Google+

«

»

Dez 15

O que fazer para ser Astrónomo?


Devido a este post, pareceu-me apropriado escrever sobre o que deve fazer um estudante do ensino secundário, para se tornar astrónomo em Portugal.

Antes de mais, há que explicitar o que significa “astrónomo” neste contexto:

– Há aqueles que fazem da observação astronómica um hobbie, mais conhecidos como astrónomos amadores. O tema deste post não é sobre estes.

– Há aqueles que fazem da investigação em astronomia a sua profissão. É sobre estes, sobre os passos a seguir para se tornarem astrónomos profissionais que falarei neste post.

Deixem-me começar por desfazer algumas ilusões. Aqueles que julgam que o que um astrónomo faz é observar o céu, noite após noite, num grande observatório, desenganem-se. Se esta é a vossa ideia do que faz um astrónomo, então o caminho a seguir é o de astrónomo amador.

É verdade que alguns astrónomos podem passar algum do seu tempo em observatórios (como o VLT), mas sempre por períodos muito limitados. As observações que obtêm em alguns dias ou semanas podem levar depois meses, ou mesmo anos para analisar nos seus gabinetes, até que se convertam em trabalho científico.

Mas voltando à questão: “O que fazer para ser astrónomo?”

A primeira coisa a fazer é seguir a via científica, em particular na área da física (preferencialmente). A astrofísica moderna é física aplicada ao Universo por isso, boas bases em física e matemática são essenciais. Há ainda vertentes mais específicas que exigem também formação noutras áreas (como por exemplo a astrobiologia), mas sobre essas não falarei aqui.

Já no ensino superior, há vários caminhos para se tornarem astrónomos. Em Portugal há apenas uma Licenciatura em Astronomia, na Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP). Este será o curso mais indicado para quem quer realmente ser astrónomo.

Para quem está na dúvida, no entanto, há outras licenciaturas mais genéricas que oferecem cadeiras opcionais ou até “minors” em astronomia, como por exemplo as Licenciaturas em Física da FCUP ou da FCUL.

Concluído o primeiro cíclo há que fazer mestrado e doutoramento. A escolha de locais para fazer estes graus em Portugal é variada, mas dou como exemplo os mestrado e programa doutoral em Astronomia da U.Porto, ambos com o apoio do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP). É no CAUP que grande parte destes alunos desenvolve as suas teses.

Finalmente, depois do doutoramento, há que procurar um centro de investigação em astronomia para desenvolver a vossa investigação. Em Portugal não há muitos. O CAUP é o maior centro de investigação em Astronomia do país, seguido por dois grupos em Lisboa (CAAUL/FCUL e CENTRA/IST). Há ainda um pequeno grupo em Coimbra, e mais algumas pessoas espalhadas por outras instituições de ensino superior.

A oferta no estrangeiro é obviamente maior, mas com a oferta também aumenta a concorrência. Nada que desanime, pois há muitos astrónomos portugueses que trabalham ou já trabalharam em instituições de prestígio internacional, como o JPL (NASA), ESO, Observatório de Paris, ESTEC (ESA) entre outros.

A Universidade do Porto tem disponível a página Estudar Astronomia, com muita informação para os futuros astrónomos nacionais.

Ricardo Cardoso Reis
Núcleo de Divulgação
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Acerca do autor(a)

Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

O Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) é uma associação científica e técnica privada, sem fins lucrativos e reconhecida de utilidade pública. É a instituição de acolhimento do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço - a maior unidade de investigação nacional em Astronomia, e gere o Planetário do Porto - Centro Ciência Viva. Inscreve entre os seus objectivos estatutários apoiar e promover a Astronomia, através de: investigação científica, formação ao nível pós-graduado e universitário, ensino da Astronomia ao nível não universitário, divulgação da ciência e promoção da cultura científica.

50 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Carlos Oliveira

    Deixem-me só acrescentar um factor que já foi falado nos comentários no outro post: o gosto pela área espacial não se esgota na astrofísica, mas podem gostar de outras áreas que vos permitam sonhar com o espaço… e até trabalhar no espaço (na Estação Espacial Internacional, por exemplo).

