Como desmontar crenças

A partir do nosso post sobre Nexus 2012, um dos nossos leitores enviou-nos este PDF interessantíssimo sobre a forma como se deve combater os mitos.
Leiam o PDF, aqui.

Algumas frases de lá:

“Debunking myths is problematic. Unless great care is taken, any effort to debunk misinformation can inadvertently reinforce the very myths one seeks to correct. To avoid these “backfire effects”, an effective debunking requires three major elements.
First, the refutation must focus on core facts rather than the myth to avoid the misinformation becoming more familiar.
Second, any mention of a myth should be preceded by explicit warnings to notify the reader that the upcoming information is false.
Finally, the refutation should include an alternative explanation that accounts for important qualities in the original misinformation.”

“It’s self-evident that democratic societies should base their decisions on accurate information. On many issues, however, misinformation can become entrenched in parts of the community, particularly
when vested interests are involved. Reducing the influence of misinformation is a difficult and complex challenge.”

Isto foi algo que eu já escrevi, aqui.
“Colocar as pessoas em dúvida sobre as suas crenças, ou provar-lhes que são erradas, faz com que as pessoas defendam mais as suas crenças por mais irracionais que os argumentos sejam. Em vez de aceitarem as evidências e a verdade observável, tornam-se fundamentalistas nas suas crenças.”

Penso que alguns dos comentários que recebemos quer no artigo sobre o Nexus 2012, quer no artigo sobre a Profecia Maia, quer noutros artigos espalhados pelo blog, provam bem a realidade destas asserções.

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Eu li TODOS os comentários de Nexus 2012.
    Não consigo entender quem diz conhecer tudo, mas não argumentar contrariamente, racionalmente, o que está escrito no post.
    Faz uma encenação, um bailado de sete véus, mas não diz coisa mais sólida. Como se os frequentadores assíduos do AstroPt não fossem capaz de uma conversa “mais complexa” por precisarem de bases mais sólidas e não terem uma mente aberta demais.
    Logo quando comecei a frequentar o blog eu não entrei dizendo o que eu acho, mas entrei perguntando. O que eu acho é uma coisa. Conhecimento é outra. E mesmo hoje, não é porque frequento o Astropt é que tenho conhecimento – aqui eu aprendo o “caminho das pedras”. 🙂
    O bom do meu blog é que ele é, como diria o Carlos, parvoíce pura. 🙂 Fantasiar é sempre bom, mas dizer que isso seja verdade… vai um longo caminho. (mas ainda vão provar que exite mundos paralelos 😀 )

    😉

    1. Mas o seu blog é giro, e não anda a enganar ninguém 🙂

      1. Não, não engana. Mas se eu puder “brincar” com uma dos aspectos científicos que são propostos aqui, eu sempre faço. 🙂 E ainda faço link para cá! 😀

      2. 😀

        • Ana Guerreiro Pereira on 01/12/2011 at 12:49

        Mas a Mirian brinca e é criativa. Tal como os escritores de romances, fantasia, scifi, etc.

        E brincar faz falta! 😀

    • Ana Guerreiro Pereira on 30/11/2011 at 22:52
    • Responder

    Mas de qd em qd temos pessoas, e até são umas qtas, q se rendem às evidências e aos factos e deixam de seguir idiotas.

    E isso é das coisas mais dificeis de fazer, por isso, a essas pessoas, os meus sinceros e honestos parabéns. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.