Envelhecer mais lentamente em baixo

relatividade humana

A Relatividade proposta pelo Einstein está mais do que provada.
Com relógios atómicos em Terra e no espaço (Estação Espacial Internacional) foi possível ver objectivamente que o tempo passa a velocidades diferentes, dependendo se estamos mais perto do centro de massa (maior gravidade) ou não.

Já escrevemos bastante sobre a Dilatação do Tempo, neste post.

Agora um novo estudo nos EUA, para as escolas, demonstrou que numa escada, se uma pessoa estiver 2 degraus mais acima, então envelhece mais rápido do que a pessoa que está nos degraus de baixo.
A diferença é demasiada pequena para nos apercebermos no dia-a-dia, mas é possível medi-la.
A pessoa no degrau mais abaixo envelhece mais lentamente, fazendo com que viva mais 90 mil milionésimos de segundo, a cada 79 anos. Ou seja, supondo que as duas pessoas são gémeas, e morrerem ambas com 79 anos de idade, a que está mais abaixo viverá mais 0,00009 segundos.

Ora bem, supondo que eu quero envelhecer mais lentamente, vivendo mais 100 anos do que o normal, em que degrau devo estar nessa escada?
🙂

Ciência Hoje:
“Envelhecimento é mais rápido a maior altitude.
Os cientistas sabem há décadas que o tempo passa mais rápido a maior altitude, um aspecto curioso da teoria da relatividade de Einstein, comprovado pela comparação de relógios na superfície da Terra com outros iguais situados em naves espaciais.
Mais recentemente, os físicos do National Institute of Standarts and Technology (NIST), nos Estados Unidos, realizaram a mesma experiência mas a outra escala – compararam a passagem do tempo com uma diferença de apenas 33 centímetros à superfície da Terra e demonstraram, por exemplo, que uma pessoa envelhece mais rápido se passar a vida um par de degraus acima numa escada. Obviamente, a diferença é demasiado pequena para nos apercebermos: 90 mil milionésimos de segundo sobre 79 anos de idade.
(…)
O teste centrou-se em dois cenários já reflectidos por Einstein. Em primeiro lugar, quando os relógios estão submetidos a forças gravitacionais desiguais, devido às diferenças de altitude, o relógio situado mais acima andará mais rápido. Os cientistas elevaram um dos relógios uma terça parte de um metro acima do segundo aparelho e comprovaram, como já previam, que o relógio mais acima andou a um ritmo ligeiramente mais rápido.
O segundo teste refere-se ao paradoxo dos gémeos, que analisa a diferente percepção do tempo entre os observadores com diferentes estados de movimento. Os investigadores observaram este aspecto da relatividade – em que o tempo passa mais devagar quando o movimento é mais rápido – em velocidades comparáveis a um carro a movimentar-se a 47 quilómetros por hora, uma escala mais compreensível que as medições feitas anteriormente com aviões a jacto. (…)”

Inovação Tecnológica:
“Relatividade de Einstein é testada em escala humana.
(…)
Agora, cientistas do laboratório NIST, nos Estados Unidos, conseguiram pela primeira vez medir o fenômeno em uma escala bem humana, de meros 33 centímetros, eventualmente abrindo caminho para que os estudantes finalmente possam compreendê-lo com mais facilidade.
Com isto, será possível, por exemplo, provar que alguém envelhece mais rapidamente se estiver alguns degraus mais alto na escada – ainda que o efeito seja pequeno demais para ser percebido diretamente por um ser humano.
Mesmo mudar-se para o alto de uma montanha não produziria efeito suficiente para aumentar a expectativa de vida de alguém de maneira significativa – na escala usada pelos cientistas, de 33 centímetros, o efeito da mudança na passagem do tempo acrescentaria cerca de 25 bilionésimos de segundo a alguém que vivesse 80 anos.
O experimento também permitiu que os pesquisadores checassem outro aspecto da relatividade – que o tempo passa mais lentamente quando você se move mais a uma velocidade maior.
Trazido às dimensões humanas, o aparato dispensou as naves espaciais e permitiu a verificação do efeito usando um carro rodando a uma velocidade de 32 quilômetros por hora. (…)”

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Deixa eu ver se entendi: quer dizer que se eu for uma pessoa elétrica, que não para nunca e morar numa casa térrea, vou viver milionésimos de segundos a mais do que minha irmã gêmea que mora no 23o andar de um prédio e que ama assistir telenovelas, ficar na internet e fazer tricô? 😉

  2. Exactamente 🙂

  3. Por milionésimos de segundos, acho que trocaria de lugar com a minha irmã. 😀

  4. Eu penssava passar os meus ultimos tempos à beira-mar mas jà comprendi que não vale a pena!

  5. Olá Carlos. Muito interessante seus posts. Parabéns pela iniciativa de divulgar artigos científicos, pois para a maioria das pessoas que são leigas, e eu me incluo entre elas, este é um canal divertido e fácil de entender ciência.

