Xavier Bonfils Céptico Relativamente à Descoberta de Gliese 581g

O astrofísico Xavier Bonfils do Laboratoire d’Astrophysique de Grenoble reagiu com cepticismo à descoberta dos novos planetas no sistema de Gliese 581 pela equipa de Vogt e Butler. Bonfils é membro da equipa de Genebra, responsável pela descoberta dos planetas “b”, “c”, “d” e “e” no sistema entre 2005 e 2009. Relembro que na descoberta dos planetas “f” e “g”, metade dos dados utilizados foram obtidos pela equipa de Genebra com o espectrógrafo HARPS e publicados em artigos científicos.

Em declarações feitas à revista Ciel et Espace, Bonfils exprimiu assim a sua reserva:

Pour dénicher « g » et sa grande sœur « f », de 7 masses terrestres, « nos collègues américains ont utilisé pour une moitié leurs propres mesures de vitesse radiale, obtenues avec le télescope Keck à Hawaï, et pour l’autre celles, plus précises, que nous avons publiées grâce à Harps jusqu’en 2009 », explique Xavier Bonfils. Le problème, c’est que les données du Keck, seules, « permettent de ne retrouver que deux des quatre premières planètes du système », poursuit le chercheur. D’où une réserve sur l’existence même de Gliese 581g (et f) : même lorsqu’on leur adjoint celles de Harps, les données du télescope américain sont-elles vraiment de qualité suffisante pour détecter six planètes d’un coup ?

Resumindo, Bonfils diz que os dados obtidos com o espectrógrafo HIRES no telescópio Keck pela equipa de Vogt e Butler, quando isolados, têm precisão suficiente apenas para detectar dois dos quatro planetas já conhecidos de Gliese 581. Daí que, mesmo juntando os dados de melhor qualidade do HARPS, é difícil imaginar que 6 planetas sejam visíveis no conjunto dos dados.

Bonfils adianta ainda que:

«Depuis 2009, nous avons obtenu 60 nouvelles mesures de vitesse radiale de Gliese 581 avec Harps, glisse Xavier Bonfils. Nous sommes en train de les analyser. Si la planète existe, nous la verrons. »

Bonfils acrescenta assim que, para além dos dados publicados, a equipa de Genebra tem mais um ano de observações de Gliese 581 que estão a ser analisadas e que poderão brevemente confirmar, ou não, a detecção dos novos planetas.

De facto, a confirmação dos planetas “f” e “g” por uma equipa independente é um passo fundamental para garantir que a detecção agora anunciada é fidedigna. As observações e a análise dos dados utilizadas na descoberta dos exoplanetas estão no limiar do que é possível fazer actualmente pelo que não é de excluir a hipótese de erros observacionais ou no processamento dos dados que podem levar a uma detecção falsa. Uma coisa é certa, ainda vamos ouvir falar muito de Gliese 581 !

6 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Paulo,

    Eu estou nos EUA. Não preciso ir à Europa para saber o que se passa em Portugal. Porquê? Porque a informação chega-me aqui.
    Da mesma forma, mesmo sem irmos lá, se eles souberem mais que nós sobre ciência, formas de controlar melhor o ambiente, melhor medicina, etc, então podem-nos enviar essa informação, sem nós precisarmos ir lá ou eles virem cá.
    😉
    abraço!

  2. É realmente uma descoberta grandiosa, se realmente existe vida lá seria formidável,mas acho perda de tempo procurar planetas fora do nosso sistema solar se não possuimos tecnologia suficiente para podermos ir até galaxias distantes ou nos comunicarmos rapidamente…primeiro precisamos descobrir formas de percorrer grandes distâncias, para depois procurar tais planetas habitáveis, tenho certeza de que exixtem muitos planetas espalhados pela imensidão do universo, mas temos de aprimorar primeiro nossas tecnologias, não acham?

  3. exoplanets.ch…
    De fato, considero, bem oportuno este post, Luis Lopes!

    A confirmação por uma equipa (‘equipe’, aqui no Brasil) independente é importante e faz parte do processo.

    E a desconfiança é também de se esperar, afinal, por que os caçadores de exoplanetas de Genebra não viram isto antes quando anunciaram a descoberta de Gliese 581e e refinaram as distâncias das órbitas neste sistema em abril de 2009?

    Ref. (em português):

    http://eternosaprendizes.com/2009/04/21/gliese-581-d-pode-ser-um-exoplaneta-oceanico/

    Artigo científico:

    http://www.exoplanets.ch/Gl581_preprint.pdf

    Espero que tudo se confirme, senão, cabeças rolarão! 😛

  4. Olá amigos, deixo aqui a minha dica:

    A Rede de Popularização da Ciência e da Tecnologia da América Latina e do Caribe (Red-POP) recebe até 15 de novembro, propostas de trabalho para a 12ª Reunião Bienal que acontece no Brasil, organizada pelo Museu Exploratório de Ciências (MC), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), de 29 de maio a 2 de junho de 2011.

    Com o tema “A profissionalização do trabalho de divulgação científica”, o encontro aceitará tanto trabalhos de pesquisa, de caráter acadêmico, quanto de profissionais da área, interessados em relatar suas experiências. Cinco eixos temáticos vão nortear a 12ª Reunião: Educação não-formal em ciências; Jornalismo científico; Programas e materiais para museus de ciências: materiais e práticas concretas; Museografia e museologia científica; Público, impacto e avaliação dos programas.

  5. Então uma notícia tão importante, e afinal há dúvidas?
    http://www.astropt.org/2010/10/01/gliese-581-g-o-1%C2%BA-planeta-como-a-terra/

    Tou chocado!
    😛

  1. […] a existência do planeta, e nós próprios no AstroPT informamos sobre essas dúvidas, por exemplo aqui. Desde a descoberta, em 2010, que mais equipas de cientistas têm colocado em causa a existência […]

Responder a Paulo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.