    Podem gostar, por exemplo, de:
    – engenharia aeroespacial.
    – medicina espacial.
    – ensino de astronomia.
    – comunicação de astronomia.
    – astrobiologia.
    – bioquímica e microbiologia ligada a meteoritos.
    – geologia planetária.
    – jornalismo científico.
    – etc, etc, etc (podem completar esta lista com muitas mais profissões que, de alguma forma, estão ligadas a áreas espaciais, e que possam gostar) 😉

    abraços

  2. pedro

    eu gostaria de ser um astrônomo, trabalhar na área de exoplanetas é algo que
    parece muito interesante ou astrobiologia.Quem sabe invento uma nova área- engenheiro astro químico-(kkk) Só tenho medo de tentar e não gostar [pura física e matemática =( ] mesmo sendo o primeiro da classe e sendo ótimo nessas matérias ( em todas as matérias na verdade), talvez as coisas poderiam ser um pouco diferentes. Além disso no brasil ,que eu saiba só tem na USP, meu irmão faz geofisica lá e…. é meio complicado estudar na USP ,enfim,estou desnorteado agora =(

  3. Ricardo Reis

    Pedro, é uma questão de procurares projetos de iniciação científica em astronomia, e ver se gostas:

    http://www.astro.iag.usp.br/~jorge/orientacao.htm

    Esta página pertence a um ex-investigador do CAUP que está agora a dar aulas na USP. Pode ser que ele te consiga ajudar.

  4. Patrick Pais

    Alguém podia ter escrito isto quando eu andava no secundário… 🙁

  5. deise

    sabe eu so pequena ainda mais sou fascinada por astronimia eu vou muito querer ser um quando cresce

  6. Ruben Dias

    Gostei muito do post mas só tenho 2 perguntas.
    Com a licenciatura de astronomia posso seguir: astrofisica, astrobiologia, astrogeologia, engenharia aeroespacial?
    e mais importante, Porque é que na FCUP não há quase colocados nenhuns em astronomia?

    1. Carlos Oliveira

      Ruben,

      Podes sempre seguir aquilo que quiseres. Se não quiseres fazer as mesmas cadeiras de novo, tens é que ver se tens equivalências de algumas cadeiras.
      Eu segui Astronomia, depois de ter seguido Gestão. Cadeiras em comum? 0 😉
      Nota no entanto que algumas das tuas opções são diferentes de outras em termos de “follow-up”. Na FCUP, ao seguires astronomia, estás a seguir astrofísica. Por isso, a tua primeira opção está coberta. Quanto a astrobiologia e astrogeologia, seria algo mais para mestrados penso eu, e sobretudo tens que ter cadeiras de biologia/geologia, claro. Quanto a engenharia aeroespacial é uma licenciatura àparte, que também existe em Portugal, no Minho se não me engano.

      Penso que este ano não foi oferecido o curso. Penso eu, de algo que ouvi nas redes sociais. Mas não tenho certeza. É questão de os contatares diretamente por telefone ou e-mail e teres a certeza.
      De qualquer modo, este ano lectivo já passou. O que eu aconselho é que te informes das condições para o ano seguinte. Para saberes se podes ter colocação ou não.

      abraços

      1. Ruben Dias

        Muito obrigado pelos conselhos! 😀
        Vou então contactar diretamente a FCUP. Só espero que exista o curso de astronomia daqui a 2 anos (quando acabo o secundário), pois é MESMO aquilo que eu quero.

        abraços

      2. Carlos Oliveira

        De nada, Ruben.

        Espero que entres, claro 🙂

        Entretanto, já pedi a uma pessoa da FCUP para ver se te podia responder, de modo a te dar informações mais precisas – melhores – do que as que eu consigo dar 😉

        Por isso, vai estando atento aqui aos comentários, para poderes ter mais informações 😉

        abraços!

    2. Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

      Olá Ruben.

      Neste momento a Licenciatura em Astronomia não está a aceitar novos alunos (só está disponível para os que já estavam inscritos), pois nos últimos anos teve fraca procura. Sei que há conversas dentro da FCUP para um novo curso, mas para já não há nada de definitivo.

      De qualquer maneira, o Dep. de Física e Astronomia da FCUP tem uma alternativa, que é praticamente igual à antiga licenciatura em Astronomia.

      Basta ingressares na Licenciatura em Física, no segundo ano escolheres seguir uma formação complementar (minor) em astronomia, e nas cadeiras opcionais, escolheres as de astronomia também.

      Com este percurso, fazes basicamente as mesmas cadeiras que na antiga licenciatura em astronomia.