    No entanto surgiu uma dúvida.

    No seu post está escrito que para uma pessoa situada em uma posição física mais alta do que outra, em relação ao solo o tempo passa mais rápido. O mesmo efeito se dá para uma pessoa que se move mais lentamente, exatamente como previsto por Einstein que um gêmeo aqui na Terra envelheceria mais rápido do que seu outro irmão viajando próximo à velocidade da luz.

    Pois bem. Colocando nossa situação real ao extremo.
    Pergunta:
    Uma pessoa vivendo no Monte Everest (desconsiderando condições climáticas) não poderia envelhecer mais lentamente do que uma outra pessoa vivendo ao nível do mar, pelo fato de que em relação ao eixo da Terra, essa pessoa do Monte Everest estaria se movendo mais rapidamente para acompanhar a rotação?

    Peço perdão pela minha limitada noção científica e caso minha pergunta seja considerada descabida, por favor desconsidere-a.

    Muito obrigado pela atenção.

    1. Olá Moacir,

      Perto do centro de massa, a velocidade é mais rápida (existe mais gravidade, mais atração).
      Mercúrio é mais rápido que Saturno, por exemplo, devido à proximidade ao Sol.
      Os cometas viajam mais rapidamente quando se encontram perto do Sol, do que quando estão na parte da órbita mais longe.
      Isto está ligado àquilo que se chama Segunda Lei de Kepler:
      http://www.mundoeducacao.com/fisica/segunda-lei-kepler.htm
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Leis_de_Kepler#Segunda_lei_de_Kepler:_lei_das_.C3.A1reas

      Assim, uma pessoa que esteja numa caverna na Terra está mais perto do centro de massa (convenciona-se o centro da Terra) do que uma pessoa que esteja no topo do Monte Everest.
      Se a pessoa dentro da caverna está mais perto do centro de massa, então pode “viajar mais rápido”. Com Einstein percebeu-se que viajando mais rápido envelhece-se mais lentamente. Assim, quem está mais “abaixo” envelhece mais lentamente.
      Claro que as diferenças são demasiado pequenas para serem relevantes…

      A pergunta da Moacir diz respeito ao mesmo objeto (se dentro do mesmo objeto, à medida que o objeto roda, aquilo que está mais longe do centro viaja mais rápido que o que está mais perto do centro).
      Ora, esta pergunta tem a ver com um truque de Newton.
      Na verdade, convenciona-se que o centro do objeto é que tem grande parte da massa… quando estamos a falar de comparar diferentes objetos. Na verdade, este foi somente um truque utilizado por Newton para simplificar a matemática.
      A verdade é que a massa está distribuída por todo o objeto, daí que não existe mais massa num ponto do que noutros.
      O truque foi este (da primeira imagem para a segunda):
      http://www2.astro.psu.edu/users/rbc/a1/lec6_f6.jpg
      😉

      abraços

  6. Não entendo como fala que mais perto do centro de massa a velocidade é maior! A velocidade angular e tangencial em orbitas superior é maior que junto do centro de massa. Ou seja, se por um lado a maior gravidade contrai o tempo, ie, passa mais lentamente, por outro, ter uma velocidade menor, compensa a temporalidade. no espaço sem gravidade o tempo passa mais rapidamente. se se aproxima de um campo gravitico forte o tempo passa muito mais devagar. mas tudo depende da velocidade com que fazemos estes percursos. se formos a grande velocidade o tempo passa mais devagar. se passarmos junto de um buraco negro sem entrar no horizonte de eventos à velocidade proxima da luz, como reage o tempo face a um observador na terra?

    1. Se você estiver perto do horizonte de eventos e olhar para mim na Terra, vai ver-me a andar muito devagar…

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.