Timão & Pumba

Pumba: – Timão!
Timão: – Sim?
Pumba: – Alguma vez te interrogaste sobre o que são esses pontinhos brilhantes no céu?
Timão: – Não me interrogo, eu sei.
Pumba: – E… o que são?
Timão: – Pirilampos, pirilampos que ficaram acessos nesse tecto azul e negro ali em cima.
Pumba: – Ah! …, eu sempre acreditei que eram bolas de gás ardendo a milhões de quilómetros daqui.
Timão: – Pumba!…, tu és todo gás.

14 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. “tu dizes e escreves os nomes sempre originais?”
    Não disse isso, disse que preferia ver filmes e TV na língua original e em caso de não ser nas línguas que percebo prefiro legendas, sendo que 90% é inglês com algum português e vestígios de francês e “espanhol” safo-me bem.

    Quanto ao escrever os nomes das cidades Chinesas ou Japonesas estes podem ser escritas com alfabetos diferentes e permanecerem os mesmos À semelhança de 10 ou X.

    As 26 letras foram praticamente obrigatórias devido à globalização, simplesmente continuar a ignora-las não era uma opção.

    • Ana Guerreiro Pereira on 17/03/2011 at 00:28
    • Responder

    (de notar que no caso da nomenclatura de moléculas não se trata propriamente de um aportuguesamento, mas sim de regras de nomenclatura em Português; confesso que não sei como está o estado da arte e se também se passará a chamar carbohidratos aos hidratos de carbono…)

    • Ana Guerreiro Pereira on 17/03/2011 at 00:26
    • Responder

    Olhem, eu apanhava nas orelhas de cada vez que dizia os nomes das enzimas, proteínas, macromoléculas, processos….(etc, etc) em inglês. 😀 ah poisé, temos aportuguesamentos para tudo.

    ainda no outro dia estava a ler sobre o lockout dos camionistas aqui em Portugal e…escreviam- locaulte. o_O

    estou zonza com as novas regras. Mas vou-me manter Matusalém. E coerente. Se começar um texto a escrever DNA, acabo com DNA 😀 e não lhe meto ADN no meio…(mas é engraçado que, por exemplo, ninguém escreve TPA para se referir ao ATP 😛 😛 :P…)

  2. bigkax: ???
    Eu sou a favor de deixar ficar os originais. Já disse isso neste post:
    http://www.astropt.org/2008/10/19/nuvens-de-magalhaes/

    Sou contra é haver tantas regras na língua portuguesa, quando essas coisas poderiam “ir ao ar”.
    Vá lá que o novo acordo ortográfico já diz que existem 26 letras, e não as 23 que aprendi.

    Mas bigkax, tu dizes e escreves os nomes sempre originais?
    Mesmo de cidades Chinesas ou Japonesas?
    😛
    Ou baseias-te na tradução inglesa e não no original?
    😉

  3. @Carlos duvido que lhe chamem Carl ai nos States, não importa a língua local o nome das pessoas não muda, por que havia de mudar das personagens fictícias? Bem não devia, mas não se chamam traduções e sim adaptações(a principal razão de preferir o original). Sendo que os portugueses tem a capacidade de falar outras línguas mesmo que não as conheçam tendem a optar menos pelas adaptações e mais pelo original(e também existem problemas monetários relativos à baixa população relativa do país).

  4. Ainda me lembro dessa cena no filme 🙂

    • Ana Guerreiro Pereira on 16/03/2011 at 23:09
    • Responder

    Conceição, eu teria feito o mesmo 😀 (mas eu sou eu, uma mortal curiosa :D)

  5. Esta história, que é um excerto do filme “O rei Leão” encontrei no livro “As leis do Céu – Astronomia e Civilizações Antigas”, uma obra recomendada pela Sociedade Portuguesa de Astronomia, editado em 2003.

    Portanto muito antes do último acordo ortográfico.

    Inicialmente o nome “Timão” também me fez confusão. É verdade, que nos desenhos animados dobrados em Português, o nome é “Timon”, mas optei por deixar como está no livro, que também é em Português.

    • Ana Guerreiro Pereira on 16/03/2011 at 22:19
    • Responder

    Mirian, tb eu estava à espera, e ele sai-se com uma brilhante explicação 😀 Os bonecos animados são didácticos 🙂

    (se bem que o Nemo tenha levado a uma procura desmedida de peixes palhaço, quando o objectivo original -dizem eles- era alertar para a situação do peixe palhaço…)

    Carlos, realmente não faz muito sentido 😀 mas em Portugal não se aportuguesa tudo; em muitos casos mantém-se a denominação original, que neste caso era Timon.

    Em Portugal tb adoptaram um acordo ortográfico que eu não consigo seguir 😛 😀

  6. Realmente, em Portugal adotaram Timon…
    Mas não faz muito sentido… há palavras portuguesas a acabar em “on”? 😛

  7. Esta é uma das cenas mais interessantes. Lembro-me que fiquei na expectativa de uma explicação sem-pé-nem-cabeça, e eis que tinha, afinal, muito sentido! 🙂

    • Ana Guerreiro Pereira on 16/03/2011 at 21:55
    • Responder

    Hakuna Matata!!! 😀

    • Ana Guerreiro Pereira on 16/03/2011 at 21:54
    • Responder

    Pssst 🙂 Em Portugal é Timon e Pumba 😀 No Brasil é que adoptaram o nome “Timão”. 🙂

  8. hahaha! boa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.