Telemóveis em óculos

Eu já tenho dito que acho que os filmes futurísticos têm tecnologia muito primitiva, porque temos que usar os braços para a controlar…
Já falei deste assunto, aqui, aqui, aqui, e sobretudo aqui.
O futuro, que nos é dado pela ciência, está-se a aproximar a uma velocidade estonteante…

“Os óculos do futuro vêem mais do que nós e podem chegar já este ano. (…)
(…) os revolucionários óculos da Google vão ser postos à venda ainda este ano e vão custar “mais ou menos o mesmo do que os actuais smartphones”. Traduzindo: vamos ter óculos com realidade aumentada em 2012, mas tanto podem custar 100 euros como mais de 1000 euros, se tivermos como referência máxima o iPhone 4S de 64GB livre de operador.
(…) os óculos vão ser controlados através do sistema operativo Android e terão um pequeno ecrã, colocado a poucos milímetros dos olhos do utilizador, ligações à Web 3G e 4G, vários sensores, detectores de movimento e GPS.
(…) inclusão de uma câmara de filmar e de fotografar, para poder fazer uso da realidade aumentada, presente actualmente em várias aplicações para telemóveis com sistemas operativos como o iOS da Apple, o Android da Google ou os OS6 e OS7 dos Blackberry.
As notícias que têm sido avançadas sobre este projecto, que está a ser desenvolvido no laboratório secreto da empresa, conhecido como Google X, fazem também referência a alegadas preocupações dos seus responsáveis com questões de segurança e privacidade – por um lado, por causa da utilização de uma câmara de filmar e de fotografar, que pode captar imagens sem que as pessoas se apercebam; por outro lado, por causa das tecnologias de localização, essenciais para que os óculos reconheçam os locais e as actividades nas proximidades do utilizador. Neste último ponto, no entanto, as preocupações dos utilizadores não serão muito diferentes das que já têm quando permitem que os seus telemóveis identifiquem a sua localização geográfica quando partilham uma fotografia com os seus amigos no Facebook ou com os seus seguidores no Twitter, por exemplo.
A juntar a estas informações, na semana passada o jornal The San Jose Mercury News noticiou que a Google está a desenvolver “projectos secretos” que envolvem “tecnologia de precisão óptica”.”

Leiam o artigo completo, no Público.
Leiam mais, aqui, aqui, aqui, e aqui.

13 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Dinis Ribeiro on 05/03/2012 at 09:29
    • Responder

    Partilho algmas das preocupações do Jonas com o potencial risco de se usar o avanço tecnológico para fins “autoritários”, como no “Big Brother”…

    Um anúncio “clássico”: http://www.youtube.com/watch?v=OYecfV3ubP8

    (Re)ver: http://en.wikipedia.org/wiki/Nineteen_Eighty-Four & http://pt.wikipedia.org/wiki/Nineteen_Eighty-Four

    Referências curiosas: http://en.wikipedia.org/wiki/1984_(advertisement)

    Um pequeno (potencial?) problema técnico: http://en.wikipedia.org/wiki/Thought_Police

    Para meditar – Velocidade de arranque dum computador em 1984 e em 2007: http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=tmRJ649ICPU&feature=endscreen

    Um exemplo desta problemática:

    New speech-jamming gun hints at dystopian Big Brother future
    http://www.extremetech.com/computing/120583-new-speech-jamming-gun-hints-at-dystopian-big-brother-future

    Japanese researchers have created a hand-held gun (pictured above) that can jam the words of speakers who are more than 30 meters (100ft) away.

    The gun has two purposes, according to the researchers: At its most basic, this gun could be used in libraries and other quiet spaces to stop people from speaking — but its second application is a lot more chilling.

    The researchers were looking for a way to stop “louder, stronger” voices from saying more than their fair share in conversation.

    The paper reads: “We have to establish and obey rules for proper turn-taking when speaking. However, some people tend to lengthen their turns or deliberately interrupt other people when it is their turn in order to establish their presence rather than achieve more fruitful discussions. Furthermore, some people tend to jeer at speakers to invalidate their speech.”

    In other words, this speech-jamming gun was built to enforce “proper” conversations.

    The gun works by listening in with a directional microphone, and then, after a short delay of around 0.2 seconds, playing it back with a directional speaker. This triggers an effect that psychologists call Delayed Auditory Feedback (DAF), which has long been known to interrupt your speech (you might’ve experienced the same effect if you’ve ever heard your own voice echoing through Skype or another voice comms program). According to the researchers, DAF doesn’t cause physical discomfort, but the fact that you’re unable to talk is obviously quite stressful.

