CONTRA-CAPA: Que Bicho é Este?

No seguimento do post anterior, em que explicamos um pouco da verdade sobre o vírus da gripe e da conspiração existente, segue-se a contra-capa, ou seja, um mau exemplo sobre o tema e uma breve análise.

Desde 2009 que começou a formar-se um grupo anti-vacinação que de vacinas nada percebe. Tudo começou com confusão, medo e pânico gerado por algumas pessoas com ideias infantis e erradas. Na altura em que apareceu a mutação da gripe, H1N1/2009, logo surgiram hoaxes como esta, desconstruida muito bem pelo autor do blog.

Parece que, mais de dois anos depois, continua essa desinformação. Com algum treino podemos verificar informações contraditórias de certos blogs, recorrência a artigos falsos, facciosos ou que nada têm a ver com a situação em questão.

Desta vez o feliz contemplado é o blog Hankarralynda.

Um anúncio recente indica que a Finlândia admitiu que a vacina contra o H1N1 causa narcolepsia.  Este anuncio é pequeno e não me parece muito completo. No 2º parágrafo aparece a primeira jóia:

“Vacinas lesam milhões incontáveis de crianças a cada ano de formas geralmente nunca associadas a vacinas (retardo mental leve, imunossupressão, dificuldades de aprendizagem, etc.). Ao mesmo tempo, quase todas as vacinas são inúteis na prevenção de infecções.”

Carros também matam milhões de pessoas e ainda dizem que são bons. Até há pessoas que têm doenças depois de entrarem num carro. Eu tive uma grande dor de barriga depois de entrar num carro depois de uma feijoada. O carro lixou tudo! Outra coisa, como é que este autor pode afirmar sem qualquer referência que as vacinam são inúteis? Esperem! Afinal há uma referência mas pensava que referências de sites facciosos e notícias erradas não contavam… Será que posso usar um site que afirma que renas azuis não provocam dor de barriga e que andam mais depressa que os carros?

“A maioria dos americanos ainda não ouviu a entrevista secreta do Dr. Maurice Hilleman, virologista da Merck, onde ele abertamente admite que vacinas possuem dúzias de cepas de vírus “secretos” causadores de câncer” (daqui)

Como refere no site NCBI “Maurice Hilleman was responsible for developing more than 40 vaccines, including measles, mumps, hepatitis A, hepatitis B, meningitis, pneumonia, Haemophilus influenzae bacteria, and rubella. His vaccines have been credited with saving millions of lives and with eradicating common childhood diseases.”. Ora, este virologista salvou vidas ao criar cerca de 40 vacinas e um site faccioso indica agora que as vacinas apresentam vírus como AIDS, SV40 e outros. Bem, as vacinas virais costumam apresentar… vírus, ou partes virais, subunidades. Ainda referem que são secretos… Aliás, a entrevista nem tem nada a ver com o virus da gripe. Aqui podemos ter uma ideia de que um vírus que causa cancro é um vírus que o pode tratar.

O resto do post é a famosa conspiração de quem nada percebe.

63 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. António Silva:

    1- A vacina para o H1N1 foi elaborada em 8 meses. Todas as vacinas de gripe demoram entre 6 a 8 meses a serem elaboradas.

    2- O facto para a precaução reside no facto de que em 1918 houve a pior pandemia viral da história da humanidade. Qunado os biólogos analisaram o genoma do vírus repararam que 2 dos 8 segmentos do H1N1 eram iguais ao do H1N1 de 1918… daí o receio. E é melhor prevenir…

    As coisas fazem sentido… por isso o melhor é perguntar porquê em vez de dizer que não porque não.

    • António Silva on 13/11/2011 at 23:45
    • Responder

    Depois de ler o artigo e respectivos comentários, não posso deixar de expressar a minha opinião. Em primeiro lugar é óbvio, que a decisão de tomar ao não uma vacina deve ser um direito de cada um. A partida e partindo da “informação geralmente aceite”, não se pode contestar a importância das vacinas, embora e sinceramente começo a duvidar. No entanto e no caso particular do H1N1, tenham dó impingir uma vacina feita a pressão, para parar a suposta pandemia de uma gripe que comparada com uma gripe normal, é como uma bombinha de carnaval face a um missil. Mas cada um la sabe se dever usar o seu sentido critico ou se aceita tudo o que a industria farmacêutica lhe sugere.

    1. Sim, sem dúvida que a escolha é de cada um.

      Eu por exemplo, não tomei a vacina contra o H1N1.
      Achei que não precisava.
      E também porque me sinto sempre mal quando vou tomar vacinas 😛

      Mas não duvido que se toda a gente fizesse como eu, a tal “bombinha de carnaval” tornava-se um míssil.
      Note que as coisas só não se tornam mísseis actualmente, porque há muita gente a tomar vacinas 😉

      Hoje, a tuberculose, a poliomelite, etc, são todas “bombinhas de carnaval”… mas deixem de tomar as vacinas e elas tornam-se misseis 😉

      Esse é um dos grandes problemas de marketing da ciência.
      É que se algo não funciona, fazem logo imensos programas, abrem-se telejornais na TV, sai na Globo, na RTP, etc….
      … mas quando funciona, como na H1N1, ninguém quer saber nem lhe dá o crédito… e até acham que não fez nada.

      abraços

    2. Bom dia,

      ” Em primeiro lugar é óbvio, que a decisão de tomar ao não uma vacina deve ser um direito de cada um.”
      Para mim, não é assim tão óbvio, depende das doenças em causa. Existem doenças que se as pessoas decidirem deixar de tomar as vacinas que as previnem, se podem tornar gravíssimos problemas de saúde pública, e nesse caso, para mim tomar ou não a vacina não é um direito de cada um (por isso mesmo é que existem vacinas obrigatórias).

