Médico quebra mitos sobre a saúde

Existem milhares de artigos pela internet e até livros, sobre os mitos da saúde.
O Jornal de Notícias publicou um artigo sobre este tema, com uma entrevista ao médico Vaz Carneiro, que faz parte do Programa Harvard Medical School-Portugal. Leiam todo o artigo, aqui.
(incrível os comentários ignorantes de quem tem a arrogância de pensar que opiniões e vigarices que existem na internet são superiores ao conhecimento dos médicos)

“Laranja é boa a qualquer hora do dia, café previne demências e doenças do fígado e é inútil beber dois litros de água por dia. Apenas algumas das falsas crenças sobre o que faz bem e faz mal arrasadas pela investigação científica. Saiba mais. (…) Exercício sem dieta não emagrece. (…) Tomar banho após refeição não provoca afogamento. (…) Beber dois litros de água por dia é inútil. (…) Café previne diabetes, demências e doenças do fígado. (…) Grávidas devem vacinar-se contra a gripe. (…) Suplementos vitamínicos anti-oxidantes não evitam cancro (…).”

Um dos mitos que é referido, e que está ligado a este blog, é que só “usamos 10% das nossas funções cerebrais”. Isto é mentira. “Se efetivamente só usássemos 10% do nosso encéfalo, o que estariam os outros 90% a fazer? As funções cerebrais são atividades complexas que implicam várias áreas e diversas estruturas. A memória, por exemplo, não reside num determinado ponto. As mais modernas técnicas de imagiologia demonstram que todo o cérebro está permanentemente em atividade, embora certas áreas possam estar mais ativadas em função da atividade que está a ser processada.”
Este mito é atribuído a uma frase de Einstein, mas é totalmente mentira. Este é um puro mito, totalmente mentiroso. Nem sequer Einstein disse isso: Einstein usou isso para falar metaforicamente, sem validade! (“Einstein seems to be speaking metaphorically here, not endorsing the myth“) O mito já vem de muito antes de Einstein, sempre foi mentira, e continuou sendo mentira apesar de aparecer em anúncios televisivos posteriores. E quiçá foi falsamente atribuído a Einstein porque para preservarem o cérebro de Einstein, após ter morrido, os cientistas meteram-lhe 10% de formaldeído.
Mas a verdade é só uma: este é um mito que não faz qualquer sentido. Mas é indecentemente aproveitado pelos pseudos para vigarizarem as pessoas numa técnica qualquer de “aumentar o poder mental”, normalmente para “outras dimensões”.

8 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Só utilizam 10 por cento do cérebro porque os outros 90 estão a pensar no futebol!
    Eu também sou assim quando joga o Glorioso, os dez por cento que sobram é para abrir a carica do refrigerante 😛

    1. Me too!!! 😀

  2. Ó Carlos, desculpa-me, mas está mais do que provado de que alguns seres que se auto-intitulam humanos só utilizam mesmo 10% do cérebro… 😉

    1. LOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

      pois, se calhar até menos… vê-se realmente alguns sites, que os autores pseudos devem ter deitado a totalidade do cérebro pela borda fora… 😛

  3. Esse mito do cérebro é também muito explorado pela igreja da cientologia e as tretas da dienética…

    Foi um dos mitos abordados no evento “How the brain got it’s wrinkles” da Fundação Champalimaud, organizado pelo seu grupo de investigação em neurociências. Muito recomendável!
    Já agora, eles vão organizar outro desses eventos este mês: chama-se Human 2.0 e é sobre inteligência artificial.
    🙂

    Que fique claro: é mesmo um mito!
    Tal como o mito de que perdemos capacidade de aprendizagem ao longo da vida…
    E muitos outros!

    1. Isso dizes tu… que estás a utilizar 10% do cérebro 😛 LOL 😛

  4. Olá Carlos!

    Não sei se já ouviste aquela, de que se conseguíssemos utilizar 90% da nossa capacidade cerebral então conseguiríamos voar? Lol!

    Abraço!

    1. LOLLLL 😀

  1. […] um conceito tão estúpido que dá até preguiça de tentar […]

  2. […] – Medicina (tag): Mitos. Morgellons. Origem e Evolução dos Vírus. Gripe (prova da Evolução). Cromossomas XY. Vacinas. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.