      Depois, podes seguir o mestrado e o doutoramento em astronomia, cuja instituição de acolhimento é o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (Pólo da UPorto, situado no edifício do Planetário do Porto)

      Pelo IA/CAUP,
      Ricardo Cardoso Reis

      1. Ruben Dias

        Muito obrigado Carlos Oliveira e Ricardo Reis pelas respostas! 😀
        Acho que ja estou mais decidido no curso a escolher. Se entretanto abrir o de astronomia, melhor.

        Cumprimentos e sucesso para este blog,
        Ruben Dias

  7. Filipa

    Olá, vou agora para o 11 ano e tenho andado bastante interessada em tudo o que envolve o espaço. Tenho tido muita curiosidade na Astrobiologia, no entanto as aulas de Biologia não são muito interessantes do meu ponto de vista e este curso visa ter conhecimentos nesse campo. Outro problema da Astrobiologia é o facto de não perceber qual o percurso academico que devemos ter para seguir esta carreira e onde. Será que me podes dar alguma informação nesse curso?
    Obrigada

    1. Carlos Oliveira

      A astrobiologia é um “chapéu” muito grande. Tudo depende daquilo que gostar mais.
      Vamos supôr que quer descobrir planetas extrasolares, que potencialmente possam ter condições para a vida. Nesse caso, deve seguir o curso de astronomia.
      Vamos supôr que quer analisar quimicamente meteoritos caídos na Terra ou até quiçá amostras do espaço. Nesse caso, deve seguir química.
      Tudo depende daquilo que quiser seguir… 😉

      abraços

      1. Filipa

        Obrigada pelo esclarecimento, e no caso de astrofisica, que carreiras possíveis posso seguir e qual é o essencial deste curso?

      2. Carlos Oliveira

        Filipa,

        As “carreiras possíveis” podem ser sempre dezenas delas, várias delas que nem sequer imagina que vai seguir.
        Há pessoas que depois de um curso de astrofísica, seguiram ilustração científica ou divulgação que liga a música à astronomia. Que são exemplos que nem sequer se imagina.

        A Filipa não deve perguntar que carreiras existem… mas deve perguntar que carreira quer seguir.
        Deve seguir o que a faz feliz, independentemente do que existe neste momento, do que pode existir, ou sequer das voltas que a vida lhe vai dar.
        Pergunte o que a faz feliz. Responda a isso. E siga isso 😉

        abraços

  8. Filipa

    Mas para seguir astronomia, recomendarias tirar curso no estrangeiro? Tive a ver e no ano passado não houve entradas de pessoas no curso de Astronomia na Universidade do Porto.
    Obrigada

    1. Carlos Oliveira

      O ano passado o curso não foi oferecido na UP.

      Para saberes para este ano ou para o ano, tens que telefonar para lá e tentar saber 🙂

  9. Carlos

    Olá,

    Em primeiro lugar, gostava de manifestar a minha opinião sobre este site. Penso que está muito bem estruturado, é bastante informativo e educativo e o mais importante é que consegue não ser tão sensacionalista mas sim realista (ao contrário de uma boa parte dos sites se astronomia).

    Minha actual situação:

    Eu já acabei a licenciatura em Física. Agora estou numa situação difícil, pois não sei que mestrado escolher. Falam-me constantemente em emprego e saídas, e que o melhor para mim é um mestrado em engenharia. Contudo eu sempre tive a ideia de querer seguir o mestrado em astronomia e talvez continuar a investigar (doutoramento).

    O problema é que já ouvi dizer que bolsas de doutoramento não é para todos e cada vez há menos fundos para tal. Isto leva-me a pensar que depois de acabar o mestrado em Astronomia não tenha qualquer continuação na área.

    Eu gostava de investigar em algo tipo centro de astrofísica, fazer projectos relacionados com a ESA/ESO ( sempre fiquei fascinado com estas agências). Também não me importava nada de trabalhar para o estrangeiro, caso sejam abertas bolsas para tal.

    Mas sei que a realidade nunca é cor de rosa, e tenho receio de acabar um mestrado que não me serviu para continuar no que eu gosto.

    Portanto, eu gostava de apresentar as seguintes questões:

    O mestrado em astronomia no Porto permite-nos com boas probabilidades continuar a estudar/investigar nas áreas relacionada com astronomia?

    O número de bolsas de doutoramento fornecidas são suficientes para a quantidade de alunos que querem seguir o doutoramento?

    É possível investigar sem termos doutoramento?