    Suffice it to say, if you’re a firm believer in free speech, you should now be experiencing a deafening cacophony of alarm bells.

    Let me illustrate a few examples of how this speech-jamming gun could be used.

    At a political rally, an audience member could completely lock down Santorum, Romney, Paul, or Obama from speaking.

    On the flip side, a totalitarian state could point the speech jammers at the audience to shut them up.

    Likewise, when a celebrity or public figure appears on a live TV show, his contract could read “the audience must be silenced with speech jammers.”

    Then there’s Harrison Bergeron, one of my favorite short stories by Kurt Vonnegut. In the story’s dystopian universe, everyone wears “handicaps” to ensure perfect social equality. Strong people must lug around heavy weights, beautiful people must wear masks, and intelligent people must wear headphones that play a huge blast of sound every few seconds, interrupting your thoughts. The more intelligent you are, the more regular the blasts.

    Back here in our universe, it’s not hard to imagine a future where we are outfitted with a variety of implanted electronics or full-blown bionic organs.

    Just last week we wrote about Google’s upcoming augmented-reality glasses, which will obviously have built-in earbuds. Late last year we covered bionic eyes that can communicate directly with the brain, and bionic ears and noses can’t be far off.

    In short, imagine if a runaway mega-corporation or government gains control of these earbuds.

    Not only could the intelligence-destroying blasts from Harrison Bergeron come to pass, but with Delayed Auditory Feedback it would be possible to render the entire population mute.

    Well, actually, that’s a lie: Apparently DAF doesn’t work with utterances like “ahhh!” or “boooo!” or other non-wordy constructs. So, basically, we’d all be reduced to communicating with grunts and gestures.

    Resumindo: A maneira como muitos “pseudos” e “autoritários” tendem a usar a internet não me deixa nada tranquilo…

    Por último…

    Estive também a dar uma vista de olhos na wikipedia á informação que está on-line sobre essa história de ficção científica (que ainda não li) referida no artigo, o tal Harrison Bergeron ( http://en.wikipedia.org/wiki/Harrison_Bergeron )

    Tudo isto me lembra um pouco um filme que vi recentemente na TV cabo ( http://en.wikipedia.org/wiki/Steal_This_Movie! ) sobre a vida de Abbie Hoffman http://en.wikipedia.org/wiki/Abbie_Hoffman e que aborda (entre outras coisas) a existência agora muito bem documentada de certos “excessos de zelo”: http://en.wikipedia.org/wiki/COINTELPRO

    Em 1987 no âmbito de uma “cadeira” de ciência política, assiti a uma pequena palestra que o Abbie Hoffman deu sobre o seu passado na Texas Union ( http://en.wikipedia.org/wiki/Union_Building_(University_of_Texas_at_Austin) ) e na sessão de perguntas e respostas ainda lhe consegui perguntar sobre o que pensava sobre a exploração espacial, e ele primeiro deu-me uma resposta muito geral e evasiva (tipo chapa 7), e depois de eu insistir apenas acabou por comentar que não estava contra “desde que fosse mesmo para o benefício de toda, (mesmo toda) a humanidade…”

  1. Opa, mais uma idea….

    Às vezes tenho uma sugestão de assunto ou quero passar um link de um assunto de ciência interessante diretamente para o público leitor do blog e hoje não tem como, a não ser comentando aleatoriamente num post que dificilmente não é do mesmo assunto, logo, a coisa não acontece.

    Então pensei num bloco que permitisse um chat entre os participantes, o texto inserido é curto e se pode passar links e sugestões.

    Eu acesso um site que usa este, me parece bem simples e prático:

    http://www.k-director.com/blog/get-a-chatbox-for-your-blogwebsite-cbox/

  2. E pronto. Do lado direito do site, logo a seguir à fase da Lua, está a informação dos últimos 5 comentários deixados. Tem a informação do autor do comentário e do post. Enjoy! 😀

    1. Nice 🙂

    2. Muito bom o bloco novo! 🙂

      Nuno, era mais com relação aos comentários mesmo, o RSS é perfieto para os posts, mas estava a faltar especificamente o acompanhamento dos comentários mais recentes, independente de termos comentado ou não.

      Quanto a notificação dos comentários por email, uma dúvida, ele funciona caso alguém responder especificamente ao nosso comentário ou qualquer novo comentário no post? Só para entender como é essa operacionalidade, pois eu mesmo ás vezes respondo com um comentário não vinculado diretamente ao “responder” do “comentário mae”.

      Mais uma questão para futuro, não há como deixar um pouco maior o número dos comentários mais recentes no bloco? Cinco ainda nos aponta para o curtíssimo prazo. Claro que com 10 ficaria um bloco muito grande, aí se precisaria mexer no tamanho da fonte, diminui-la, para o bloco não ocupar tanta área visual, e aí não sei o tamanho dessa complicação técnica para ajustar. Fica como ideia para avaliação.