      Claro que outras é uma decisão da pessoa, por exemplo do H1N1, eu não quis tomar (odeio tomar vacinas e, apesar de já ser adulta, choro sempre que nem um bebé) e acabei por apanhar gripe A, que sinceramente foi menos má que muitas gripes que já tive. Provavelmente voltaria a não tomar a vacina, mas ai sim, é uma decisão minha, porque não causei grandes problemas à sociedade por ter tido a doença…

  2. Já li todos os comentários, e vou voltar a ler de novo, estou aprendendo muito aqui, como já disse não sou expert e nem tenho tanto estudo como a maioria aqui. Eu só estou buscando conhecimento, muito obrigado a todos pelas explicações e Carlos parabéns pelo site muito bom eu já vejo ele a muito tempo, valeu 🙂

    1. Sim, claro que cada um de nós não pode saber tudo sobre tudo ;).
      Temos sempre que aprender uns com os outros. 😉

      Eu, por exemplo, não sei de agricultura, medicina, e de uma infinidade de outras coisas 🙂

      Nesta área de vacinas, o Dário, o Marco, a Ana, a Marina, etc, sabem todos muito mais do que eu 🙂

  3. Aqui um exemplo da industria farmacêutica e cientistas a portarem-se mal: http://the-scientist.com/2011/11/02/opinion-ghost-writing-is-fraudulent/

    Quem é que denunciou? Outros cientistas.

    • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:12
    • Responder

    “A última epidemia significativa ocorreu no fim do século XIX, na China e Índia, mas ainda hoje se registam casos em vários países, principalmente naqueles em que há populações de roedores selvagens infectados. Há cerca de 2000 casos por ano em todo o mundo, nas regiões em que há roedores infectados.

    Há hoje populações de roedores com peste endémica no Ocidente dos EUA, sopé dos Himalaias, planícies da Eurásia setentrional (Mongólia, Manchúria na China, Ucrânia), região dos grandes lagos na África oriental e algumas regiões do Brasil e dos Andes. A transmissão da peste é rara e devida a contacto directo com os animais infectados e não através de pulgas.”

    de realçar q a epidemia do séc XIX foi travada graças a esforços sanitários e médicos.

    “Os antibióticos revolucionaram o tratamento da peste, tornando-a de agente da morte quase certa em doença facilmente controlável. São eficazes a estreptomicina, tetraciclinas e cloranfenicol. Tratamentos mais recentes vêm utilizando também a gentamicina e a doxiciclina com resultados eficazes.”

    😀

    Já agora, “A peste é de comunicação obrigatória às autoridades. A peste é uma doença de Notificação Compulsória internacional e deve ser comunicada imediatamente, pela via mais rápida, às autoridades sanitárias. A investigação é obrigatória..”

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 21:01
      • Responder

      E como se descobrem estas coisas? porque há pessoas, não uma nem duas nem três, mas MILHARES, que são versadas nestes temas. Neste caso foi mesmo porque a equipa lesada, por acaso, era a minha 😛

      Falta de escrupulos há em todo o lado. Mas essas coisas descobrem-se porque TUDO passa por um crivo de crítica muito muito apertado. As conclusões q saem cá para fora são fruto de consenso académico de milhares de especialistas, não de um ou dois.

      Se reparar, somos todos extremamente criticos e cuidadosos com muita coisa 😉 é assim q funciona. 😉 não se diz q 1+1=2 só pq sim. Há evidências, há provas irrefutáveis, há especialistas aos milhares a ter a mesma conclusão.

      Se for ler o CV de cada um de nós aqui no astro verá q não somos meramente curiosos. Somos cientistas e educadores q decidiram dar o seu tempo livre, de graça, `à divulgação de conhecimento.

      Conhecimento = Scientia = Ciência 😉

        • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 21:02

        ò carlos este comente era para estar mais lá acima, a seguir a onde falo em insulino mimeticos…….. lol

      1. agora não posso fazer nada 😛

        só se o repetires no outro lado, e eu apago este 😉

  4. A tuberculose continua a matar cerca de 3 milhões de pessoas por ano.
    http://super.abril.com.br/saude/mal-seculos-tuberculose-443052.shtml

    Em somente 100 anos, o desenvolvimento do conhecimento médico sobre este assunto foi brutal.
    Na Europa, as mortes por Tuberculose caíram de 500 por 100 000 pessoas em 1850 para 50 em 100 000 por volta de 1950.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Tuberculose#Hist.C3.B3ria

    Se querem voltar para os números de há séculos atrás… então esqueçam as vacinas e os antibióticos.
    Senão, os números são claros.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:14
      • Responder

