29 de Fevereiro

E pronto, de quando em vez temos um dia no calendário chamado 29 de Fevereiro.
Acontece nos anos bissextos.

“O calendário que usamos (gregoriano), de 365 dias de 24 horas, tem uma pequena diferença em relação ao tempo que a Terra leva para contornar o sol. O ciclo solar, ou ano trópico, é definido como o intervalo entre o início de duas primaveras consecutivas no hemisfério Norte – indicando um ciclo completo da Terra em torno do sol. Esse período é de 365 dias e aproximadamente 6 horas (na verdade, são 5 horas, 48 minutos, 45 segundos e 216 milésimos de segundo).

A cada 4 anos, a diferença de horas entre o ano solar e o do calendário convencional completa cerca de 24 horas (mais exatamente: 23 horas, 15 minutos e 864 milésimos de segundo). Para compensar essa diferença e evitar um descompasso em relação às estações do ano, insere-se um dia extra na folhinha e fevereiro fica com 29 dias. Essa correção é especialmente importante para atividades atreladas às estações, como a agricultura e até mesmo as festas religiosas.

A descoberta da necessidade dos anos bissextos aconteceu há muito tempo. “Há notícias de dias acrescentados no calendário com esse objetivo desde 324 a.C.”, conta Roberto Boczko, professor de astronomia do Instituto de Astronomia e Geologia (IAG) da Universidade de São Paulo (USP).

Os homens inventaram os primeiros calendários para conseguir se planejar em relação às estações, por causa da agricultura (a maioria das plantas completa seu ciclo nesse período) e das dificuldades climáticas (como invernos rigorosos). Apesar das inúmeras tentativas, descobriu-se que é muito difícil estabelecer um calendário que tenha total harmonia com o ciclo solar.

As diversas tentativas de equiparar os calendários ao ano trópico eram desordenadas e faziam com que alguns anos fosse muito maiores que outros. Em 46 a.C., havia uma defasagem de 90 dias entre o calendário da época e o início da primavera. Naquele ano, as festas romanas em comemoração à estação mais florida do ano, marcadas para março (que era o primeiro mês do ano), caíram em pleno inverno.

O então imperador romano Júlio César resolveu acertar o relógio. Para resolver os atrasos anteriores, ele esticou aquele ano para 445 dias. A partir dali, instituiu a regra de intercalar, periodicamente, um ano com 1 dia a mais, por sugestão do astrônomo Sofígenes. Ficou combinado que, depois de 3 anos de 365 dias, viria um de 366 dias.

Mas, por confusão ou dificuldade, a regra foi cumprida de maneira diferente: os anos bissextos aconteciam depois de dois anos comuns (um ciclo de apenas 3 anos, e não 4, como quis Júlio César). O erro foi percebido em 10 a.C. e, para compensar, os anos bissextos foram suspensos até 8 d.C. A partir daí, o imperador César Augusto fez com que a regra de Júlio César fosse seguida sistematicamente: três anos comuns, um ano bissexto. Durante séculos a solução juliana resolveu o problema. Mas, no longo prazo, ela mostrou que não era suficiente para garantir a sincronia entre ano solar e calendário e demandou uma nova mudança.

Em 325 d.C., a Igreja Católica decidiu que o início da primavera deveria cair no dia 21 de março, para que combinasse com suas comemorações religiosas. Em 1582, esse dia caiu 10 dias depois do início da estação. O papa Gregório 13 resolveu a questão fazendo com que, em outubro, a contagem de dias pulasse 10 dias. As pessoas foram dormir na quinta-feira dia 4 e acordaram na sexta-feira no dia 15. Além desse acerto forçado (que fez com que a primavera começasse no dia 21 de março do ano seguinte, como a Igreja queria), Gregório 13 propôs um cálculo mais complexo, porém, mais certeiro para os anos bissextos.

Aceitando a sugestão do matemático Cristhovan Clavius, Gregório 13 decidiu que o cálculo passaria a ser o seguinte: continua a valer a regra de um bissexto a cada quatro anos, exceto para os anos que terminam em zero duplo (00). Estes só seriam bissextos uma vez a cada 400 anos. (…)”.

Leiam toda a explicação, no website “How Stuff Works”, com tradução em português do Brasil, aqui.

5 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Isso quer dizer que o dia 5 de Outubro de 1582 nunca existiu, nem os dias 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13 e 14.

    Lembro-me de ter lido uma história sobre pessoas que, nessa altura, tinham contratos de crédito (empréstimos) que se venciam numa dessas datas que foram “puladas”.
    Por ex: o contrato dizia o seguinte: “no dia 10 de Outubro de 1582, o devedor deverá pagar ao credor o montante do empréstimo acrescido do juro tal e tal”.

    Alguns devedores invocaram o facto do dia contratualizado não existir para o contrato ficar resolvido automaticamente… Ou então podiam dizer ao credor “ainda estou à espera do dia 10 de Outubro de 1582 para te pagar, só que o maldito dia teima em nunca chegar…”

    • Paulo Palma Ramos on 01/03/2012 at 15:52
    • Responder

    Isso quer dizer que o dia 5 de Outubro de 1582 nunca existiu, nem os dias 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13 e 14.

    Lembro-me de ter lido uma história sobre pessoas que, nessa altura, tinham contratos de crédito (empréstimos) que se venciam numa dessas datas que foram “puladas”.
    Por ex: o contrato dizia o seguinte: “no dia 10 de Outubro de 1582, o devedor deverá pagar ao credor o montante do empréstimo acrescido do juro tal e tal”.

    Alguns devedores invocaram a questão do dia não existir para o contrato ficar resolvido automaticamente… Podiam dizer ao credor “ainda estou à espera do dia 10 de Outubro de 1582 para te pagar, só que o maldito dia teima em nunca chegar…”

    1. LOLLLL não sabia 🙂

      É uma boa ideia pôr o pagamento de uma dívida para dia 29 de Fevereiro 😛 e melhor ainda, 30 de Fevereiro 🙂 ehehehe 🙂

  2. Muito legal o artigo, Carlos. 😀

    Cá agora, como fica as pessoas que nasceram nesse dia? 😉

    Abraços.

  1. […] o texto completo no website How Stuff Works, aqui. “O início da Primavera (a norte) define-se pelo instante […]

  2. […] Datas: Dia da Toalha. Blog. Lista. Einstein – Pi – Schiaparelli. Dias da Semana. 29 de Fevereiro. Previsões. Idade noutro […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.