Mais rápido que a luz?

A BBC noticiou hoje que particulas subatómicas podem ter-se deslocado a uma velocidade superior à da velocidade da luz. Bem, para já não deite fora os livros de física. De facto, algo de estranho e sem precedentes está a acontecer no CERN, que poderá desfazer grande parte do Modelo Padrão, e não tem nada a ver com colisões de partículas no LHC ou com a partícula de Higgs. Ao realizar  uma experiênica de rotina com neutrinos, entre Genebra (CERN HQ) e o laboratório de Gran Sasso, na Itália, a sensivelmente 732 quilómetros de distância, os cientistas descobriram que seus neutrinos parecem viajar mais rápido que a velocidade da luz.

Neutrino Interactions. Credit: CERNcourier.com

Este resultado é potencialmente enorme. Mas, como mencionado acima, ainda não é hora de derrubar toda a física moderna e começar tudo de novo. Concretamente eis o que se passa: os físicos do CERN dispararam neutrinos – que não interagem com a matéria normal e, portanto, pode passar direto através da terra – em direção a um detetor na Itália. O objetivo aqui era testar a frequência das oscilações, assim a equipe de Genebra enviou um feixe de neutrinos muônico para Gran Sasso, e no Gran Sasso a equipe gravou quantos destes acabaram por chegar como neutrinos tauônicos.
A estranheza residiu no facto dos neutrinos do CERN aparecerem no Gran Sasso alguns bilionésimos mais cedo que o previsto – em outras palavras, eles pareciam estar a deslocar-se da Suíça para a Itália mais rápido do que a luz seria capaz de percorrer essa mesma distância.
Esta não é uma anomalia isolada, mas já se arrasta há anos. A equipe tem agora medido cerca de 15.000 lotes de neutrinos vindo através dessa distância, e eles dizem que já chegou a um ponto onde começa a ter grande significado estatístico. Contudo, por mais que tentem, não conseguem explicar o que está a acontecer e é por isso que os dados estão abertos ao escrutínio da comunidade científica. Basta agora esperar e ver se é possível reproduzir esses mesmos resultados ou chegar a algum tipo de explicação para os neutrinos que parecem estar a violar uma lei física fundamental.

Ler mais aquiaqui, aqui e aqui.

Artigo no arXiv.


Entrevista com o Porta-Voz Antonio Ereditato e o Investigador do CNRS, do OPERA, Dario Autiero

63 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alessandro Silveira on 19/01/2012 at 19:20
    • Responder

    Acredito que não existe velocidade maior que a da Luz.
    Acredito que a TRR está correta.
    Acredito que se os resultados estiverem do Opera estiverem corretos poderíamos ter encontrado um atalho em outra dimensão.
    Acho que mais impactante é a descoberta de que o eletromagnetismo varia ao longo do universo, isso restringe as constantes quanticas de Plack a um escopo menor e nos dá a perspectiva de um universo que pode ser infinito.

    Muito bom o post.

    []’s

  1. Os neutrinos parecem estar viajando mais rápido que a luz pois os relógios sincronizados utilizados no experimento geram um sistema no qual a informação de tempo se propaga mais rápido que a luz. Assim é a Terra que se desloca no espaço com a velocidade de pelo menos 7km/s (na linha norte/sul que vai da Suíça até a Itália. Assim os não são os neutrinos que chegam mais rápido na Itália, mas a Itália que de fato se aproxima dos neutrinos enquanto eles estão viajando pelo interior da Terra…
    Vejam a explicação completa em:
    http://www.atomlig.com.br/poli/Neutrinos-PT.pdf

    • Luis Barreiros on 25/09/2011 at 01:26
    • Responder

    Tudo treta, fui eu que descobri a particula que ultrapassou a velocidade da luz, a experiencia não se realizou em Italia, mas sim no estádio do dragão de komodo, … e não foi o opera que o detectou, foram as redes da baliza do Helton. Já dei um nome para esta tal particula, chama-se Nico Gaitião 🙂

    cumps,

    LB

  2. uma coisa é certa se tivessemos forma de construir um telescopio capaz de ver a superficie de um planeta e os seus habitantes da mesma forma que se faz um mapeamento do nosso globo com imagens de satelites mas que o conseguisse fazer a uma distancia de 2 anos luz do nosso planeta e depois conseguissemos transporta-lo instantaneamente para esses 2 anos luz de distancia podiamos ver o nosso planeta e respectivos habitantes dois anos no passado 🙂 pois a luz reflectida do nosso planeta há dois anos a traz só agora é que estaria a chegar lá 😛 portanto de uma certa forma estavamos a “viajar no tempo” para ver o passado.

    1. Foi isso que quis dizer no meu comentário.. Com este suposto telescópio imaginario, saímos numa viagem tambem imaginaria numa velocidade mais imaginaria ainda de duas vezes a velocidade da luz.. Se, com este telescopio imaginario olhassemos para a terra desde o começo da viagem até alpha centauri, veríamos o tempo andando para trás na Terra, já que estamos indo mais rápido que a Luz, que estaria indo na mesma direçao de nossa nave imaginária.

    2. Não me parece.

      O Tempo e a Medição do Tempo são coisas distintas.

      O Tempo anda na mesma para a frente… a velocidades inferiores à da luz.

  1. […] – LHC: medo. Neutrinos (mais rápidos que a luz, efeitos, não, repetição, não). Partícula. Bosão de Higgs: explicação, escolha. Hawking […]

  2. […] acerca desse assunto, cliquem (já em ordem crescente de data para entenderem o desenrolar deste) aqui, aqui, aqui, aqui, e […]

  3. […] a famosa saga dos “neutrinos mais rápidos que a luz”. Começou o ano passado (leiam aqui), sofreu um revés passado um mês (leiam aqui), recebeu novo impulso passado mais um mês (leiam […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.