      O ressurgimento da tuberculose na europa está intimamente ligado à emigração de pessoas dos países de leste, onde ainda é um problema, e outros, onde a falta de saneamento básico é um problema associado à tuberculose. Mtos dos portugueses q têm tuberculose ou a apanharam nos tempos da guerra colonial, ou num desses países, ou por contacto com uma pessoa infectada. Mas é controlável, não é uma sentença de morte. 🙂

  5. Carlos Reis, médico autor do Site “Mídia sem Máscaras”, registra um pensamento de Bertrand Russel a respeito da mídia científica:

    “Dietas, injeções, e injunções se combinarão, desde a mais tenra idade, para produzir o tipo de caráter e o tipo de crença que as autoridades consideram desejáveis, e qualquer crítica séria a esses poderes tornar-se-á psicologicamente impossível. Mesmo se todos forem miseráveis, todos se acreditarão felizes porque os governos assim lhes dizem que são”. Bertrand Russel, O Impacto da Ciência Sobre a Sociedade, pg 50, 1953) 2
    Uma questão interessante a ser observada é que, como quase tudo no mundo, existem 2 tipos de reações com estes temas: os totalmente à favor da ciência e do sistema que dizem que tudo isso é “paranóia” e “conspiração” e os que lutam para revelar os “jogos” e “efeitos” de um sistema que nem sempre é honesto e confiável…

    1. Acho que as atitudes perante a ciência são claras:
      Os que estão com a ciência são honestos.
      Os que estão contra a ciência deveriam deixar de ser hipócritas: deveriam deixar de utilizar os produtos da ciência, como os computadores, deviam ir viver para cavernas sem qualquer conforto (como electricidade, etc), e deveriam deixar-se todos morrer aos 30 anos por uma gripezita qualquer como acontecia antes da medicina moderna.
      Mas claro, a hipocrisia daqueles que se dizem contra a ciência, não os deixa realmente colocar-se a eles próprios contra a ciência. Dizem que são, mas depois aproveitam-se da ciência para tudo. É a hipocrisia a funcionar.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:18
      • Responder

      Uma coisa é ciência. Outra coisa totalmente diferente é a “midia cientifica”. E outra coisa ainda totalmente diferente é a divulgação cientifica credivel. Infelizmente e especialmente no Brasil, são divulgados todo o tipo de mentiras em nome da ciencia. Na verdade, isso não é ciencia sequer. Há que fazer a distinção.

      Uma coisa é denunciar os conceitos errados que a “midia” e o mau jornalismo transmitem. Outra coisa é viver de jogos e efeitos imaginários do sistema. Eles existem, sim. Mas a verdade é que há pessoas que passaram a vida a estudar determinados temas e sabem detectar esses jogos e efeitos num ápice e num instante. Bem como o mau jornalismo e as mentiras da midia.

      Uma coisa é aquilo q a midia passa. Outra coisa é a realidade e a ciência.

    2. Nós aqui fartamo-nos de criticar a forma como alguns maus jornalistas divulgam notícias de ciência… sem fazerem uma investigação credível e sem terem qualquer cuidado com a verdade.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:23
      • Responder

      e note que ser cientista não é ser do sistema. O sistema não é propriamente para aqui chamado. O método cientifico e a natureza não querem saber do sistema. 🙂

      Diga-me uma coisa. Qd está doente, quem é que procura? Quem passou a vida inteira a estudar o corpo humano ou os seus desequilibrios ou um bruxo curandeiro? 😉

      Note, este site é um site gerido por cientistas. Com provas dadas e curriculo cientifico. Com anos de estudo. Não estão a dizer as coisas só porque sim ou porque assado ou porque lhes apetece. Estão a dizer aquilo que sabem e que passaram a vida a estudar, aprofundar. Pessoas com provas dadas q identificam os mentirosos deste mundo. Aldrabões como o Deepak Chopra, por ex. Criminosos como os dos movimentos anti-vacinas que não dizem coisa com coisa, por ex.

      A ciência está-se lixando para os governos, sabe? E a natureza tb. Ficaria admirado se soubesse que aqui todos lutam de uma forma ou de outra contra o seu próprio governo. 😛 😀

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:28
      • Responder

      O q russel queria dizer era que a ciência é usada tanto para o bem como para o mal. Quem a usa são as pessoas. Quem é bom ou mau é a pessoa, não é a ciencia. O que russel queria dizer é que há uma miriade de más pessoas q usam a ciencia para manipular.

      No entanto, sabe q é mto fácil desmascarar essas verdadeiras “conspirações”?… não há nada mais fácil para nós todos, que há mais de 30 anos q somos treinados na compreensão do de rerum natura e q caminhamos ao ombro de gigantes como darwin, einstein, aristóteles, newton, feynman, etc etc etc, do que desmascarar fraudes, vigaristas, criminosos, conspirações falsas, mau jornalismo cientifico (aliás, péssimo jornalismo cientifico- e aí no Brasil, Eduardo, ele abunda, é uma praga), entre outras coisas.

      Mas cada um decide por si: acreditar em quem realmente sabe as coisas, num conjunto de pessoas q dedicam parte do seu tempo, de modo grátis (nós não somos pagos sequer para estar aqui), a divulgar informação correcta…. ou em bruxos.