    Obrigado,

    Carlos

    1. Carlos Oliveira

      A minha sugestão é a seguinte: faça o que quer e que o deixa feliz.

      Muitas dessas recomendações sobre empregos e dinheiro, são puros mitos. Nada mais.
      Se quer trabalhar ou estudar nalguma coisa específica, faça-o. Se tiver obstáculos, ultrapasse-os.
      Se quer investigar, investigue.
      Se quer ter bolsa, concorra a elas e tenha os melhores resultados (porque há sempre bolsas para os melhores).

      Se quer trabalhar no estrangeiro, mesmo na ESA, ESO, etc… faça isso!
      Porventura até tem um salário, e não precisa de bolsa para nada! 😉

      Se tem “medo da concorrência”, seja para bolsas ou para empregos ou o que seja, nunca vai fazer nada. Até para trabalhar nas obras há imensa concorrência!

      Escolha o mestrado que o deixar mais feliz. O resto vem depois. E “o resto” são “desculpas” para não se escolher o que se quer.

      Eu tenho curso de Gestão e tenho curso de Astronomia.
      Qual é que acha que dá mais dinheiro? E qual é que acha que dá mais emprego?
      E qual é que acha que escolhi?

      O que nos deixa feliz deve estar acima de tudo o resto… mas isto, sou *eu* que o digo. Nada mais. Serve para mim.

      abraços!

      1. Carlos

        Obrigado pela resposta!

        Sempre gostei de Física e tudo relacionado com o espaço. Por essa razão é que Astronima/Astrofísica é a área em que eu gostava mesmo de trabalhar.

        Eu não tenho medo da concorrência, eu tenho é receio que não me sejam dadas oportunidades (realidade no nosso país).

        Mas tal como disse, “Escolha o mestrado que o deixar mais feliz. O resto vem depois.”

        Independentemente que n tenha futuro na área (pior situação hipoteticamente possível), acabar o mestrado em Astronomia nunca será tempo perdido.

        Obrigado,

        Carlos

      2. Carlos Oliveira

        Em várias áreas, mas se calhar sobretudo mais na astronomia (devido à componente de equipa e espacial), pensar em ficar no mesmo sítio (no mesmo país), penso que será errado.

        Quanto mais depressa se mentalizar que o melhor é ver outras realidades, mais fácil se torna ter oportunidades… que não no sítio em que pensa 😉

        abraços!

        P.S.: funciona para portugueses ou para outras nacionalidades. A grande maioria dos alunos de doutoramento de astronomia que conheço daqui, já não estão aqui. 😉

  10. Cátia

    Boa tarde

    Gostei muito do site é muito informativo, obrigada.

    Eu tenho o curso de geologia, e gosto de astronomia, pensei então enveredar por astrogeologia. No entanto, quando comecei a procurar não encontrei nada em Portugal, no estrangeiro à muita informação, mas não cá em Portugal, pelo que me informaram apenas um mestrado foi feito em Portugal (UL) sobre astrogeologia, e a pessoa que o fez acabou por seguir uma área completamente diferente.

    Será que tens alguma informação de portugueses que escolheram essa área ou uma faculdade onde me posso informar melhor?

    Conheço o ESA e o USGS Astrogeology Science Center mas não encontrei um sitio onde me candidatar.

    Obrigada

    1. Carlos Oliveira

      Olá Cátia,

      A geologia planetária é atualmente uma área em forte expansão. Aliás, se vir as notícias mais recentes sobre Ceres, Plutão, Marte, etc, o que se fala basicamente é de geologia planetária.

      Em Portugal, certamente que tem várias pessoas ligadas a essa área, em termos de investigação.
      Mas em termos académicos, penso que não seja área disponível em Portugal.

      O que sugiro é que contacte o José Saraiva, do IST/CERENA. Ele estava ligado a investigação no tema da geologia marciana.

      abraços!

  11. Cátia

    Obrigada, vou tentar entrar em contacto com o professor..:)

    Qualquer novidade posto

  12. cristopher

    quero ser um astrônomo, mais ja tenho 20 anos de idade e estou para trás em termos de conhecimento. oque faço ? será que consigo ? me ajudem, gosto muito do universo e de tudu que Deus fes quero ser um astrônomo pastor e combater esse negocio de eté´s Deus e o Alfa e Ômega. so não acredita em Deus quem não o proucura.

    1. Carlos Oliveira

      Você anda confuso…

      Não existem astrónomos pastores…
      Ser astrónomo é seguir explicações naturais e não sobrenaturais.

