Google+

«

»

Mai 03

Tunguska, Quase 103 Anos Depois

“Por volta das 7:15 da manhã daquele 30 de Junho de 1908 uma onda de choque quase mil vezes mais forte que a bomba de Hiroshima devastou 80 milhões de árvores em mais de 2.000 km² de floresta. Renas, ursos, lobos, raposas e milhares de outros animais tombaram junto com a vegetação, que até hoje não se recompôs inteiramente.” (in zenite)

A 70 quilómetros de distância, as pessoas sentiram um abalo tão forte que as fez cair das cadeiras e sentiram um calor tão intenso que as suas roupas pareciam estar em fogo. Após 19 anos do evento ainda se contabilizavam cerca de 80 milhões de árvores arrasadas

Em 1921., o geólogo soviético Leonid Kulik deduziu que o evento foi devido a queda de um grande meteorito. Outra expedição ocorreu em 1927, motivado pela busca de um meteorito ferroso, de valor comercial. Mas nenhuma cratera foi encontrada. Calculou-se que o objecto que causou o incidente não tocou no solo e explodiu a cerca de 8 km de altura.

 

O Que Era?

A ideia mais aceite é a de um meteoróide de composição rochosa com cerca de 50 metros que explodiu, devido ao calor gerado pela compressão do ar à sua frente, cerca de 8 kms acima da superfície. (Eternos Aprendizes)

Em 2007, saiu a notícia que talvez se tenha encontrado uma cratera de impacto no fundo do lago Cheko. Leiam sobre isto, aqui e aqui.

Há 12.900 anos, um cometa fragmentado caiu sobre a América do Norte e causou uma extinção em massa. Houve um arrefecimento global e pensa-se que tenha sido a causa da extinção de 35 espécies de animais de grande porte na América do Norte e do extermínio do amaldiçoado povo de Clóvis, (Eternos Aprendizes)

Edward Drobyshevski da Academia Russa de Ciências em St Petersburg estimou que a explosão deu-se de fato a partir de uma parte do cometa que explodiu na alta atmosfera, quando o grande cometa tangenciou a Terra raspando a atmosfera superior.  A conclusão é que  o fragmento  entrou na atmosfera de forma quase tangencial, num ângulo de quase 90º,o que fez com que sua velocidade efectiva de queda fosse relativamente lenta em relação à sua trajectória. (Eternos Aprendizes)

Estrutura

Drobyshevski assumiu que o pedaço de cometa era rico em peróxido de hidrogénio. A explosão na atmosfera deu-se, não devido à energia cinética mas devido à explosão de uma bomba de peróxido de hidrogénio. O objeto, ao descer de uma forma tangêncial, aqueceu pelo gradualmente pelo atrito aumentado por causa do seu ângulo de descida, e esse calor provou a dissociação do peróxido de hidrogénio em oxigénio e água. Assim ocorreu a detonação da “bomba”. (Eternos Aprendizes)

Em 2007, Mark Boslough e o seu grupo do Sandia National Laboratories utilizou pela primeira vez supercomputadores para simular em três dimensões o evento Tunguska. Antes, supunha-se que um pedaço de cometa do tamanho de um campo de futebol, pesando um milhão de toneladas e movendo-se a 108.000 km/h teria causado da explosão. Porém, as simulações sugerem que um pequeno asteróide teria o mesmo efeito. (Universo Paralelo)

 

As ideias

Existem cerca de 160 explicações para o evento Tunguska, desde OVNIs, bombas, mini buracos-negros ou até uma erupção vulcânica gigante.

Os prémio vão para as teorias de maior criatividade como A Torre de Wardenclyffe, Queda de um OVNI e Um buraco negro. Podem ler sobre estas ideias aqui.

 

Hoje:

Em suma, um meteoróide de composição rochosa com talvez 50 metros explodiu, devido ao calor gerado pela compressão do ar à sua frente, cerca de 8 kms acima da superfície.

Em 2007, saiu a notícia que talvez se tenha encontrado uma cratera de impacto no fundo do lago Cheko. Leiam sobre isto, aqui e aqui. (AstroPT)

Acerca do autor(a)

Dário S. Cardina Codinha

Frequentou o Mestrado Integrado em Engenharia Biológica na Universidade do Algarve e o curso de Biologia Celular e Molecular na Universidade Nova de Lisboa. Presidiu ao Núcleo de Engenharia Biológica da Universidade do Algarve.

Manteve o blog Universo Paralelo que está a dormir desde 2010. Apaixonado pela escrita criativa, sátira e humor.

Luta constantemente contra ideias falaciosas e teorias erradas. A realidade é explicada por um mecanismo chamado ciência e ela merece ser respeitada e seguida.

Desde os 11 anos que lê notícias sobre o Universo e recebeu, aos 13 o livro Cosmos, de Carl Sagan, que devorou. A partir daí coleccionou artigos e livros científicos. Gosta de divulgar ciência da vida (área académica) e ciência espacial (área de paixão). De vez em quando "saca" algumas sebentas para se manter actualizado.

3 comentários

  1. Mirian Martin

    Minha teoria: Devia ser mesmo um buraco negro. Ele estava caçando uma estrelinha, só que ela não queria ser caçada – tanto é, que eles perceberam que ela fez diversas manobras estranhas, provavelmente para fugir ao perverso buraco negro. Por fim, como o mais forte sempre ganha, o pequeno buraco negro venceu, mas antes disso a estrela explodiu causando o estrago em Tunguska. Um dos pedaços caiu no tal lado. A verdade é esta, nada sobrenatural, evidente…

    😀

  2. Dário S. Cardina Codinha

    Li o primeiro link e usei-o neste post. O 2º link ainda não li. Não reparei nele mas vou lê-lo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>