    3. Só fala de sistema na ciência quem não percebe bem o que é a ciência.

      O sistema na ciência é inovar-se e tentar ter mais conhecimento.
      A internet que existe hoje, os telemóveis, os carros, os aviões, os telescópios espaciais, etc, nasceram desse desejo de ver mais além… de se fazer mais do que aquilo que já existe.
      O “sistema” permite o desenvolvimento da humanidade.

      Se eu tivesse dito que o meu doutoramento era em algo que já existia, que já se sabia, ninguém me aceitaria aqui. Obviamente. Quem raio quer aceitar alguém que só quer manter o que já se sabe?

      O mesmo faço aos meus alunos. Logo na 1ª aula lhes digo que nos exames, se escreverem alguma coisa do que eu disse, têm negativa… porque eu não quero estar a ler o que eu já sei.
      Que raio de vantagem tenho eu, a universidade, ou a ciência, em ler aquilo que já se sabe?

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:34
      • Responder

      E não se esqueça q Russel viveu na 2a metade do séc XIX e na primeira do séc XX. Qd criticava o governo, criticava o imperialismo q conduziu à guerra do vietname, criticou o uso dos segredos do átomo para a construção da bomba atómica, criticava o nazismo, o stalinismo….. há que ter em conta em que contexto determinadas afirmações foram feitas, senão não se capta o verdadeiro significado.

      Bertrand Russel era um cientista. 😉 O activismo dele era contra o uso do conhecimento (a palavra ciencia significa conhecimento) para o mal. Mas quem faz o mal não é a ciencia. São as pessoas.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:35
      • Responder

      Russel referia-se a isto:

      http://en.wikipedia.org/wiki/Pugwash_Conferences_on_Science_and_World_Affairs

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:39
      • Responder

      E note, mais uma vez: aqui não se discutem governos. Discute-se ciência. Se se prefere acreditar q somos lacaios do governo… pois, paciência, contra crenças não há muito a fazer. Engraçadamente as pessoas q aqui estão são das q mais criticam publicamente os próprios governos….

    4. O sistema nem sempre é honesto e confiável, tem razão, mas é assim, apenas podemos tomar decisões face às evidências disponíveis. Dizer que as evidências foram ocultadas por uma conspiração não prova nada. Seguindo esta linha de pensamento a contínua ausência de evidências apenas comprova que a conspiração é ainda mais profunda e extensa do que se pensava. Isto é um pensamento circular interminável. Podemos discordar é do que se entende por evidências. Não se pode saltar de imediato para a conclusão de que as vacinas fazem mal só porque antecederam à doença, tem de se investigar bem outros factores e tem de se ter em conta todas as outras pessoas que tomaram a vacina e não lhes aconteceu nada. Têm de se fazer estudos com grandes grupos, não é com um caso ou dois.

      Quando a industria farmacêutica se porta mal, porque ninguém aqui nega que ela o faça, são cientistas e médicos que se chegam à frente com as evidências e denunciam a situação, não são os teóricos da conspiração do youtube. A ciência tem formas de se auto-corrigir, as aldrabices existem, mas nunca duram muito tempo. A motivação é que se faz carreira a destruir as teorias dos outros, se forem verdadeiras aguentam, se forem falsas acabam por cair 😉

        • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:57

        E porta-se mal. Por exemplo, portou-se mal ao não querer investir em insulino-miméticos, por ex. 😛 Mas deixem-nos dar-lhes ainda mais provas e a diabetes um dia pode vir a ser somente uma miragem 😉

        Por outro lado, exemplo perfeito de mau jornalismo assente em maus profissionais. Uma equipa envolvida em diversos estudos com insulino miméticos fez uma colaboração com outra. Os resultados foram promissores, porém mto preliminares. O q aconteceu? A equipa q foi contactada para a colaboração, por cortesia, apressou-se a chamar os media e reivindicou uma descoberta de um novo fármaco anti-diabético. MENTIRA. Não fizeram fármaco nenhum. A investigação nem sequer era deles. A conclusão q disseram ser deles não era a correcta, não há nenhum fármaco nem eles o estão a produzir. A revista visão pegou nesse artigo falso e escreveu uma mentira ainda maior, dizendo q havia mesmo um medicamento novo anti-diabético. MENTIRA. Não havia. O que aconteceu aqui? O que falhou? foi a ciência? foi o governo? não, foi a falta de escrupulos de uma chefe de equipa e o copy paste dos jornalistas.

  6. Eu acho que as pessoas se esquecem que ainda no século 14 houve uma epidemia de peste negra que matou 75 milhões de pessoas na Europa.
    (hoje esse número seria muito maior, não só porque existe muita mais gente, mas porque estamos espalhados por todo o mundo, e a transmissão de doenças se faz mais rapidamente).
    Matou um terço da população na altura. Hoje somos 7 mil milhões, por isso, actualmente poderia matar mais de 2 mil milhões de pessoas (2 bilhões, no Brasil).

    Hoje, a peste negra ainda existe, mas é facilmente controlada com antibióticos…
    Dados por quem? Por aqueles que criam vacinas e antibióticos para salvar pessoas.

    Em vez de olharem para uma pessoa que contraiu a doença, porque não olhar para 2 bilhões de pessoas salvas anualmente devido à medicina moderna?