      E qualquer pessoa pode seguir astronomia, independentemente da idade.

  13. Tish

    Olá sou Leticia, mas sou conhecida por Tish tenho 19 anos quero ser cientista astrónoma, muitos que conhecem dizem que não tenho potencial para este futuro«trabalho» mas nao acredito nisso pois se realmente queremos uma coisa temos de perseguir, desde pequena vejo o espaço como uma coisa fora do comum uma coisa inexplorada com detalhes por ainda descobrir. Tenho um problema, eu vivo numa ilha (Madeira) e queria encontrar uma boa universidade e não sei, qual devo escolher? E por onde ir?…. mais uma coisa nao tenho assim boas notas para entrar numa boa universidade mas não que nao trabalhe e esforce é devido ao querer profundar as teorias ainda mais e de ser lenta, muitos de professores acham me curiosa exploradora trabalhadora. Espero que não afeta na Universidade. Obrigado

    1. Carlos Oliveira

      Tish,

      Ser astrónoma é viajar mentalmente pelo Universo e fisicamente pelos 4 cantos do planeta. Por isso, em primeiro lugar terá que sair da mentalidade que é da Madeira… 😉
      Pense numa Universidade como a do Porto (em Portugal) ou em estrangeiras.

      Se trabalha e se se esforça, então as notas terão que reproduzir isso. Trabalhar muito, por vezes não quer dizer trabalhar bem. Se quer entrar numa boa Universidade e se quer seguir uma excelente carreira, então tem que estudar e esforçar-se eficientemente de modo a ter boas notas. Os resultados é que contam 😉

      abraços

      1. Tish

        Vou então esforçar ainda mais.. Obrigada !!

  14. Renato

    Boa noite! Estou interessado em seguir o curso de física na UPorto com formação complementar em astronomia. Pode-me falar um pouco das prespetivas de emprego em Portugal e no estrangeiro? Muito obrigado!

    1. Carlos Oliveira

      As mesmas que em qualquer outro emprego: existem empregos. Se a pessoa fizer um bom trabalho, tem melhores possibilidades de continuar. Se fizer um mau trabalho, pode ser despedido 😉

      abraços

  15. Renato

    Mas parece-lhe possível conseguir entrar num centro de astronomia em Portugal ou apenas no estrangeiro?

    1. Carlos Oliveira

      Existem dezenas de astrónomos que “entraram” em centros de astronomia em Portugal e existem milhares em centros estrangeiros.
      Por isso, possível, é certamente 😉

      1. Albertino

        Oi eu moro no Brasil, seria possível vc me falar mais ou menos o valor de uma faculdade de astronomia, ai em porto?

      2. Carlos Oliveira

        Veja nos rankings internacionais 😉

        Normalmente, três universidades portuguesas aparecem constantemente nesses rankings 😉

        abraços

  16. Albertino

    Por favor vc, poderia me dizer o valor de uma faculdade completa, de astronomia

    1. Carlos Oliveira

      Se o valor, é quanto ela vale, tem os rankings internacionais.

      Se o valor é o $$ que você terá que pagar, aí você tem que os contactar para o e-mail deles e perguntar 😉

      1. Albertino

        Ok, muito obrigado

  17. Manu

    Gosto muito de astronomia e quero trabalhar nessa aérea , só que eu não sou muito fã de matemática , acho muito dificil e não consigo aprender com facilidade

  18. RuiBatista

    Boa noite! Eu tenho uma Licenciatura em Ciências da Terra e da Atmosfera pela Universidade de Évora com especialização em Geologia. Durante o meu curso tive até uns consideráveis ECTs em Matemática e Física, mas talvez não o suficiente … Acha que cadidatar-me ao Mestrado em Astronomia no Porto seria, por ventura , arriscado no sentido em provavelmente estarei em desvantagem em termos de matéria em relação a Lic. de física ou astronomia? Também já lá vão 3 anos desde que acabei o curso …Talvez até fique bem e não entre em “parafuso” …

    Excelente blog,
    Obrigado

    1. Carlos Oliveira

      Rui,

      Tem que contactar os responsáveis do Mestrado e tentar perceber se os critérios de avaliação se adequam a si 😉
      https://sigarra.up.pt/fcup/pt/cur_geral.cur_view?pv_curso_id=871

      abraços e boa sorte!

