Google+

«

»

Dez 11

Porque devemos ir para o espaço?

esa space exploration

Costumo começar as palestras públicas desta forma:
Porque razão devemos explorar o espaço?

As respostas podem ser muitas e variadas.
Vocês próprios nos comentários podem dar mais algumas.

Eu próprio, assim de repente, consigo pensar em algumas.

1 – À cabeça e logo em 1º lugar, penso que a razão principal terá que ser a sobrevivência do ser humano. Sabemos que o Sol irá “desaparecer”, sabemos que a qualquer momento podemos levar com um asteróide que provoque a nossa extinção, e sabemos que a galáxia Andrómeda irá colidir connosco. Daí que se quisermos continuar a existir como civilização, teremos que obrigatoriamente “sair daqui”.

2 – Termos um maior conhecimento, e prosseguirmos a nossa saga exploradora (do Star Trek, “To Boldly Go…”) penso que faz parte da natureza humana.

3 – Motivos comerciais, com satélites de comunicações, turistas espaciais, hotéis espaciais, etc, não são de desprezar.

4 – O ambiente de micro-gravidade leva à criação de mais alimentos, e de materiais e medicamentos mais puros.

5 – Muito se fala de recursos naturais, e esses não faltam no espaço: água, ferro, ouro, prata, alumínio, energia solar, álcool (Nebulosa de Orion), diamantes (Neptuno e Úrano), etc. Aliás, profetizo desde já que a próxima “corrida ao ouro” não será na Califórnia, mas sim na Cintura de Asteróides.

6 – Por outro lado, é divertido. Jogos Olímpicos na Lua ou em Miranda (lua de Úrano), por exemplo, serão certamente espectaculares.

Certamente que existirão muitas mais razões, e ficarei então à espera delas nos comentários. 🙂

O certo é que a pergunta é um pouco enganadora, porque já estamos no espaço.
Aliás, alguém disse: “Viver na Terra pode ser caro, mas inclui uma viagem anual grátis à volta do Sol”.
😀

De qualquer modo existe sempre uma curiosidade inata no ser humano para evoluir e saber mais.
Daí termos evoluído tanto.

Arthur C. Clarke chegou a escrever: “A billion million years ago the more conservative fishes said exactly the same to their amphibian relations. Existence on dry land bears not the remotest resemblance to fishy like under water. We shall stay where we are. And that is what they did. This is why they are still fishes”.

Ou seja, quem quer evoluir, consegue sempre fazer coisas novas, e porventura “melhorar”.
Senão, fica-se sempre no mesmo sítio, não se aprende nada de novo, e morre-se (nem que seja, mentalmente).

Por fim, deixo-vos com um cartoon fenomenal (e longo!), que encontrei aqui:

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
É actualmente Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

14 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Filipe Saraiva

    Há 500 anos em Espanha?! Fogo que o americano que fez o cartoon nunca tenha ouvido falar de portugal ainda é como o outro, mas bem podias ter editado a imagem para por ou portugal ou a península ibérica. Os novos descobrimentos vão ser portugueses!

  2. Carlos Oliveira

    Eu não edito as imagens 🙂

    Coloco-as como elas estão originalmente nos sites
    😉

    senão tinha corrigido o erro: “entretando”
    😛

  3. Cristiano

    Porque podemos.

  4. Marco F.

    Passei os olhos por esse cartoon tantas vezes e só agora vi o erro, acaba sempre por escapar qualquer coisa 😛

    Quando adaptámos o cartoon deixamos ficar Espanha, porque primeiro era o que estava no cartoon original, e segundo porque até fazia algum sentido no contexto, visto a América ser apelidada de “o novo mundo”. Mas por outro prisma, talvez até devíamos ter colocado Portugal, visto D. João II ter recusado a proposta de Cristóvão Colombo…

    E já gora, porquê ficar por Espanha e Portugal? Segundo algumas narrativas os Vikings podem ter sido os primeiros europeus a pisar a América 500 anos antes de Colombo, e foram até encontrados vestígios no Canada (http://en.wikipedia.org/wiki/L%27Anse_aux_Meadows). Apesar de a colonização permanente ter falhado, foram os primeiros a lá chegar e ninguém lhes tira isso 😉

    Em relação ao assunto, porquê ir? Bem, porque podemos e quanto mais não seja apenas por mera curiosidade, que é um dos maiores dons da humanidade.