      Obrigado mais uma vez pela atenção de vocês! Esse blog tava bom e tá ficando melhor ainda…. .rsss…

  3. Carlos, nunca pensei que usaria, a essa altura do campeonato, dedos e mais dedos no uso de um computador. A experiencia de navegar, folhear jornais e revistas digitais quase da mesma forma que o “analogico”, etc, num tablet, é cativante, a interacao é diferente e praticamente so uso agora o micro para emails e muita escrita. Penso que o caminho que vai essas coisas às vezes nao segue o previsto.

    1. Pois… nisso tem razão…

      Mas eu penso que mais 100 anos, e tudo será feito pelo cérebro directamente 😉

      Posso estar errado, claro.
      E tem razão que o imprevisto é muito “normal”. Veja-se o caso da internet 😉

        • Jonas on 29/02/2012 at 05:25

        É mesmo, Carlos! O mais preocupante é saber que já se pode ler pensamentos. Se por um lado muitos benefícios, por outro preocupações com o “Grande Irmão”. Estamos sempre entre a cruz e a espada quando se fala em avanços dessa ordem.

        Quero aproveitar para mais uma sugestão, dessa vez de oportunizar uma continuidade ou acompanhamento mais eficiente na interação dos comentários que se faz.

        Para quem comenta, e às vezes se comenta em vários posts, tem sido complicado de acompanhá-los pois vocês estão gerando informação nova muito rápido (não deixa de ser uma boa notícia), mas então posts de apenas dois ou três dias, ou de uma semana atrás, tem sido difícil de saber se alguém continuou comentando, ou esclareceu ou chamou alguém para um complemento da opinião. os posts “olders” vão se afastando rápido dos nossos olhos.

        Não é uma questão de apego, é uma questão de oportunizar-se ir mais adiante num assunto que pode ser interessante, mas olhamos o barco desaparecer na curva do rio e somos praticamente obrigados a esquecer dele, quando um assunto poderia render semanas. Sim, se fica nos favoritos se acompanha, mas os outros vão nos responder se eles já esqueceram do barco?

        Não sei o que poderia sugerir tecnicamente que fosse eficiente, já que um blog tem essa característica natural de ser uma dinâmica de interação curta e rápida. O que pensei que poderia ajudar seria colocar um bloco na coluna à direita mostrando uma linha resumo dos últimos 10 comentários, assim se um assunto rende ele sempre aparecerá na lista com um comentário de alguém, mesmo que o post já tenha dois meses, então se clica naquele comentário e se cai no post diretamente, independente da data. Muitos blogs tem esse bloco ativado.

        Realmente não sei se teria algo melhor a fazer, o que pensei foi isso.

      1. Excelente ideia 🙂

      2. Olá Jonas. Se bem entendi a questão, a ideia é não “perder de vista” os posts que onde se comenta e saber quando os mesmos têm comentários novos. Isso, à data de hoje, já é possível de duas formas:

        1. Usando o feed RSS de comentários (o link “mora” no topo do lado direito);
        2. Usando a funcionalidade de notificação de comentários por email (disponivel por baixo do botão de enviar comentários);

        Quanto à sugestão propriamente dita. É bem-vinda e é algo que eu próprio já me lembrei. Tem sido deixada em “banho-maria” devido a outros pormenores que tenho andado a ver e honestamente, às vezes, porque não me lembro. 😛

        É questão de aguardar e poderão haver surpresas. 😉

  4. Penso que esta notícia vai no seguimento do que tenho dito: dentro de alguns anos não precisaremos de mãos para nada.
    Quem forem os pioneiros disso, ficarão para sempre na história… quer da tecnologia quer financeira 😉

    Tomara eu saber o bastante para criar estas coisas 😛

  5. Uma coisa que questiono, às vezes, como nesse caso, é o caminho que as coisas tomam.

    No grande universo do conhecimento científico que já temos, propício a ser alavanca de invenções e inovações em muitos caminhos diferentes, inclusive mais necessários e interessantes que esses óculos, por que a Google, que a princípio não tem nada a ver com esse pastel, decidiu criar um óculos desse tipo? Há um motivo racional?

    Ok, claro que não estão pensando em ter prejuízo, mas fico pensando o que passou realmente na cabeça dos que decidiram ir por esse caminho, porque o escolheram.

    • Ricardo Andre on 26/02/2012 at 05:41
    • Responder

    A Google inspirou-se nos Guerreiros do Espaço do Dragonball Z! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.