Chuva de Meteoros, Eta Aquarids 2011

As chuvas de meteoros, que são popularmente mais conhecidas por chuvas de estrelas (esta denominação aparece pelo desconhecimento da origem dos traços originados pela entrada que um meteoro pode provocar na atmosfera).
Esta chuva tem o seu nome derivado de que o seu radiante, ou seja, o seu ponto de origem parece provir da constelação do Aquário, mais concretamente das proximidades da estrela eta aquarii. Esta chuva é a primeira de duas que ocorrem a cada ano em consequência da Terra passar por poeira liberada pelo cometa de Halley, sendo a segunda a Orionids.

Este ano, segundo várias estimativas poder-se-ão observar entre 20 a 40 meteoros por hora. Para ajudar a Lua este ano não estará presente para atrapalhar porque põe-se logo a seguir ao Por do Sol. No entanto, o radiante vai surgir acima do horizonte de já de madrugada, pelo que só quem tiver mais “coragem” poderá assistir ao máximo da chuva no dia 6.

Como observar visualmente:

  • Não precisa de nenhum equipamento especial para observar as chuvas de estrelas. Apenas é necessário que as condições climatológicas permitam ver o espectáculo. A previsão é de céu limpo portanto é de aproveitar.
  • A Lua não vai causar problemas este ano.
  • É natural que os amadores que observem um evento destes pela primeira vez, achem muito desanimador por conseguir ver poucos meteoros ou nenhum, mas este tipo de eventos requer paciência e persistência. Será necessário esperar que o radiante suba no horizonte para o número de meteoros aumentar. Não basta vir à rua, olhar para o céu durante cinco minutos e esperar ver de imediato alguma coisa. As palavras-chave para uma noite de sucesso são: paciência e persistência.
  • O lugar de observação deve ser o mais afastado possível da poluição luminosa. O mais longe possível das cidades, porque quanto mais escuro for o céu mais meteoros ténues se poderão observar. Se pretende observar de sua casa, apague todas as luzes possíveis e espere cerca de 15 minutos para os seus olhos se ambientarem totalmente ao escuro.
  • Para que a observação seja confortável leve para o local uma cadeira de praia (espreguiçadeira) em que o encosto possa ficar inclinado, ou então um saco cama para poder ficar deitado. Quanto mais confortável estiver melhor será a experiência. Se a noite estiver fresca, não esquecer da roupa adicional para proteger do frio e da humidade.
  • Se quiser registar as suas observações, não se esqueça de levar papel e lápis (o lápis é importante porque as esferográficas tendem a não escrever se estiver deitado), uma lanterna de luz vermelha e / ou um gravador a pilhas.
  • Não tente focar a sua observação num objecto concreto, porque em pouco tempo perde o seu campo de visão alargado para ficar fixo num único objecto. Tente observar em direcções diferentes (se bem que, pela lei de Murphy verificará que os melhores meteoros vão sempre aparecer no local para onde não está a olhar).

Fotografar
Fotografar esta chuva de estrelas é muito fácil porque não necessitamos de fazer seguimento. Para isso basta:

  • Uma câmara reflex (tipo SLR), se possível que não utilize pilhas (se for de filme) porque estas por norma descarregam rapidamente com o obturador aberto durante muito tempo, e que possua a posição de abertura manual (posição T, B ou M).
  • As películas devem ser o mais sensível possível (ASA 1600 a 3200). Usa-se normalmente o TMax3200 a preto e branco e as Kodak-Ektar entre 1000 e 1600 ASA a cores.
  • Uma câmara digital reflex que disponha também da posição de abertura manual. Se a sua camera não é reflex mas ainda assim possui a posição manual, configure-a para o máximo de exposição possível e o maior ISO disponível (50/100/200/400/800/1600)
  • A objectiva deve ser de 50 ou 28mm e a mais luminosa possível (f/1.2 – f/2) de forma a poder captar-se um grande campo de visão. É preferível usar uma objectiva de 50mm a f/1.2 do que uma de 28mm a f/2.4, porque a primeira é mais luminosa que a segunda, captando assim meteoros mais débeis.
  • Um tripé é essencial para que a câmara esteja estacionada durante a exposição. Não tente fazer exposições sem tripé, elas não lhe servirão absolutamente para nada.
  • Um cabo disparador com fecho para poder manter o obturador aberto ou comando disparador para que possa disparar a máquina sem lhe tocar.

Uma vez estes equipamentos reunidos, deve-se proceder da seguinte forma:

  • Orienta-se a câmara para o zénite ou na direcção oposta ao radiante. Os melhores meteoros passarão nessas zonas, no radiante serão muito pontuais e curtos.
  • Deve-se ajustar a abertura do diafragma para o seu máximo, ou seja para o valor mínimo que a sua câmara possa dar, 1.2, 1.8, etc. sempre o valor oposto a 16 ou 32, que equivalem ao diafragma fechado ao seu máximo.
  • A focagem deve ser feita para o infinito.
  • O tempo de exposição deve ser o máximo possível (máquinas digitais) ou o T, B ou M (nas máquinas reflex).
  • O tempo por cada fotografia (para as reflex) deve variar entre 5 a 10 minutos dependendo da sensibilidade da película, da abertura do diafragma e da poluição luminosa existente. Uma exposição prolongada perto de uma cidade pode resultar numa foto muito esbranquiçada. Se usar uma película 3200 e estiver perto de uma cidade não passe de exposições de 5 minutos.
  • É também recomendado (salvo se o numero de meteoros for muito grande) cortar a exposição se tivermos a certeza que captamos algum meteoro na imagem. É preferível captar um meteoro do que dois se queimarmos demais a película em que depois o resultado é nenhum.
  • É importante registar o número da fotografia, hora de início e fim de cada exposição e a constelação para onde está apontada a câmara.