  5. Carlos Oliveira

    Pessoalmente, no cartoon, gostei bastante de uma coisa e critico outra:
    – gostei bastante que tivessem colocado as personagens em Marte com um capacete de astronauta. Acho que foi muito bem pensado.
    – sendo que está bem considerado ser a Raínha de Espanha, e não o Rei, porque foi ela a dar o aval ao Colombo, não percebo porque os 2 que vão para Marte não são um casal. Para colonizar não é preciso também uma mulher? Digo eu…
    😛

  6. Marco F.

    Ahah Pois, é o problema dos stickmans, só desenhando uma saia, o que faria deste o fato espacial mais fashion de sempre 🙂

  7. Carlos Oliveira

    Pois… tinha-me esquecido desse pequeno e muito importante “pormenor”
    😛

    e que tal um lacinho na cabeça? (qualquer coisa que distinga…)
    ehehehehe 🙂

  8. Rogério Gonçalves

    Com algum timing após, da oportunidade de resposta ao post desejo deixar o meu registo do porquê ir ao espaço:
    “Viver na Terra pode ser caro, mas inclui uma viagem anual grátis à volta do Sol.”
    Esta é também uma boa razão para ir ao espaço, ou seja a Terra já o é naturalmente uma excelente Super-Nave.
    A conquista do espaço trará um avanço inimaginável na evolução das mentalidades.
    Se a informática e a internet trouxe a possibilidade da comunicação online entre a humanidade no seu todo, o próximo passo gigante será uma desejável e melhor homogeneidade social e política nos comportamentos e metas a alcançar; tais como o conhecimento, a disciplina e a preparação necessários ao pleno voo espacial.
    Uma formação bem presente em todos, para que esta Super-Nave que é a Terra prossiga ainda muitíssimas viagens em volta do Sol, com todos os “astronautas” a sentirem-se bém, em segurança e sem enjoo.
    Para mim pessoalmente não será utopia, mas a evolução das mentalidades que se avizinha e que a interdependência entretanto gerada na sociedade humana fará com que não existam muitos outros caminhos a escolher.

  9. Júlio Cézar de Oliveira Andrade

    Bem, pelos comentários acima, todos pertinentes, apesar de serem um pouco irreverentes, acho importante estarmos alertas e conhecer melhor o espaço sideral. pois pode ser em um lugar qualquer desse imenso espaço num lugar diferente da Terra que a humaninade, (se ela sobreviver) poderá encontrar o seu refúgio. Lembremo-nos do cartoom acima: “ESTOU CONTENTE POR NÃO ESTAR NA TERRA NESTE MOMENTO”.

    Abraços,
    Júlio Cézar – Belo Horizonrte/MG, Brasil

  10. Jailene

    Porque Ir?
    Porque podemos…

  11. Flavio Silva

    Mas a diferença é que há 500 anos os Portugueses e os Espanhoes eram os Piratas dos mares,,,rrrrr.
    Hoje em dia temos outro tipo de .

  12. Iasmim

    Eu gostei muito de aprender astronomia!

  13. woellington pedro molin

    Porque quando olho para o céu noturno sinto uma inata vontade de viajar audaciosamente pelo espaço sem fim.

  14. Rodrigo 171

    No ano 2100 o nosso planeta estara 4 graus mais quente, acredito que o superaquecimento do planeta vai ser o primeiro desafio futuro para a raça humana na Terra. Temos que ter opções, e viagens espaciais tem que ser uma opção para continuidade da raça humana.

  1. Carlos Oliveira, o emigrante cósmico | Bitaites

    […] motivos para se apostar na exploração espacial, mas certamente que os maiores serão para a sobrevivência da humanidade, e para um maior conforto, um melhor nível de vida. Entre um maior conhecimento do Universo, um […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>