      1. RuiBatista

        Ok, obrigado! Abraço 😉

  19. Diogo Mimoso

    Boa noite! antes de mais, grande artigo! È assim, isto pode pareçer um pouco ridículo, mas eu nos últimos anos começei a apaixonar-me pelo universo e queria estuda-lo aprofundadamente, mas como acabei o curso de humanidades, não sei como seguir física, andei á procura de cursos superiores profissionais que dessem acesso a licenciaturas de física por exemplo, mas só encontro CTeSP’s como engenharia informática, engenharia ambiental etc etc, e como já tenho 20 anos, queria saber se existe alguma chance no mundo de seguir astronomia? eu sei que como é óbvio humanidades e ciências são duas áreas diferentes, e como penso que muita gente até com 30 40 50 anos muda de área/carreira, eu também poderia, mas não consigo encontrar respostas.Desculpe se pareço um maluco com ilusões eheh. Agradeço desde já a sua disponibilidade por ler a minha questão!

    1. Carlos Oliveira

      Eu licenciei-me em Gestão de Empresas (quando era 5 anos), e depois licenciei-me em Astronomia.
      Só segui para a Astronomia quando tinha 25 anos.

      Por isso, não vejo qual o problema em mudar de área aos 20 anos 😉

      abraços!

      1. Diogo Mimoso

        Como seguiu para Astronomia? não foi necessário fazer os exames de Mat A e Física e Química A? eu não sei como seguir astronomia porque pelo que me disseram por lei já não posso recomeçar ciências do 10º ao 12º ano porque acabei o 12º de humanidades, por isso eu nem sei por onde começar ou o que fazer para seguir astronomia, nem encontro nada que me dê acesso a física. Obrigado pela resposta e desculpe o incómodo! abraços!

      2. Carlos Oliveira

        Se pensa em tirar Física em Portugal, penso que basta fazer os exames requeridos para a Univ. que escolha.
        Não tem que fazer de novo o 10º, 11º, e 12º ano.

        Eu tive colegas minhas em Gestão de Empresas que tinham vindo de Ciências (e não de Economia).
        E não tiveram de fazer o 10º, 11º e 12º anos na área de economia. Simplesmente fizeram os exames de acesso a Gestão. Como eu fiz para Astronomia posteriormente.

        abraços

      3. Diogo Mimoso

        Você conseguiu depois de tirar licenciatura em Gestão de Empresas, em só 1 ano, estudar para os exames de Mat A e F.Q A ? Eu por exemplo, que quero tirar positiva ( talvez entre 13/14 ) nos exames para entrar em Coimbra mas sem tendo bases nenhumas em Mat A e F.Q A, estou mesmo com receio de tentar estudar 3 anos de Mat A e 2 anos de F.Q A em apenas 1 ano e falhar, porque sinto que precisaria de por exemplo de 2 anos pelo menos a estudar em casa por exemplo para o conseguir, nao encontro nada na internet para pessoas na minha situação ou o que fizeram sem tendo bases nenhumas.

      4. Carlos Oliveira

        O meu problema foi só com a Física. Na altura, decidi ter uma explicadora (recentemente licenciada em Física pela Univ. de Ciências) para não só compreender melhor as coisas mas também as compreender mais depressa.

        Com a matemática nunca tive problemas. Sempre fui excelente em matemática. E tive matemática em vários anos no curso de Gestão 😉

        abraços

      5. Diogo Mimoso

        Muito obrigado! Irei tentar e tentar e tentar de novo eheh .

        Abraços e boa sorte para si também!!

      6. Carlos Oliveira

        “receio de tentar” — esta é a principal causa das pessoas não se meterem em coisas novas. É uma mentalidade muito europeia do Sul. Se ler sobre Steve Jobs, Bill Gates e até na política com pessoas como Bush, etc, pode comprovar que nos EUA a mentalidade é oposta: tenta-se tudo. Mesmo que se falhe 30 vezes, na vez que se acerta, é essa que vai contar 😉

        Por isso, perca os receios. Tenta no primeiro ano. Se não conseguir, pode sempre fazer algo (trabalhar, por exemplo) durante um ano e tentar novamente no segundo ano. E se não der no segundo, tenta no terceiro. Tenta as vezes que conseguir. Quando conseguir (não é SE, é QUANDO), o sentimento que terá será único. Porque quando se consegue atingir os sonhos, não há nada melhor. (e ninguém quer saber de quantas vezes tentou) 😉

        abraços e boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>