TrES-2b é um Planeta Negro

David Kipping e David Spiegel, dois astrofísicos do Harvard Center for Astrophysics e da Universidade de Princeton, respectivamente, utilizaram os dados públicos da missão Kepler para detectar luz reflectida pelo planeta TrES-2b. Este planeta foi descoberto em 2006 pelo Trans-Atlantic Exoplanet Survey (TrES) e por coincidência encontra-se no campo de visão do telescópio Kepler, na pequena porção que intersecta a constelação do Dragão. Trata-se de um Júpiter quente com um período orbital de 2.5 dias, uma massa de 1.2MJup e um raio de 1.3RJup.

Os autores analizaram a curva de luz da estrela hospedeira obtida pelo Kepler, em particular nos intervalos entre os trânsitos e os eclipses secundários. Durante esta parte da órbita o planeta desloca-se de uma posição entre nós e a estrela (no trânsito) até a uma posição em que o seu lado diurno é visível quase na totalidade, imediatamente antes do eclipse secundário, quando o planeta passa por detrás da estrela. A variação de luz durante este período deve-se exclusivamente a luz reflectida pelo planeta pelo que a amplitude deste efeito permite calcular o albedo do planeta, isto é, a fracção da luz incidente no planeta que é por ele reflectida para o espaço. Na figura seguinte podem ver a amplitude deste efeito (caixa vermelha) medido para o exoplaneta CoRoT-1b com as fases do planeta correspondentes sob o eixo das abcissas.


(Crédito: Nature.)

A figura seguinte mostra um gráfico semelhante para o TrES-2b. É imediatamente evidente que a amplitude do efeito é muito menor. Isto quer dizer que, apesar de vermos uma fracção cada vez maior do lado diurno do planeta até ao eclipse secundário, a luz proveniente do sistema varia muito pouco, cerca de 6.5 ppm (partes por milhão). De facto, os autores calcularam o albedo do TrES2-b e obtiveram o valor incrível de 0.03. Este albedo é equivalente ao do carvão.


(Crédito: Kipping & Spiegel.)

O TrES-2b é portanto um planeta negro, muito negro, provavelmente desprovido de nuvens altas reflectoras. Devido à elevada temperatura da sua atmosfera, consequência da forte irradiação a que está submetido pela estrela hospedeira, o planeta deverá brilhar subtilmente no vísivel, tal como uma brasa negra numa lareira.

Podem ver a notícia aqui.

3 comentários

1 ping

  1. O Público também fez referência a este planeta 🙂
    http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/existe-um-exoplaneta-gigante-mais-negro-do-que-carvao_1507474

  2. Parece-me um bom destino de férias 🙂

  3. Notas complementares:
    O TrES-2b é um planeta que se encontra a pouco mais de 4,8 milhões de quilómetros, possui uma atmosfera constituída por químicos que absorvem a luz (sódio e potássio, ou óxido de titânio), apesar de não ser suficiente para explicar a extrema “escuridão” deste planeta.
    Este não é completamente escuro. É tão quente que emite um brilho vermelho e fraco, como uma brasa ou um fogão elétrico.
    TrES-2b orbita a estrela GSC 03549-02811, localizada a aproximadamente 750 ano-luz. (1 a.l. ~ 9,65 x 10^15 km).

  1. […] (Tatooine), Kepler-20e e 20f, Kepler-22b. Kepler-62, Kepler-69. Diamante. 55 Cancri-e de diamante. Negro. Outra Galáxia. Estrelas como o Sol têm planetas. Kepler (características). WASP. HATnet. QES. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.