Diz que disse

O último artigo do Dário sobre a ignorância e a falta de imaginação dos relatos de abdução, levou-me a pensar neste artigo.
O caso era muito simples: as testemunhas viram a reentrada na atmosfera da parte intermédia do foguetão que colocou em órbita o satélite Cosmos 2335. “the observed phenomena were due to the re-entry of the 2nd stage of the rocket that placed Cosmos 2335 into orbit earlier the same day”.

No entanto, as pessoas vêem uma coisa, e imaginam que estão a ver coisas completamente diferentes.
Vejam a diferença entre os relatórios das testemunhas e a realidade:

Relatório: uma longa linha de luzes que se comportavam como se fossem um só objecto.
Realidade: o foguetão desintegrou-se em várias peças que não estavam mais ligadas entre si.

Relatório: enquanto caminhava, a sua lanterna apontou para o OVNI, que reagiu automaticamente acelerando para o observador.
Realidade: os pedaços do foguetão não reagiram coisíssima nenhuma – foi pura imaginação do observador. Pode é ter havido um simples reflexo de luz, como os iridium flares nos satélites em órbita.

Relatório: o OVNI estava a uma distância de 300 metros.
Realidade: a reentrada do foguetão deu-se a 200 kms de distância.

Relatório: o OVNI parou no ar, começando a estudar quem o estava a ver.
Realidade: o foguetão não parou no ar.

Relatório: as luzes do carro apagaram-se e o rádio desligou-se.
Realidade: tudo isto foi imaginação do observador, fruto de ver muita televisão.

Isto é bastante similar à experiência que a SIC fez em Monsanto, em que devido a colocarem uma luz branca virada para o céu, as pessoas começaram a imaginar OVNIs de várias cores, barulhos estranhos, OVNIs a pousar no solo, etc.
Isto acontece constantemente, em praticamente todos os casos. As pessoas são péssimas observadoras. No meu curso de astrobiologia, faço até experiências práticas com os meus alunos para provar isso. Daí que relatos pessoais nada valem para a verdade objectiva, seja quem for a pessoa que os faz.

Tudo o que eu disse em cima, nada disto é novidade.
Logo, surpreende-me bastante o péssimo jornalismo que vi neste artigo da revista Sábado.
O título é: “Eles foram raptados por extraterrestres”. Deveria ser: “Eles afirmam que foram raptados por extraterrestres”. É uma distinção aparentemente pequena, mas é a diferença entre divulgar-se a verdade ou mentiras.
Outra frase: “Os seus relatos são acompanhados de desenhos, feitos pelos próprios, que demonstram o que realmente aconteceu e quem eram esses seres”. Isto é mais uma mentira. Não é por eu fazer um desenho de um unicórnio voador, que demonstro que ele existe!
Os relatos são de uma falta de imaginação incrível! Disparates divulgados em websites e livros pseudos, são aquilo que eles “descrevem”. Qualquer pessoa percebe que os relatos são fruto somente da cultura em que estão inseridos, e nada têm a ver com extraterrestres.
Vejam este relato: “Foi há três anos. Ele [o extraterrestre] acordou-me a meio da noite enquanto eu estava a meditar”. Chama-se a isso dormir e sonhar com coisas. Lembrou-me outro caso, no Alentejo, que passou no programa Encontros Imediatos em que um rapaz vai a andar por um caminho de terra, olha para o céu e vê uma nuvem com uma forma estranha (quem nunca viu?). Era meia-noite, e daí que se sentiu sonolento e adormeceu. Depois acordou e viu que perdeu horas! A conclusão dele é que foi raptado por extraterrestres! Obviamente que não sabe o que é dormir…
Outro relato diz: “quando já estava na cama senti uma sensação estranha na minha “zona sexual”. E de repente uns dedos magros começaram a desenhar círculos nos meus ovários”. Se esta mulher tivesse lido o Mundo Infestado de Demónios, de Carl Sagan, percebia o que lhe tinha acontecido, e perceberia as comparações com demónios, bruxas, incubus, e paralisia do sono. Mas estas pessoas não querem esse conhecimento. E os jornalistas que escrevem estes artigos também não o querem. Só querem vender mistério sem nexo, porque sabem que a iliteracia das pessoas é boa para o negócio.

Enfim…

3 comentários

1 ping

  1. O melhor vídeo que já vi na net sobre este assunto é de Neil deGrasse Tyson. Está na língua original (Inglês) o que será uma pena para quem não compreender. Mas penso que para a maioria será acessível. Recomendo vivamente a visualização deste vídeo bem humorado:
    http://www.youtube.com/watch?v=NSJElZwEI8o

    1. Excelente!!! 😀

      Vou colocar no blog 😉

  2. O artigo da Sábado é absurdo…para não dizer outra coisa.

    O jornalista que escreveu esta frase…enfim. Sem palavras.
    “Os seus relatos são acompanhados de desenhos, feitos pelos próprios, que demonstram o que realmente aconteceu e quem eram esses seres”
    Como tu dizes, alguém deveria mostrar-lhe um dicionário para que aprenda o que significa a palavra “demonstrar”.

    Quanto aos “testemunhos”, sao hilariantes…mas ao mesmo tempo tenho pena dessas pessoas. Precisam de tratamento psicológico sério!

    Esta do “Foi há três anos. Ele [o extraterrestre] acordou-me a meio da noite enquanto eu estava a meditar” faz lembrar a do outro, o concorrente do Curral dos Degredos (TM) que dizia que morreu e ressuscitou várias vezes enquanto dormia…
    Pssst, rapazes, já ouviram falar em sonhos?

  1. […] (tecnologias, propósito, estudos). Profeta de Arganil. Brasileiro. Crenças. Psicologia. Diz que Disse. Crop Circles (falsidade, significado, irracionalidade). Peixe-balão. Desenho Misterioso […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.