Se as suas fotografias forem bem efectuadas, poderá observar uma série de rastos curvos deixados pelo movimento das estrelas ao redor do pólo norte e cruzado – se teve sorte – poderá ver os rastos rectilíneos dos meteoros.
Boas observações e boas fotos!

13 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Acabei de ver o mais lindo meteoro que eu ja vi cruzar o céu!!!! ele cruzou todo o céu!! eu consegui ver ele perfeitamente, pois ele demorou para se apagar, não tenho duvidas, este foi o mais lindo que eu ja vi!!!

  2. Gente, to aqui tentando ver, na zona leste de SP. Mas, realmente, a cidade é clara e poluída. Que frustrante. Não dá pra ver. Estou desistindo desta. Que pena.

  3. Ola, eu moro em Brasileia Estado do Acre e em abril houve uma chuva de meteoros foi lindo.
    Em baixo segue um link .
    http://www.youtube.com/watch?v=-jH3IIG4g-E

    1. Olhe que não me parece uma Chuva de Meteoros.
      Chuvas de Meteoros são anuais, no mesmo dia todos os anos.

      Parece-me sim a desintegração de um objeto… seja meteoro maiorzito ou até um satélite/míssil.
      Se vir imagens da desintegração de objetos na atmosfera (incluindo o vaivém espacial Columbia) percebe que é semelhante.

      Quase de certeza que houve “destroços” pelo chão… meteoritos…
      não encontraram nada?

  4. Rimenes,

    Não sei o seu local, mas independentemente de estar calor de dia, deve levar agasalhos para a noite. O meu professor de astronomia no Reino Unido dizia-nos para levar uma garrafa de Whisky. Aos meus alunos aqui nos EUA não aconselho isso, porque há o limite legal de idade para beber. Mas roupa quente, aconselho… mesmo sendo aqui no Texas 😉
    Não convém apanhar gripe ou constipações 😉

    Por outro lado, tente ir para um local em que se possa deitar/esticar no chão. Deitado a olhar para o céu, além de poder ter uma boa companhia ao lado :), é muito giro, e não faz doer o pescoço 🙂

    1. LOL… bebidas com teor alcoólico, têm a vantagem de criar estrelas duplas, hehehe.

  5. Consegui ver uns 10 meteoros dessa chuva e mais alguns outros q pssaram tb mas q na minha opnião não era da chuva eta aquarides !!!!!

    é muito lindo isso!!!!!! pena q da uma dor no pescoço e tb o sono derruba a gente, sem falar no frio q estava la fora!!!!rsrsrsrs

    • Ana Guerreiro Pereira on 05/05/2011 at 00:14
    • Responder

    Ena, excelente lista de instruções!! 🙂

  6. Pois, desconheciam… pensavam que eram “estrelas em queda” devido ao brilho que os meteoros por vezes apresentam ao rasgar a atmosfera 😉

  7. Além de se chamarem estrelas cadentes devido aos antepassados desconherem a origem dos traços originados pela entrada que um meteoro pode provocar na atmosfera, também não se chamam estrelas cadentes, porque eles pensavam que as estrelas estariam a morrer? 😛

  8. Olá Diogo,

    O João Clérigo diz isto:
    “Este ano, segundo várias estimativas poder-se-ão observar entre 20 a 40 meteoros por hora.”

    Sabes que estas coisas são muito imprevisíveis. E nunca se sabe de antemão exatamente quanto vai ser.
    Isto porque a rota da Terra não é linear.
    Por vezes passa por sítios mais compactos de detritos… e aí subirá para 70 por hora por exemplo, ou então por uma zona com menos detritos… e só se irá ver 10 por hora por exemplo…
    A estimativa atual é para na noite de amanhã, dia 5, é de cerca de 30 por hora…

    Como diz o post, interessante também é isto serem detritos do famoso Cometa Halley 🙂

    • DIogo Ribeiro on 04/05/2011 at 17:23
    • Responder

    Olá. Qual o numero que meteoros por hora que podemos esperar?
    A altura ideal é de 5 para 6 de Maio certo?

    Obrigado

    1. Sim, na madrugada de 6. No entanto é espectável que antes e depois da chuva seja possível observar meteoros desta chuva.
      A média calculada é meramente uma previsão… a previsão de 20 a 40 / hora, na minha opinião é muito generosa. Mas há que estar atento 🙂

  1. […] mais sobre este assunto, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e […]

  2. […] – Chuvas de Meteoros: Quadrantidas. Líridas (2013, 2012). Eta Aquarids, Perseidas (2013, 2011 (aqui), 2010, 2009), Dracónidas (e aqui), Leónidas, Geminídeas. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.