Ratos no espaço

Um grupo de ratos voltou à Terra após a mais longa missão envolvendo animais no espaço.
Os ratitos estiveram 91 dias na Estação Espacial Internacional, para se estudar a diminuição da estrutura óssea em micro-gravidade.

Os astronautas perdem muita estrutura óssea nas viagens ao espaço. Perdem cerca de 25%.
Na Terra, os ossos são empurrados pelos músculos contra a força da gravidade. Essa força mecânica preserva a massa óssea. Em micro-gravidade, essa força é muito mais fraca, levando à degeneração da massa óssea.
Para lutar contra isso, os astronautas fazem muito exercício na Estação Espacial, e tomam suplementos de cálcio. Mas mesmo assim não é suficiente.
Esta experiência com 6 ratitos, permitiu testar uma nova terapia para regeneração de ossos no espaço. 3 ratos foram geneticamente modificados para aumentar o factor de crescimento pleiotrophin (PTN), uma proteína envolvida no desenvolvimento do osso. Os ratos com extra PTN perderam 3% de massa óssea, contra os 41,5% de redução nos ossos dos outros ratos.
Esta terapia poderá ter aplicações tanto para astronautas em futuras viagens espaciais, como para casos de osteoporose ou fragilidade dos ossos na Terra.

Leiam aqui, aqui, e aqui.

3 comentários

  1. O penúltimo parágrafo deveria ficar memorizado na mente dos pseudos:

    “Esta terapia poderá ter aplicações tanto para astronautas em futuras viagens espaciais, como para casos de osteoporose ou fragilidade dos ossos na Terra.”

    Já agora, até que os ratinhos são bonitinhos.

    😀

    E por favor, Carlos, não me leve a mal.

    😛

    Abraços.

    1. Levar a mal porquê, Cavalcanti? 🙂

      1. Então…. que bom!

        😀

        Abraços.

Responder a Carlos Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.