Cassini descobre surpreendente fluxo de energia térmica no pólo sul de Encélado


Damascus Sulcus, uma das fissuras geologicamente activas no pólo sul de Encélado. Vista em perspectiva gerada a partir da combinação de imagens captadas pela Cassini em Agosto de 2008, com um mapa topográfico da região criado por Paul Schenk do Lunar and Planetary Institute, Texas, Estados Unidos (resolução de 12 a 30 metros por pixel).
Crédito: NASA/JPL/Space Science Institute/Universities Space Research Association/Lunar and Planetary Institute.

Encélado volta a surpreender. De acordo com um estudo publicado na semana passada na revista Journal of Geophysical Research (consultar artigo aqui), a região mais meridional desta pequena lua de Saturno emite muito mais calor do que o que havia sido estimado anteriormente. Estes resultados baseiam-se numa nova análise dos espectros das emissões térmicas registados em 2008 no pólo sul de Encélado pelo Cassini Composite Infrared Spectrometer (CIRS), um dos 12 instrumentos científicos da sonda Cassini.


Gráfico comparando as emissões térmicas detectadas em 2008 no pólo sul de Encélado pela sonda Cassini (à direita), com as emissões estimadas em estudos anteriores (à esquerda). A energia térmica gerada no interior da lua de Saturno é comparável à produzida por 20 centrais termoeléctricas.
Crédito: NASA/JPL/SWRI/SSI.

De acordo com os autores do estudo, são gerados na região do pólo sul de Encélado cerca de 15,8 GW de energia térmica, cerca de 10 vezes mais do que o previsto em estudos anteriores, um valor que desafia os modelos de produção endógena de calor actualmente aceites. Estes novos resultados têm fortes implicações quanto à presença de água líquida no interior de Encélado. Curiosamente, a existência de um oceano subsuperficial ou de uma bolsa de água salgada na região do pólo sul aumentaria a eficiência na produção de calor pelo efeito de maré, ao permitir uma maior distorção das camadas superficiais de gelo.

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ana Guerreiro Pereira on 08/03/2011 at 20:13
    • Responder

    o q se entende por “fissuras geologicamente activas”?

    (deduzo o que seja, lógico, mas é um termo que pode não ser compreendido; nem eu tenho a certeza 😀 apenas deduzo.)

  1. Ana,

    Estas fissuras são os locais de origem dos geisers observados em muitas imagens da Cassini (ver http://www.astropt.org/2010/10/07/enceladus-2/); por isso é que eu refiro que são geologicamente activas. Talvez pareça redundância mas para mim torna a ideia mais clara.
    😀

    Os geisers são a principal evidência da existência de água líquida pressurizada no interior de Encélado (ou pelo menos na região do pólo sul). São também os responsáveis pelo fornecimento de partículas microscópicas de gelo ao anel E.

    • Ana Guerreiro Pereira on 08/03/2011 at 20:47
    • Responder

    Só “descobri” o astro.pt recentemente 😀 e não estou a par de muita da informação astronómica já recolhida (andei muito tempo enfronhada em bioquímica pura :P) :D. Ok, da próxima vez saberei a que se referem, exactamente. 😀

  2. Ana,

    Surpreendente, não é?
    Podes encontrar mais imagens dos geisers nestes dois posts:
    http://www.astropt.org/2011/02/02/cassini-visita-encelado-mimas-e-a-pequena-helena/
    http://www.astropt.org/2010/08/16/enceladus-de-perto/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.