Encontro histórico Apollo-Soyuz foi há 35 anos

Representação artística do encontro entre as cápsulas Apollo e Soyuz na órbita terrestre.
Crédito: NASA.

Separados desde o final da Segunda Guerra Mundial por conflitos políticos profundos e pela constante luta pela supremacia ideológica e tecnológica, americanos e soviéticos realizaram em Julho de 1975, uma missão tripulada conjunta, que iria abrir as portas a futuras cooperações entre as agências espaciais das duas nações. Designada Apollo Soyuz Test Project (ASTP), a missão tinha como objectivo principal demonstrar que duas cápsulas de construção distinta poderiam acoplar em segurança em plena órbita terrestre. Munidos de um espírito de colaboração sem precedente entre americanos e soviéticos, responsáveis e colaboradores da missão prepararam diligentemente as duas cápsulas para o grande evento.
A 17 de Julho de 1975, dois dias após o seu lançamento, a Apollo e a Soyuz concretizaram a primeira de duas acoplagens bem sucedidas. Durante pouco menos de 48 horas, astronautas e cosmonautas trabalharam e conviveram de forma saudável, até à desacoplagem definitiva entre as duas cápsulas, a 19 de Julho.
Numa demonstração da verdadeira dimensão humana e cultural da missão, os cinco tripulantes derrubariam em poucas horas barreiras culturais e linguísticas aparentemente intransponíveis entre povos que, na altura, se mantinham em constante tensão militar há pelo menos 30 anos.

Os membros do Apollo Soyuz Test Project: os astronautas Thomas P. Stafford, Vance D. Brand e Donald K. Slayton (à esquerda), e os cosmonautas Alexei Leonov e Valeri Kubasov (à direita).
Crédito: NASA.

O astronauta Thomas P. Stafford e o cosmonauta Aleksei A. Leonov apertando as mãos após a acoplagem bem sucedida entre as cápsulas Apollo e Soyuz.
Crédito: NASA.

2 comentários

1 ping

  1. Realmente interessante esta informação. É por isso que quando penso sobre como os soviéticos foram os primeiros a colocar uma pessoa em órbita ou como os americanos foram os primeiros a mandar um homem na Lua eu penso nisso como uma realizaçã da humanidade e não de um país ou outro.

  2. iiiihhhhhhh já 35 anos!!!

  1. […] Leiam o artigo completo sobre este acontecimento, aqui. […]

Responder a Ricardo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.