Citações interessantes do livro “The Fine Tuning Fallacy” de Victor Stenger

Nota prévia: traduzi bilião por bilião à inglesa. Não traduzi bilião por milhar de milhão.
“Na minha visão, a vida é uma propriedade que qualquer sistema suficientemente complexo, não linear, interactivo e dissociativo desenvolverá se tiver tempo suficiente”

“Então o universo começará com entropia ou desordem máximas. Começa com informação a zero. Não tem registo de nada que possa ter havido antes, incluindo conhecimento e intenções de um criador.”

“Além disso, mesmo em ciência, em que relações causais foram construídas dentro de modelos durante séculos, nós temos acontecimentos que surgem sem causa. Quando um electrão num estado excitado de energia num átomo cai para um nível mais baixo, ele emite um fotão (…). Isto é um fenómeno quântico que na maioria das interpretações da mecânica quântica acontece espontâneamente, isto é, sem causa.”

“Craig and Sinclair invocam outro tipo de infinito: um infinito de uma extenção medida. O seu teorema acima [que refere o absurdo do infinito como realidade] está correcto. Mas é irrelevante. Enquanto os cientistas são descuidados com o seu uso do termo “infinito” eles não alegam que o universo é infinito em espaço e tempo. Eles dizem que não tem limites.”

“contudo a história bíblica da criação não tem qualquer semelhança que seja com o Big Bang tal como descrito pela cosmologia moderna. O Génesis descreve uma criação tendo lugar em seis dias há uns milhares de anos. De acordo com o Génesis , a Terra foi criada ainda antes do Sol, a Lua, e as estrelas e tudo num firmamento fixo. Em contraste, na cosmologia cientifica o universo é descrito saindo do caos por “tunneling” há 13,7 biliões de anos e num universo em expansão, certamente não num “firmamento” em que o sistema solar apareceu há 4,6 biliões de anos, seguido pela formação do Sol  e da Terra nos seguintes 100 milhões de anos ou assim.”

“Não vos faz pensar porque é que Ele esperou  13,6 biliões de anos antes de nos criar a nós?”

“Como veremos a invariância de gauge foi o mais importante principio físico descoberto no século XX. Notar que “gauge invariante” é apenas uma maneira bonita de dizer “invariância em respeito ao ponto de vista””

“De notar que se o universo veio do nada a sua carga total tem de ser zero, tal como esperado se não houve criação milagrosa”

“Em 1949, Richard Feynman mostrou que electrões retrocedendo  no tempo podem ser vistos como positrões avançando no tempo.”

“Vou fazê-lo para mostrar que, mesmo no caso pouco provável de existir apenas um universo, o fine tuning não existe, não há fine-tuning, ou seja, o fine tuning é uma falácia de todos os ângulos”.

1 comentário

  1. Discordaria da citação “Quando um electrão num estado excitado de energia num átomo cai para um nível mais baixo, ele emite um fotão (…). Isto é um fenómeno quântico que na maioria das interpretações da mecânica quântica acontece espontaneamente, isto é, sem causa.” 😉

    Há uma causa para o electrão emitir o fotão ao passar para um estado de energia mais baixo (e esse é somente um dos processos que podem ocorrer qd um electrão excitado decai para niveis de menor energia): o facto de os sistemas tenderem para estados de energia minima e para o fazerem têm de perder energia. Neste caso emitem-na sob a forma de um fotão. Isto em termos restritos e simples.

    Neste caso a causa é a transição electrónica para niveis de energia mais baixos, processos comuns a nivel atómico e molecular. Dito de outro modo, a causa são, precisamente, esses saltos quânticos 😉

Responder a Ana Guerreiro Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.