Cientista da NASA afirma ter encontrado vestígios de Vida Extraterrestre



Um cientista da NASA, Dr. Richard Hoover afirma ter encontrado evidências de vida extraterrestre. Esta pesquisa efectuada pelo Dr. Richard B. Hoover, um astrobiólogo do Marshall Space Flight Center da NASA, foi publicada na edição de março do Journal of Cosmology.

No artigo publicado, o Dr. Hoover descreve as últimas descobertas realizadas num tipo extremamente raro de meteoritos carbonáceos denominados CI1. Apenas nove meteoritos deste tipo foram encontrados na Terra. O cientista obteve estes resultados após uma análise por microscopia electrónica do interior do meteorito. As evidências obtidas constam de microfósseis semelhantes às cianobactérias que existem na Terra e outros que não foi possível identificar com algo conhecido. Segundo o Dr. Hoover, estes microfósseis têm origem extraterrestre e não são provenientes de contaminação do meio terrestre.

Por ser um tema controverso, a direcção do Journal of Cosmology convidou 100 especialistas e mais de cinco mil cientistas a estudarem o artigo de Richard Hoover e a pronunciarem-se sobre o mesmo.

Podem ler mais sobre este assunto aqui. O artigo original pode ser acedido nesta página.

É importante, no entanto, sublinhar duas coisas relativamente a esta notícia. Em primeiro lugar o site em questão onde foi publicado o artigo (Journal of Cosmology ), é um site que já foi duramente criticado por conter artigos de índole duvidosa do ponto de vista científico, estando já anunciado o fim desta publicação online. Em segundo lugar, o artigo em questão já foi também criticado por especialistas que afirmam não existir fundamento para o que é afirmado. Como exemplo temos o blog de Rosie Redfield que faz uma crítica técnica ao artigo em questão:

http://rrresearch.blogspot.com/2011/03/is-this-claim-of-bacteria-in-meteorite.html

Poderão ver mais críticas e mais informações nos comentários do Carlos Oliveira mais abaixo.

Por estas razões, esta notícia deverá ser encarada com cepticismo e com muitas reservas, esperando-se novas análises críticas da comunidade científica ao artigo.

34 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Mentira quem encontrou foi a nave voyager

    1. Eriberto, não faz sentido o que disse.
      As Voyager (são 2) não estão preparadas para isso – para nos enviar essa informação.

  2. Mais um artigo no Público:
    http://publico.pt/Ci%C3%AAncias/nasa-contesta-investigacao-sobre-sinais-de-vida-microscopica-em-meteoritos_1484129

    Os meus comentários no outro artigo em que fizeram traduções sem qualquer análise, eles não publicaram.

    Mas comentários disparatados a dizerem que estas críticas da NASA existem porque os cientistas não acreditam em vida extraterrestre ou porque os cientistas são religiosos, já aceitam totalmente.

    Enfim… a falta de pensamento crítico de muitas pessoas que são responsáveis pelos jornais…

  3. Bem, já pouco mais há a dizer, é o que dá chegar tarde 😛
    A primeira coisa que me veio à cabeça assim que vi a notícia foi o meteorito de Marte.

    Não deixa de ser notável a propensão natural que os media têm para dar atenção à má ciência, quando há descobertas fantásticas a ser feitas todos os dias que são simplesmente ignoradas.

    Realmente o Ciência Hoje já me tem desapontado algumas vezes, ainda me lembro quando deram destaque ao indiano que dizia não comer há 70 anos…

  4. Caro amigo Carlos!

    Obrigado pela tua consideração!

    Se calhar não merecia tanto…

    Apenas sei uma coisa: tenho dúvidas (muitas) e certezas (poucas ou nenhumas).

    Por isso continuo a estudar o assunto OVNI, que é multifacetado, não só porque estamos a lidar com pessoas (testemunhas) que narram eventos, subjectivos (a maioria), objectivos (poucos), em que o desconhecimento do mundo que nos rodeia e do espaço cósmico próximo, é a principal fonte dos relatos.

    É evidente que também não seria justo da minha parte reconhecer que também tenho aprendido muito contigo (seguramente mais do que o que te possa ter ensinado!)

    Um grande abraço,

    Mário Neves

  5. Mário,

    Espero que não leves a mal eu dizer isto, mas para que toda a gente perceba de quando falo de pseudos, deixa-me dizer quem tu és.

    Eu conheço o Mário Neves há já 18 anos (pois Mário, parece que foi ontem…).
    Conheci o Mário Neves porque na altura (antes de eu estar ligado à astronomia), eu estava muito interessado em OVNIs e queria estudá-los melhor.
    O Mário, e outros como ele, receberam-me muito bem, e fui aprendendo muito com eles – com quem tem décadas de estudo de centenas de casos.

    Costumo ir a Portugal e encontrar-me com o Mário e com o resto das pessoas que continua com esses mesmos estudos.

