Menino Prodígio

Jacob Barnett

Jacob Barnett

Jacob Barnett é um miúdo nascido em Indianapólis e tem um QI de 170 (Einstein possuía um QI de 160).

Começou a estudar Astrofísica aos 8 anos, devido ao seu enorme gosto pelo cálculo, álgebra, geometria e trigonometria, na Universidade de Indiana.

De acordo com o Indiana Star, o professor de astrofísica Scott Tremaine afirmou estar impressionado com o seu interesse na Física, com a quantidade de aprendizagens realizadas até agora. A teoria que está a desenvolver (que desafia o Big Bang) envolve problemas complexos de astrofísica e da física teórica, cuja resolução levará a um prémio Nobel.

Pode ler-se aqui, aqui e aqui. (EN) Ou aqui. (PT)

Jake questiona Einstein:

Jake explica uma das matérias do Cálculo Infinitesimal: Integração por partes.

Einstein: “I sometimes ask myself how it came about that I was the one to develop the theory of relativity. The reason, I think, is that a normal adult never stops to think about problems of space and time. These are things which he has thought about as a child. But my intellectual development was retarded,as a result of which I began to wonder about space and time only when I had already grown up.”

Einstein: “Às vezes pergunto-me por que fui o único a desenvolver a teoria da relatividade. Acho que a razão é que um adulto normal nunca pára para pensar nos problemas de espaço e tempo. Essas são coisas que só as crianças pensam. Mas como o meu desenvolvimento inteletual foi retardado, como resultado disso comecei a perguntar-me sobre espaço e tempo somente quando cresci.”

7 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. @Marco,
    Nice 😀

    A atitude dele é que é gira… parece que está a falar das contas mal feitas do merceeiro na esquina ou algo do género… para ele, é tudo muito normal… como se todas as pessoas pudessem fazer o que ele faz.
    🙂

    Só não gostei de uma coisa: então ele não falou do meu nome porquê? 😛 ehehehehehe 😛

    • Ana Guerreiro Pereira on 03/04/2011 at 16:57
    • Responder

    Marco, ainda bem que falas no Sheldon eheheh, lembraste-me de um episódio do TBBT em que um génio de 13 anos é contratado pela universidade e o Sheldon fica com complexos e a querer desviar a criancinha. 😀 Bastou apresentar uma miúda à criancinha, para esta se desinteressar da astrofísica :DDDD

  2. youtube.com…

    Sheldon Cooper da vida real 😛

    Ele tem um canal no youtube, aqui fica o último vídeo dele onde fala do sensacionalismo dos media sobre o seu caso, aquilo que pretende fazer e ainda a alteração dos signos.

    http://www.youtube.com/watch?v=w3eiBfaLf1Q

    • Ana Guerreiro Pereira on 03/04/2011 at 15:25
    • Responder

    Fernanda, fiquei a achar que estava falando comigo? 😀 Como eu referi a minha preocupação em relação às crianças-prodígio. 🙂 É q se sim, acho que não sou a Ana com quem falou no bar da escola 😀

    Mirian, aos 8 meses???? ENA!!!! Mãe babada, não boba! :))) Deve ter um orgulho imenso nos seus meninos!! :)) ehehe, sinto-o daqui e tudo! 😀

  3. WOW! Grande história 🙂

  4. Meu filho começou a aprender o alfabeto com 8 meses, um ano desenhava as letras (o que me preocupava porque, para ele, desenho era escrever),com 3 anos escrevia o nome dele e outras bobagens, sabia nomes de capitais e países, planetas, luas e constelações. Entrava no computador e ficava horas brincando no software de astronomia.
    Quando percebi o que ia acontecer, isso quando ele tinha 8 meses, tratei de engravidar e nessas horas você pede a Deus, dia e noite, que venha um irmão. E veio o Arthur – uma peste hiperativa. Foi ele quem ensinou Davi a brincar.
    O fato do serviço do meu marido o obrigar a mudar constantemente de cidade ajudou muito na socialização, uma vez que os dois, embora ficassem em classes diferentes, se procuravam com os olhos e se sentiam seguros e com isso estabeleciam novos relacionamentos. Eu era a única mãe em que os filhos disparavam para dentro da escola e não recebiam nem um “adeusinho” de volta! 😀
    Quando Davi entrou para a escola formal, um pouco antes de ser obrigatório, ele se sentiu totalmente desmotivado, óbvio, porque agora não era mais brincadeira e ele não podia fazer o que queria, que era desenhar o sistema solar, as luas e se imaginar no espaço. Falei com a professora em tirá-lo e recolocar no ano seguinte. Ela não permitiu. Fez um trabalho em que acelerava o desenvolvimento dele, trabalhava normalmente com os outros e dava uma atenção especial ao que tinha mais dificuldade.
    Segundo ela, foi o ano mais incrível. O pessoal “do meio”, quando viu Davi, que era o mais novo, na frente deles, correu para dar conta do recado e alcança-lo. O que estava mais atrás, sentiu que ele também poderia fazer a mesma coisa. Davi virou lider de classe e terrível – uma criança super ativa e feliz. A professora não tinha mais como segurar o interesse das crianças e tinha que se superar, pois o programa que tinha para o ano já tinha se esgotado. Foi um ano e um quadro onde todos sairam ganhando e aprendendo e se superando.
    Infelizmente, no meio do ano mudamos novamente, e foi uma reviravolta. Com seis anos, para poder motivá-lo, insisti para que os dois escrevessem um livro sobre astronomia. Davi escrevia e Arthur desenhava. A escola pediu que ele fizesse uma especie de lançamento lá e desse uma “palestra” aos colegas sobre como é escrever um livro, como ter conhecimento. Eu fui ver essa palestra – não era o meu bebê falando. O prazer com que essas crianças tem em aprender e transmitir conhecimento é impressionante. E é uma delicia assistir isso. 🙂

    Falei como uma mãe boba, né? 😀

    • Ana Guerreiro Pereira on 02/04/2011 at 16:54
    • Responder

    Fico sempre impressionada com estes pequenos prodígios. 🙂 No entanto, não me esqueço que apesar da elevada inteligência, q mtos de nós gostariam sequer sonhar possuir :D, continua a ser uma criança, com o que isso implica. Há quem defenda que as crianças devam ser crianças enquanto o são. Há quem defenda que, pelo contrário, quando se encontra um génio assim, há que estimulá-lo e desenvolvê-lo. E protegê-lo. Crianças-prodígio podem tornar-se adultos problemáticos com dificuldade de integração, depressivos, e cair numa espiral de auto-destruição. E como de génio e de louco temos todos um pouco… (se tomarmos como exemplo grandes génios que ao mesmo tempo tinham uma loucura para além do que é considerado saudável…). E como criança pode não saber lidar com a fama e com aquilo que é esperado dele; tão novo e já tanto lhe é exigido.

    Lol, sorry a perspectiva, mas preocupo-me qd vejo crianças que não estão a ser crianças no tempo em que o deviam ser. No entanto, se o pequeno é feliz e se esta a sua forma de “brincar”…desde que seja feliz e lhe seja permitido ser criança.

  1. […] Lembram-se do nosso post sobre Jacob Barnett, um verdadeiro prodígio? Leiam aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.