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 19:55
      • Responder

      É controlada por isso e por ser endémica de certos locais, apenas.

      1. a não ser que seja uma estirpe modificada 😉 😛

        Mas sim, tens razão.
        Há diversos factores. Um outro é as condições de vida das pessoas, em que há muito maior limpeza actualmente.

        • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 20:06

        “melhores condições de higiene,substituição do rato preto pelo rato cinzento (Rattus norvegicus, que evita as pessoas), e à resistência genética crescente das populações, contribuíram para o declínio contínuo das epidemias de peste na Europa.”

        de cada vez q há um epidemia de peste bubónica (nenhuma tão mortal como a primeira), dado q os q ficam são imunes, transmitem essa imunidade à descendência. Talvez o facto de hoje em dia ser endémica se deva a q essas populações isoladas, em especifico, não tenham imunidade.

  7. Ola Ana, talvez seja realmente uma ignorância minha, mas depois de quase perder minha filha devido a reacção alérgica depois de uma vacina, realmente fiquei com o pé atrás, Não sou nenhum expert, mas sempre estou pesquisando a respeito, realmente fui mal em colocar mataria do David Icke, não é nem um pouco cientifico! Mas vi também em varias outras fontes que falavam que a vacinação contra a gripe suína (H1N1) pode aumentar o número de casos da Síndrome de Guillain-Barré entre outras reacções e depois da péssima experiencia que tive, não preciso dizer mais nada, tenho medo sim!

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 19:34
      • Responder

      Não há mal nenhum em ter medo 🙂 e faz mto bem em pesquisar respostas. Mas talvez não esteja a encontrar as respostas certas. Ter mencionado o Icke deixou-me em modo de alerta contra fraudes. E esse tipo é a maior de todas essas fraudes.

      Peço desculpa pelo meu trollismo, mas já deve ter percebido q tb estou queimada 🙂 e q se estão a viver tempos em que as pessoas têm atitudes mto perigosas como as que já foram descritas. Tanto que temos doenças que estavam praticamente erradicadas e que estão a voltar em força. 🙁

      Infelizmente as vacinas podem ter efeitos secundários, é verdade. Mas são mesmo mto raros. E são casos pontuais, não se pode extrapolar isso para o mundo inteiro. Por outro lado, pode não ter sido da vacina. Pode ter sido de outra coisa qq e a vacina desmascarou o efeito.

      Lamento mesmo pela sua pequena 🙁 mas pode mesmo ter sido somente o tal azar pontual. 🙁 ela pode talvez ser alérgica a algum componente da vacina da mesma forma q há pessoas q são alérgicas a amendoins, marisco, lactose, etc. O problema não é a vacina em si, é haver alergia a algo – alergias essas q deviam já estar detectadas. Há medicamentos e vacinas q contêm excipientes q podem provocar alergias, mas parte-se do principio q a pessoa sabe aquilo a que é alergica.

      Eu sou alérgica a diversos antibióticos 🙂 mas não é por isso q deixo de tomar outros antibióticos. É uma questão de saber a que é que sou alérgica. Infelizmente às vezes só temos noção dessas alergias em cima da hora 🙁

      Lamento mesmo pela sua menina 🙁 E é natural que tenha medo, nessa situação. Mas não se pode deixar dominar por esse medo. Tudo o que nos rodeia é susceptivel de nos fazer mal ou provocar alergias e outras coisas.

      De facto, se algo correu mal aí, nessa vacina, há então q descobrir exactamente o quê e porquê. Se foi mesmo alergia. É q não há casos de mortes ou quase-mortes por vacinas 🙁

    1. Olá Eduardo,
      disse reacção alergica, não disse disse devido a vacina. Qualquer substancia pode provocar alergias, e iso depende da imnunidade de cada um e nada tem a ver com as vacinas. Por exemplo, se a pessoa for alergica ao ovo, não pode fazer determinadas vacinas que usam ovo como meio de cultura, não é alergica á vacina é alegica ao ovo.
      Quanto ao Guillain -barré, tambem esta doença é auto-imune, é o proprio corpo que se auto destroi, não há causa conhecida apesar de haver associação de factos anterior ao aparecimento da doença.
      Já aqui se falou correlação da causa/efeito
      http://www.astropt.org/2011/10/16/correlacao-nao-implica-necessariamente-causalidade/

    2. A resposta sobre a ligação da vacina contra a H1N1 com o Síndrome de Guillain-Barré, está aqui:
      http://www.cdc.gov/h1n1flu/vaccination/gbs_qa.htm

      Realço estas frases:
      Scientists do not fully understand what causes GBS, but it is believed that stimulation of the body’s immune system may play a role in its development.
      Each year, about 3,000 to 6,000 people in the United States develop GBS whether or not they received a vaccination.
      The Institute of Medicine (IOM) conducted a thorough scientific review in 2003 and concluded that people who received the 1976 swine influenza vaccine had a slight increased risk for developing GBS.
      In 1976, there was a small risk of GBS following influenza (swine flu) vaccination (approximately 1 additional case per 100,000 people who received the swine flu vaccine). That number of GBS cases was slightly higher than the background rate for GBS.
      We expect the 2009 H1N1 vaccine to have a similar safety profile as seasonal flu vaccines, which have very good safety track records.

