Planetas rochosos à volta de anãs vermelhas são muito comuns

O Astrónomo do CAUP Nuno Santos pertence à equipa que descobriu que super terras a orbitarem anãs vermelhas, o tipo de estrelas que compõem 80% da nossa galáxia, devem ser muito frequentes.

Uma equipa internacional de astrónomos, da qual faz parte Nuno Cardoso Santos (Centro de Astrofísica e Faculdade de Ciências, Universidade do Porto), fez a primeira estimativa do número de planetas rochosos que orbitam anãs vermelhas.

Segundo o primeiro autor deste artigo, Xavier Bonfils (IPAG/Observatório de Genebra), “As novas observações que fizemos com o HARPS indicam que 40% de todas as anãs vermelhas terão super-terras a orbitá-las na sua zona de habitabilidade. Como as anãs vermelhas são muito comuns — há cerca de 160 mil milhões delas na Via Láctea — isto dá-nos o surpreendente resultado que há dezenas de milhares de milhões destes planetas, só na nossa galáxia.”

A equipa usou o espectrógrafo HARPS (ESO) para observar uma amostra de 102 anãs vermelhas, durante um período de 6 anos. Nesta amostra foram detetadas nove super terras, incluindo duas na zona de habitabilidade (Gliese 581d e Gliese 667Cc).

Ao combinar todos os dados, incluindo as estrelas que não apresentam planetas, a equipa conseguiu determinar que a frequência de super terras a orbitar dentro da zona de habitabilidade é de 41%. Considerando apenas as anãs vermelhas na vizinhança do Sol, o número de super terras num raio de 30 anos-luz do Sistema Solar deverá rondar os 100.

Um destes planetas é o Gliese 667Cc, o segundo planeta descoberto neste sistema triplo. Apesar de ser 4 vezes mais massivo que a Terra, é o planeta mais parecido com a Terra até hoje descoberto. Situando-se mesmo no centro da zona de habitabilidade, este planeta rochoso quase de certeza que terá as condições necessárias para a existência de água líquida na sua superfície.

A deteção de planetas semelhantes à Terra a orbitar outras estrelas semelhantes ao Sol é justamente um dos objetivos mais importantes do projeto ESPRESSO. “Os resultados agora publicados sugerem que o ESPRESSO terá muitos planetas para descobrir”, comenta Nuno Cardoso Santos.

O mesmo estudo concluiu ainda que planetas maiores, do tamanho de Saturno ou Júpiter, são bastante raros em anãs vermelhas, com frequências a rondar apenas os 12%.

Mais informações:
Astronotícia do CAUP
Comunicado de imprensa ESO
Artigo Científico (Bonfils et al.)

6 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Renato Romão on 29/03/2012 at 22:24
    • Responder

    Magnifica visão artistica.

    Bem… pelos menos… deverão conter muitas bactérias. 😉 🙂

    Abraços

    1. Ou até mesmo vida pluricelular! Magnifico.

  1. Excelente notícia!!! 🙂

    Também estive a ler no Público 😉
    http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/as-superterras-sao-muito-comuns-em-zonas-propicias-a-vida–1539691?all=1

  2. Excelente notícia e artigo. Temos assim muitos mundos interessantes para explorar mesmo na vizinhança do Sol.

    Já agora 2 pequenas gralhas que encontrei que corrigidas tornam o artigo perfeito 😉

    do qual faz parte -> da qual faz parte

    orbita-las -> orbitá-las

    a equipa consegui -> a equipa conseguiu

    em alguns sítios escreve “super terra” e noutros “super-terra”

    Parabéns ao Nuno e ao CAUP !

    1. Fiz as correcções ;). Obrigado 🙂

  3. Já agora, excelente artigo com uma belíssima concepção artística de Gliese!!!

    Apenas um questionamento: têm-se dados preliminares da porcentagem de anãs vermelhas constituídas de sistemas binários ou triplos? (acredito que sistemas quádruplos sejam raros)

  1. […] WASP. HATnet. QES. TRAPPIST. Projectos. Hot Jupiters. Terrestres. Super-Terras com vida e frequentes. Estranhos. Mais frio. Múltiplos. Órfãos. Matéria Negra. Atmosferas. Formação. Detecção. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.