “Dos factores que referi nesse comentário o único que diz respeito á vida complexa é a Lua, os outros restantes diziam respeito à origem da vida na Terra..”

    No comentário 25, e após eu te criticar bastante, dás o dito por não dito, e já dizes que a tua palestra foi sobre a Vida Complexa!!!
    “a minha palestra está focalizada nas actuais condições na Terra para a existência de vida complexa…”

    E a seguir dizes:
    “A minha palestra nunca foi sobre a origem da vida”
    “a Terra é um planeta com condições especiais para a vida. E quando me refiro da vida estou a falar do tempo presente e de vida complexa…, não estou a falar da origem da vida.”

    Agora no comentário 52 já dizes:
    “Portanto, não estava a falar da vida terrestre no geral, não estava a misturar vida simples com vida complexa…estava a falar porque a Terra tinha boas condições para vida como a nossa…”

    Qual vida como a nossa?
    “Vida como a Nossa” pode ser “vida tal como a conhecemos”…. mas se dizes que NÃO estavas a falar “no geral”, então a única interpretação possível para “Vida como a NOSSA” = como os HUMANOS.

    Tu devias saber sobre o que era a palestra, mas não sabes, e até incluis coisas erradas (como a Lua), porque não sabes do que falas!
    Pura e simplesmente és totalmente inconsistente – mentiroso – naquilo que vais dizendo (passas de Origem da Vida, para Vida Complexa, para Vida como a Nossa).

    Agora compara com aquilo que eu disse e que SEMPRE fui consistente como sendo as grandes críticas que te fazia à palestra:
    “Porque estás a limitar isso a certa vida na Terra que TU conheces, e a certas condições que imaginas importantes para essa vida que conheces, e esqueces-te de tudo o resto.”
    “continuas a ignorar essa vida completamente diferente de nós e que se está nas tintas para nós.”
    “segues uma definição de vida demasiado geocêntrica.”
    “Ideias antropocêntricas” com “foco nos Humanos”.
    E disse-te inclusivé:
    “A tua palestra está excelente como condições especiais para alguma (nem toda) vida complexa na Terra! Está focalizada para aquela vida que toda a gente vê na rua ou em programas de TV. Está basicamente focada nos humanos!”

    Mas tu preferes andar a discutir, a mentir, e a dar uma PÉSSIMA imagem de ti, do que admitires o óbvio que é que eu tinha razão sobre o que foi a tua palestra!

  14. Mas o que eu acho mais engraçado é que tu passaste o tempo a mentir, a contradizer-te, a dizer barbaridades (algumas que assumiste e outras que não), e mesmo assim achas que tens razão!!!

    Já assumiste que tentaste enganar as pessoas sobre o Rare Earth.

    Já assumiste que enganaste as pessoas sobre a palestra (vida, depois era origem da vida, depois já era vida complexa…).

    etc etc etc

    Mas mesmo assim continuas a pensar que tens razão!!!

    Enfim….

    E vai daí, como não sabes o que dizes, recorres à mentira (dizes "adeus" mas continuas, falas do Rare Earth como se soubesses do que falas, falas na composição e dizes ke não falaste, etc, etc, etc), e ao insulto banal.

    Além das ideias "no ar" sobre o que é um especialista, é curioso que agora vens adjectivar-me de "armar-se em esperto", "superioridade intelectual", presunçoso, etc.

    É baralhares e dizeres o mesmo, só que por outras palavras, de quando andavas a chamar-me arrogante.

    Digo-te agora o que já te disse antes.

    "Lá vens tu novamente com a conversa sobre arrogância.

    Como não tens argumentos, e percebes que não sabes mais, então inventas insultos.

    Depois dizes que eu é que fico mal no retrato…

    Será que tu és arrogante por saberes mais do que aqueles que entram nos teus cursos?

    Será que és arrogante quando criticas aqueles que acham que por entrarem num curso teu já pensam que sabem o suficiente para eles também os darem?

    Ou será que és hipócrita com eles?

    Enfim…

    Tu fazes-me lembrar aqueles que dizem que o Mourinho é arrogante.

    Ele pode ter razão no que diz, ele pode saber muito mais do que tu sobre futebol (a especialidade dele), ele pode ter o maior sucesso do mundo, mas claro que há sempre as mentes pequeninas que gostam sempre de dizer mal do acessório.

    Enfim, obviamente que são mentes invejosas, pequeninas, mesquinhas, que acham que por lhe chamar arrogante, isso faz com que ele tenha menos razão ou menos sucesso na área dele.

    Como tu dizes, basta ler esta conversa para perceber o quanto tu ficas mal no retrato…"

    Será que é armares-te em esperto, seres presunçoso, e teres superioridade intelectual só porque sabes mais do que os teus alunos?

    Será que é armares-te em esperto, seres presunçoso, e teres superioridade intelectual por dizeres que os teus alunos que querem dar as mesmas palestras que tu "estão doidos"?

    Será que o Mourinho arma-se em esperto só porque é especialista na área e sabe mais do que tu sobre isso?

    Será que é arrogante por ser um dos melhores do mundo ou o melhor do mundo e não ter qualquer problema em expôr isso?

    Ou será que isso são só insultos de mentes mesquinhas que sabem que não têm razão no que dizem e por isso preferem insultar e concentrar-se no acessório?

    E repito também o meu outro ponto anterior:

    "Se o Manuel José (ou outro qualquer treinador português de sucesso lá fora), entrar num café em Portugal em que tu estejas a falar de futebol e estejas a dizer bacoradas próprias de quem não percebe do assunto, só porque leste isso nos jornais ou em livros, é óbvio por estes comentários aqui que tu vais mentir dizendo que nunca fizeste esses comentários; vais dizer que estás a aturar o Manuel José quando ele te corrige, e até o vais chamar de arrogante só porque ele sabe mais do que tu.

    Realmente, tens razão, cada pessoa pode ler isto, e ver tudo o que disseste, julgar por si, e perceber a má imagem que dás de ti.

    Também tens razão no atestado de ignorância que passas a ti próprio publicamente."

    Curiosamente que são insultos a pessoas que tentaram ser os melhores na área, e "inventaram" coisas novas para serem diferentes e terem sucesso.

    Como tu tentas somente "fazer o teu trabalho", então passas a insultar quem tenta ser mais do que isso.

    Lá está, é um exemplo típico de mentalidade mesquinha.

    Cada qual escolhe os atestados que quer para si. Infelizmente, tu escolhes os piores…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.