      E aqui, dizendo que não houve incremento de casos de Síndrome de Guillain-Barré devido à vacina:
      http://www.cdc.gov/vaccinesafety/Activities/eip/eip_update.html

      Resumindo, esperava-se que 1 em cada 100.000 pessoas que recebessem a vacina, tivessem maior risco de contrair Síndrome de Guillain-Barré.
      Em 100.000 pessoas, a vacina salvou certamente vários milhares de pessoas que poderiam ter morrido sem a vacina. Nessas 100.000 pessoas, uma pessoa contraiu essa Síndrome de Guillain-Barré.

      É obviamente bastante triste ter sido a sua filha. Mas não pode usar um caso para dizer que a vacina faz mal.
      Por outro lado, pergunto-lhe: preferia que a sua filha tivesse morrido ou é preferível essas chances que a vacina proporciona?
      Deve ver a vida por uma perspectiva de “copo meio cheio” 😉

    3. Olá outra vez Eduardo,

      Há pessoas que devido a condições clínicas específicas não se recomenda a toma da vacina, por exemplo quando possuem alergia à albumina (que também existe nos ovos). Isto é a excepção, não se pode generalizar. Isso é uma coisa que tem de discutir com quem sabe, ou seja os médicos, porque foram eles que durante anos estudaram como funciona o corpo humano, são eles os especialistas. Se achar que o seu médico não lhe está a dar bons conselhos (existem maus profissionais em todas as áreas), procure uma segunda e até terceira opinião de outros médicos. A internet não é o sítio ideal para procurar informações sobre saúde, porque é difícil separar aquilo que é verdade do que é falso. Qualquer um pode escrever aquilo que quiser…

      Abraço

      1. A Marina Frajuca, que também aqui comentou, é enfermeira, talvez ela o possa elucidar mais sobre o assunto.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 19:47
      • Responder

      Eduardo, in a next time, exponha directamente o seu caso, explicando porque tem medo e expondo as suas dúvidas. Assim não corre o risco de ser mal interpretado, ou pelo menos de as suas intenções terem sido mal interpretadas.

      Peço desculpa pela minha reacção, mais uma vez, mas não tinha mais dados e o eduardo estava a dizer exactamente o q o “outro lado” diz 🙁

  8. Infelizmente hoje em dia, cada vez mais se dá valor à “opinião” em vez do conhecimento. Até por aqui as universidades aceitam melhor um trabalho com referências bibliográficas a sites da net, do que a livros e publicações científicas.
    O mar de informação é tão vasto e acessível a todos em doses maciças que é fácil acreditar numa qualquer notícia que aparece na net, num site agradável e bem construído.
    O que precisamos é desenvolver o espírito crítico e a racionalidade, e essa é uma de várias coisas que distinguirá o cidadão com neurónios da “vítima” das teorias conspirativas…
    Continuem o v/ trabalho e desmontem estas palermices.
    Não dá p/ desenvolver um vírus que ataque esses sites parvos de uma vez por todas?! …
    Eu não sou extremista, mas estas teorias conspirativas já me encheram a paciência.
    Abraços
    G

  9. As pessoas andam parvas ou quê? Ficou tudo amnésico?
    Já se esqueceram da praga que foi a tuberculose, a tosse convulsa, poliomielite, meningite, etc …no seculo passado!!!???
    Graças a vacinação a taxa de mortalidade infantil desceu drasticamente nos últimos cinquenta anos, á excepção dos paises subdesenvolvidos onde ainda é muito dificil imunizar toda gente.
    Com a vacinação conseguiu-se erradicar a variola, e já teriamos conseguido erradicar outras se não houvesse pessoas incultas e estupidas a recusar a vacinação.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 18:49
      • Responder

      Olha Marina, acho que os mais fundamentalistas destas ideias CRIMINOSAS só estão a ler blabla whiskas saquetas 😛

      ‎”There are in fact two things, science and opinion; the former begets KNOWLEDGE, the latter IGNORANCE.”
      Hippocrates

      “We can easily forgive a child who is afraid of the dark;
      the real tragedy of life is when men are afraid of the Light.”
      Plato

      (hoje estou armada em Bad Cop)

    1. Olha que não sei Marina, em África há mães de aldeias isoladas que levam os filhos ao colo e às cavalitas durante quilómetros, só para chegar a um posto médico onde possam imunizar os filhos. Há pessoas analfabetas mais inteligentes do que os doutorados do youtube.

        • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 18:58

        Incrivel, não é?

      1. Mas as vacinas ainda são em pequena quantidade, segundo a OMS, ainda não chegam a todos.
        Olha só o exemplo do sarampo
        http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs286/en/

      2. Sim, não estava a discordar de ti, estava a apontar a ironia de haver pessoas com menos acesso a informação que fazem tantos sacrifícios para ter os filhos vacinados, e outras no mundo dito desenvolvido que fazem o contrário.

