Google+

«

»

Mai 08

O que nos Representam as Estrelas? – A Passagem da Tradição

Como o eixo da Terra é instável e se move como um peão com um período de 26 mil anos, os astrónomos são capazes de calcular qual a posição das estrelas numa determinada época.

A precessão é a oscilação do pólo da Terra. Este movimento, causado pelas forças de maré originadas pela Lua, faz com que as posições das estrelas se desloquem relativamente a nós ao longo dos séculos, lentamente. (ler mais sobre Precessão aqui e aqui)

Outro deslocamento espacial ocorre com o Sol a cruzar o equador celeste em direcção ao norte. Este movimento altera as constelações zodíacas a cada dois mil anos.

Estes movimentos do nosso planeta foram descobertos por Hiparco e eram o segredo do mitraísmo, religião que teve o seu auge nos séculos II e III. O segredo central desta religião era a existência de um deus superior, o Mitra, que desloca toda a estrutura do Cosmos ( a precessão). (SCIAM Edição Especial “Etnoastronomia”)

Egiptólogos britânicos conseguiram, por este método, determinar com precisão a data de construção da Pirâmide de Gizé.

Num artigo na revista científica Nature, Kate Spence mostra que os erros de orientação em pirâmides construídas antes e depois de 2467 a.C. mostram com precisão o desvio gradativo do alinhamento do pólo norte. Assim, é possível determinar o ano de construção. (BBC Brasil)

A tradição de Eudóxio, já aqui referido,  vem de uma época e um local. O local será a latitude de 36º e por volta de 1130 a.C. Assim, Eudóxio terá copiado dados observacionais com mais de 700 anos naquela época.

Ao saber, agora, de quando e onde eram efectuados os registos astronómicos podemos verificar que houve uma transição de tradições entre as diferentes civilizações.

Em primeiro lugar, há registos da constelação Gémeos no Egipto que datam de 6000 a.C.. Esta constelação é confirmada na Grécia por volta do ano 1100 a.C.

A constelação Sírius é registada também pelos egípcios por volta de 3000 a.C. onde era conhecida como Cão Maior. Mil anos mais tarde aparecem registos nos hiitas e no século VII a Grécia registava a mesma constelação.

A constelação Órion teve o mesmo trajecto.

Áries ou Carneiro foi registado por volta de 2500 a.C e no século VI na Grécia.

Podemos descobrir que as constelações foram copiadas de povos para povos, pois ao longo dos anos as constelações movem-se na abóbada, mas não na pedra caligrafada. Hiparco copiou os mesmos documentos de Eudóxio por volta do ano 900. Os dados combinam com as tábuas MUL.APIN o que sugere que Eudóxio copiou MUL.APIN e Hiparco copiou Eudóxio.

Actualmente, a Estela Polar é a que nos dá o Norte. No entanto, em 2700 a.C era a estrela Turban que nos dava o Norte e Vega ocupava essa missão há 14 mil anos. Actualmente o equinócio da Primavera situa-se em Aquário, antes estava em Peixes e na época grega clássica em Áries.Da Mesoptâmia e da Ásia vieram tradições. Essas tradições foram para a Grécia e para o Império Romano. Sabe-se que há registos antigos na Sibéria, na Austrália, na América Central e no Sul da América do Sul, onde é o Perú. Houve, de certo, tradições perdidas mas algumas foram transmitidas por terra, por mar e em colunas comerciais. Em suma, a tradição mostrou-se vital em algumas civilizações. Mostrou-se preditiva de desastres ou de capacidade de adquirir mantimentos, como é o caso dos Boorongs. A observação dos céus passou de imaginações e estórias entre deuses para predições minuciosas que davam alimento ao povo. Mais recentemente, a Astronomia serviu de calendário e de orientação para a navegação. Contudo, persiste outra faceta, um resquício de Neandertal que permite a elaboração de estórias e invenção de instruções para a vida. Uma característica que ficou enraizada nas tradições mais profundas do ser humano, nos medos e nos desejos. A isto podemos chamar de Astrologia.

Acerca do autor(a)

Dário S. Cardina Codinha

Frequentou o Mestrado Integrado em Engenharia Biológica na Universidade do Algarve e o curso de Biologia Celular e Molecular na Universidade Nova de Lisboa. Presidiu ao Núcleo de Engenharia Biológica da Universidade do Algarve.

Manteve o blog Universo Paralelo que está a dormir desde 2010. Apaixonado pela escrita criativa, sátira e humor.

Luta constantemente contra ideias falaciosas e teorias erradas. A realidade é explicada por um mecanismo chamado ciência e ela merece ser respeitada e seguida.

Desde os 11 anos que lê notícias sobre o Universo e recebeu, aos 13 o livro Cosmos, de Carl Sagan, que devorou. A partir daí coleccionou artigos e livros científicos. Gosta de divulgar ciência da vida (área académica) e ciência espacial (área de paixão). De vez em quando "saca" algumas sebentas para se manter actualizado.

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Luiz

    Tanto meu pai como meu avô, me dizem a tempos que o sol mudou o seu local de nascer e de se por, e estou nessa dúvida a alguma tempo. Sempre achei que isso não acontecia. Mas lendo esse post parece que eles estão corretos. Alguém pode me dizer se eles estão corretos ?

    1. Carlos Oliveira

      Luiz,

      A precessão demora 26 mil anos, por isso não é visível numa vida humana.

      Provavelmente o que o seu pai e avô diziam diz respeito às mudanças num ano, certo?

      Se assim fôr, vou sugerir este artigo, com as tabelas, os diagramas, e as fotos:
      http://www.eaae-astronomy.org/WG3-SS/WorkShops/Sunset.html
      Este fórum:
      http://www.meteopt.com/forum/astronomia/o-nascer-do-sol-o-ocaso-se-nw-1219.html
      Este artigo:
      http://vestibular.uol.com.br/ultnot/resumos/ult2762u9.jhtm

      http://geocities.ws/lon_astronomia/equinocio.html
      “Pois bem, no dia 20 de março de 2005, estaremos celebrando o Equinócio de março, o que para os povos do Hemisfério Sul começará o Outono; já para o Hemisfério Norte, iniciar-se-á a Primavera. O outro Equinócio acontecerá em 22 de setembro. Como foi visto acima, o Sol neste dia nascerá justamente no ponto cardeal Leste. É uma boa oportunidade para, além de apreciarmos o nascer do Sol ou o pôr-do-sol, sabermos ao certo onde são os pontos cardeais Leste e o Oeste. Sabendo isso, é só abrirmos os braços e apontar o nosso braço direito para o Leste, logo o braço direito estará o Oeste, a nossa frente estará o Norte e nas costas a direção Sul… Pois em outros dias do ano (em exceção dos Equinócios), o Sol não nascerá nem irá se pôr no Leste e Oeste, respectivamente. Coisa que a gente sempre aprende que onde o Sol nasce é o Leste. Esqueceram de nos ensinar que nem sempre é assim…”

      Recomendo todo este artigo:
      http://ultimosegundo.ig.com.br/colunistas/enquantoissonouniverso/o+sol+realmente+nasce+no+leste+e+se+poe+no+oeste+2+parte/c1237592557689.html

      será isto?

  2. Luiz

    Não, não, eles falam que mudou ao longo do tempo, eles sabem que muda durante as estações do ano, mas percebem que mudou a posição do sol naquela determinada estação. Não sei se fui muito claro, não sou bom explicador.

    1. Carlos Oliveira

      Então o que se entende por “mudar”?
      Quer isso dizer que eles acham que no passado o Sol nasceu a Oeste e pôs-se a Leste, por exemplo?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>