    Como o Mário pode confirmar, discordamos muitas vezes. Temos muitas discussões acaloradas. Lembro-me de discussões relativamente recentes, em que estamos a discutir horas, e de forma forte, como convém.
    Claro que o tipo de personalidade vê-se nessas discussões: por exemplo, eu e o S. temos uma personalidade explosiva, e discutimos violentamente um com o outro. O Mário e o L. são mais contidos mas por vezes também têm uma forma forte de fazer as coisas. Já, por exemplo, o D. é o mais calmo de todos, ouve toda a gente a “um canto” e depois acerta na mouche nas coisas que diz.
    (coloquei as iniciais, porque não quero estar a dizer os nomes de pessoas que não estão aqui nesta discussão)

    Ou seja, discutimos bastante, temos opiniões diferentes, e por vezes chegamos a ser bastante violentos na forma como dizemos as coisas.

    Mas EM NENHUM MOMENTO achei que o Mário (e os outros) não soubesse daquilo que está a falar.
    E mais, o Mário (e os outros) tem argumentos correctos, racionais, lógicos. Ou seja, apesar de ser um ovniologista/ovniólogo, o Mário (e os outros referidos por iniciais) são racionais, e não se deixam levar por crenças, não ignoram o conhecimento do assunto (dos casos específicos), e não enveredam pela explicação mais fácil.
    Procuram por todas as maneiras chegar à resposta mais provável para o que estudam. Ou seja, utilizam o chamado método científico.

    Tudo isto para dizer o quê? Para dizer 2 coisas:
    – que se pode estudar o assunto OVNI de forma racional, sem cair nas invenções dos pseudo.
    – que se pode discordar e discutir violentamente vários assuntos (até alguns mais estranhos) com outras pessoas, e mesmo assim perceber que (1) elas sabem do que falam (têm conhecimento do assunto), (2) dão argumentos correctos (e não pseudos), e (3) são inteligentes/racionais na forma como analisam/interpretam as evidências.

    Penso que uma falha na Literacia Funcional de várias pessoas (incluindo pessoas da ciência) é não perceberem essas diferenças.

    Apesar de discordar com o Mário várias vezes, reconheço a sua inteligência e conhecimento de vários assuntos, que se traduz na sua Literacia Funcional, e que me permite aprender com ele várias coisas que desconhecia.

  6. Caro amigo Carlos!

    Não posso deixar de estar de acordo com as tuas (sempre) pertinentes considerações, bem como da maioria dos outros “comentadores”!

    A Ciência não se compadece de crenças, mitos, desejos pessoais.

    Quem não gostaria que muitas coisas acontecessem de uma determinada forma, de molde a reforçar uma ideia, um desejo, um sonho?

    Mas isso não é Ciência!

    E para que um determinado fenómeno ou acontecimento se possa reportar a um verdaeiro facto científico, tem que passar, obrigatoriamente, por um crivo muito apertado, onde o estudo, a análise, a reflexão, a discussão, serão decisivos para a confirmação de uma hipótese, de uma teoria, que só assim, poderá vir a ser lei.

    O resto, bem, o resto… é apenas, como disseste, pseudociência, e aí os verdadeiros homens (e mulheres!) da Ciência estão, seguramente, fora!

    Um grande abraço,

    Mário Neves

  7. Para além dos aspectos académicos e científicos aqui muito bem descritos é impressionante como a astronomia, a astrobiologia e outros temas relacionados com o espaço têm na sociedade contemporânea, quer na adulta quer nos mais novos.

    Notícias destas são certamente de valor científico muito duvidoso, mas podem despertar o interesse de muita gente para esta área do conhecimento. Há mal nisso? Não sei, provavelmente há, mas a verdade é que vivemos tempo de menos para ter a possibilidade de chegar em tempo útil às verdades científicas que gostaríamos de ter, sobretudo na astronomia.

    Chamemos-lhe New Age ou especulação pura ou marketing ou outra coisa qualquer, mas a verdade é que notícias destas põem as pessoas a falar em assuntos científicos, combatendo assim um défice tão grande na sociedade portuguesa (por exemplo), que o simples facto de existirem pode sempre trazer algum benefício.

    Além disso, temos sempre ferramentas para testar a veracidade das notícias, como é o caso do Astro PT. Para mim o problema da notícia não é o seu fundamento (está claro ao dizer que o cientista é que AFIRMA) e que o JC solicitou a opinião de outros especialistas, mas a colagem do cientista à NASA, o que lhe dá alguma credibilidade.

  1. […] é nosso leitor habitual, provavelmente lembra-se do nome do cientista. Falamos sobre ele neste post, em que criticamos as alegações que ele faz. Essas alegações foram publicadas no especulativo […]

  2. […] – Panspermia. Zita Martins. Richard Hoover. Chandra Wickramasinghe. Vida na estratosfera. […]

  3. […] O que me apraz dizer? Bem, eu já disse tudo o que tinha a dizer sobre este tipo de notícias sensacionalistas pela mesma revista, aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.