      3. Sim, por vezes os diplomas podem tornar as pessoas arrogantes e auto destrutivas…

    • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:56
    • Responder

    Uma coisa perfeitamente natural é sentir uma confusão tremenda qd as informações são contraditórias. Isso aconteceu aqui, no meio médico, cientifico, etc, com o H1N1. Até eu me deixei envolver pelas conspirações do h1n1, numa altura em q o meu kit de detecção de parvoices não estava ainda mto desenvolvido e em q a cabeça estava imersa em stress e super-especialização num único tema. Ninguém está isento de se enganar redondamente. Nem de se sentir confuso. Mtos médicos disseram q realmente não sabiam o q pensar. Mas isso não é anormal. É o principio da precaução e do esperar para ter mais informação.

    No entanto, o que não é normal é q anos depois e com a informação finalmente disponivel, e com todas as evidências apontando para o facto de q a vacina era perfeitamente segura, com o facto de terem morrido muitas pessoas devido ao H1N1 e ZERO devido à vacina, ainda haja quem se deixe enrolar.
    Uma coisa é qd a informação e os resultados ainda não estão disponiveis. Outra coisa é qd já estão. Errar é humano, mas persistir no erro é…

  10. Eduardo, gostaria que me dissesses um assunto que dominas, algo que percebes bem. É só para te dar um exemplo. Expliquei no post que:

    “Carros também matam milhões de pessoas e ainda dizem que são bons. Até há pessoas que têm doenças depois de entrarem num carro. Eu tive uma grande dor de barriga depois de entrar num carro depois de uma feijoada. O carro lixou tudo! Outra coisa, como é que este autor pode afirmar sem qualquer referência que as vacinam são inúteis?”

    Alguém que fala de vírus mas que só percebe de futebol é como aqueles jogadores que falam bem dum champô… São falácias

    • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:39
    • Responder

    “a entrevista secreta do Dr. Maurice Hilleman,”

    ué? se é secreta como é q se pode ouvir? 😀

  11. Queria dizer uma cena brutal e…

    esqueci-me.

    Volto depois, se calhar.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:34
      • Responder

      É Hélio, uma pessoa vem aprender, ler, cientificar e depois dá com seguidores de reptilianos q se cultivam com googladas e youtubadas. É de esquecer mesmo o q se quer dizer!

  12. Esse site do NaturalNews é um perigo para a saúde pública. É mantido por um aldrabão da pior espécie, Mike Adams, que passa a vida a espalhar mentiras para vender vitaminas e suplementos alimentares. Foi um dos que se aproveitou da morte de Steve Jobs dizendo que foi a quimioterapia que o matou e que ainda estaria vivo se tivesse seguido tratamentos “naturais”, que ele convenientemente vende no site dele. Só que ocultou o facto de que o Steve Jobs seguiu vários tratamentos naturais e alternativos durante 9 meses, até que foi forçado a voltar-se para a ciência. Não se sabe até que ponto estes 9 meses perdidos podem ter feito a diferença.

    http://www.astropt.org/2011/10/14/steve-jobs-o-nao-cientista/

  13. “Vacinas lesam milhões incontáveis de crianças a cada ano de formas geralmente nunca associadas a vacinas (retardo mental leve, imunossupressão, dificuldades de aprendizagem, etc.). Ao mesmo tempo, quase todas as vacinas são inúteis na prevenção de infecções.”

    Isto faz-me lembrar aqueles “estudos” sobre a acupunctura em que os autores simplesmente assumem como verdade os pressupostos da existência do Chi e dos pontos no corpo que o controlam, como se fossem coisas do senso comum e já comprovadas. Creio que “ciência da fada dos dentes” é o termo técnico que se utiliza nestas situações.

    As pessoas fixam-se nos perigos, grande parte fantasiosos e sem evidências, que ofuscam por completo as vantagens das vacinas. Nos EUA pais anti-vacinação andam a fazer “festas da varicela” para infectarem de propósito as suas crianças de forma a obterem imunidade “natural”. E quando não conseguem encontrar crianças doentes na sua zona (devido às malvadas vacinas que tanto querem evitar) enviam o vírus pelo correio em chupa-chupas e roupa causando também a disseminação de outras doenças. Isto é ridículo em pleno século XXI. Mas a paranóia e grau de alienação da realidade é tão grande que para estes pais qualquer risco compensa desde que não sejam obrigados a dar a vacina aos filhos. Expor crianças à varicela de propósito devia ser considerado negligência parental e enviar vírus pelo correio, sem condições de segurança, é basicamente bioterrorismo, seja ele intencional ou não.

    http://scienceblogs.com/insolence/2011/11/pox_packages_child_abuse_and_the_violati.php

  14. Um vídeo onde David Icke diz para não tomar a vacina da gripe suína, como ele mesmo disse, antes, vai pesquisar um pouco! Veja quantas vacinas temos que dar em nosso filhos e nem sabemos os reais efeitos de todas elas!!! o que todas elas realmente vão fazer agente não sabe, isso é muito perigoso! http://www.youtube.com/watch?v=qigXGlCEFo8
    Eu na minha humilde opinião, não acho nada seguro estas vacinas! Menina mal consegue andar após ter tomado a vacina H1N1 http://www.youtube.com/watch?v=f6mAkZZIn7g&feature=related , no Brasil também teve vários casos de reacções graves, me lembro que na época desta falsa epidemia ( na minha opinião ) perguntei a vários médicos amigos meus, e todos me disseram que não tomariam a tal vacina.

    1. As opiniões não contam para a ciência e para a verdade.
      O que contam são os factos.

      Veja bem quantas pessoas morriam antes de se tomar vacinas, e quantas pessoas morrem depois.
      Veja quantas crianças morriam devido a não tomarem vacinas.
      Veja a quantidade de doenças/epidemias que existiram no passado, que foram erradicadas com as vacinas.

      Depois de ter os factos na mão, então pode-se discutir os problemas.
      Até lá, são meras opiniões de quem não anda informado…

    2. Incrível igualmente como o Eduardo acha que opiniões de especialistas para si não contam… mas a sua fonte é o David Icke, que foi político e comentador de desporto na TV… que nada percebe dos assuntos de que fala… e que virou paranóico dizendo que todas estas mensagens (incluindo as vacinas!) são lhe transmitidas por lagartos extraterrestres.
      Para si, o Icke é que é uma fonte segura! Enfim… é cada uma que se lê…

      http://en.wikipedia.org/wiki/David_Icke
      http://www.skepdic.com/illuminati.html

    3. Eduardo,

      O David Icke é um aldrabão que ganha a vida a vender histórias fantásticas a pessoas facilmente impressionáveis. Estamos a falar do mesmo homem que diz que a família real britânica é composta por reptilianos disfarçados de seres humanos (http://controversy.wearscience.com/img300/reptoid.png). Acho que não é preciso dizer mais nada…

      Esse segundo vídeo é uma peça irresponsável feita por jornalistas que apenas querem vender notícias. Não se pode concluir de imediato que foi a vacina que causou a doença só porque tomou a vacina antes da doença se manifestar. Isto é uma falácia lógica (http://www.astropt.org/2011/10/16/correlacao-nao-implica-necessariamente-causalidade/). Para se concluir tal coisa, são precisos vários casos de pessoas com o mesmo problema e cujo o único elo seja a vacina. E isso faz-se com estudos científicos, não num circo mediático.

        • Cavalcanti on 13/11/2011 at 22:02

        “(…) a família real britânica é composta por reptilianos disfarçados de seres humanos”

        Rapaz…………………………………

        O “príncipe” Charles recentemente afirmou que era parente de Conde Drácula.

        Eu sempre desconfiei disso… 😉

        LOL 😀

      1. Faz mais sentido que os reptilianos 😛

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:21
      • Responder

      LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL 😀

      “um video de….”

      claro, hoje em dia toda a gente se cultiva com videos na net. 😛 livros, estudo, para quê???? VIVAM OS VIDEOS NA NEEEEEEEEEEEEET!

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:22
      • Responder

      “If you open your mind too much your brain will fall out…”

      Ignorância. Meu deus, que praga.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:23
      • Responder

      Marco, Carlos, Dário, desculpem a minha trollice e falta de atitude pedagógica, mas como já tenho dito por diversas vezes, já não há pachorra.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:30
      • Responder

      Caro Eduardo, saiba que eu contraí sarampo, quase morri e fiquei surda devido às sequelas. Como vê, esta bela imunização natural contraindo uma das doenças que mais matam no mundo – e que estavam quase erradicadas, mas graças a IGNORANTES, VIGARISTAS, CHARLATÃES, BURROS, IMBECIS como os do movimento anti-vacinas estão de novo a voltar e a atacar em força- fez milagres por mim. Q bom!! estou mto grata aos imbecis ignorantes acéfalos anti-vacinação por propiciarem a minha experiencia negativa a milhares de crianças por esse mundo fora.

      VIVA O SARAMPOOOOOO, que mata, cega e ensurdece!!!…. qu bom que as crianças podem quase morrer e ficar surdas!!!!!!!!

      Imbecis.

      Mais uma vez, desculpem a minha falta de pedagogia, mas a praga é tão grande q já desisti.

      Acho um piadão aos ignorantes que se metem em sites de cientistas a citar vigaristas manipuladores sem sequer lerem uma única palavra do q os especialistas dizem.

      Carlos, proponho que todos os comentadores, para poderem comentar, tenham antes de responder a uma questão básica de ciência.

      😛

      ps – a sério, desculpem, mas a minha paciência morreu de vez.

      • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:42
      • Responder

      “perguntei a vários médicos amigos meus, e todos me disseram que não tomariam a tal vacina.”

      Os médicos agem pelo principio da precaução. A vacina saiu muito depressa, não houve propriamente tempo para ser testada a uma escala global, a informação fidedigna não estava a chegar, a fritalhice era muita, as informações contraditórias infectaram tudo e todos. Neste cenário de confusão total em que ninguém se entendia ou conseguia perceber, afinal, qual era a informação correcta, é natural q alguns médicos tenham preferido ESPERAR PARA VER. Principio da precaução.

      Por acaso o mesmo principio que me valeu a mim o sarampo, há 30 anos atrás.

        • Ana Guerreiro Pereira on 13/11/2011 at 17:50

        Já agora, os profissionais de saúde são obrigados a estar imunizados, não só para não contrairem a doença que os debilita e diminui a capacidade de trabalho (e toda a gente sabe o q acontece qd um médico não está capaz…) como tb para não passarem o virus aos pacientes… tb depende dos locais onde trabalham. Portanto, as respostas de cada médico, se é q eram mesmo médicos, dependerão de mta coisa. Ser um bom médico entre elas….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.