CONTRA-CAPA: Fotoaura – Kirlian e os Objectos Furiosos

Mistérios Antigos é um blog que tem informação interessante para um estudo superficial sobre como não divulgar informação. Vamos ler: “Em 1960, na União Soviética, na cidade de Alma Alta os pesquisadores soviéticos Simon Davitovitch Kirllian e sua esposa Valentina Kirllian divulgaram ao mundo uma máquina fotográfica que revelava a existência da aura”. Em primeiro lugar não foi em 1960 mas sim em 1939. Mais à frente afirma que “cientistas visitaram o local e assistiram ao fenômeno e viram o que estava sendo realizado através daquela máquina”. Até aqui concordo pois os cientistas são, por definição, curiosos. É isso que move a ciência, o procurar a explicação e não o procurar o negócio.

Houve muita divergência, como era de se esperar. Mas mesmo assim a máquina Kirllian sobreviveu e “se auto-afirmou como um instrumento alternativo de pesquisa da vida de uma forma geral. Hoje parapsicólogos e tantos outros profissionais psicoterapeutas utilizam de diagnósticos através da foto da aura.”. Acredito que toda a para(pseudo)-ciência aceite pseudo-instrumentação e pseudo-teorias.

“Muitos cientistas e profissionais passaram a investir no diagnóstico da foto”. Nesta frase falta claramente um pseudo como prefixo da palavra cientistas. Um cientista não adopta um método que não tem qualquer sustentação científica.

Para que serve a máquina Kirllian? Serve, acima de tudo, para verificar o efeito Kirllian. Mas o que se vê no efeito Kirllian? Este efeito serve para “visualizar o campo energético das pessoas, verificar o estado de saúde físico e emocional, além de tantos outros diagnósticos”. A máquina tira a foto da aura e o efeito é a imagem da aura, que pode ter quatro colorações: vermelho, azul, amarelo e verde. A aura varia de intensidade e de cores conforme os estados psicológicos, orgânicos, emocionais e espirituais das pessoas.

A máquina fotografa a “suposta existência de um “corpo” energético. Este corpo sutil seria, então, o portador da energia vital – o prana dos hindus, o ki dos chineses, a bioenergia dos parapsicólogos – e, de certo modo, corresponderia ao perispírito do espiritismo kardecista e ao corpo astral da teosofia.” (wikipedia) Contudo, podemos reparar que os objectos podem ter alma. Reparem nesta foto tirada a uma ruim chave inglesa com a aura lilás.

O efeito não é devido a nada em especial. “halos são gerados pela umidade que ocorre naturalmente em todos os seres vivos, que se tornam ionizada devido aos campos elétricos de alta-tensão e alta-freqüência utilizados nessa técnica e captados pela emulsão fotográfica.”.

Quanto às aplicações podem ser duas: A primeira é que devido à falta de “evidências conclusivas e falta do reconhecimento pela comunidade científica internacional sobre a validade do seu uso na prática médica, a técnica da bioeletrografia é potencialmente útil para outras situações, como a análise da condutividade e disposição de superfície de condutividade.” A segunda aplicação é obviamente ver as auras das pessoas, dos animais de estimação e dos objectos queridos pessoais e fazer negócio. “O seu querido martelo está triste, necessita de 150g de pó santo. Espalhe por cima do martelo. Ora são 10€.”. Ou então “ o seu papagaio está triste e não vai para o céu dos papagaios. Precisa de um óleo de folhas de oliveira santificada pelo arcanjo Miguel na terça-feita às 15:43. Como este óleo é raro e especial tem um custo só de 35€!”. Eu, prefiro que o meu lápis morra sem eu lhe ligar. Tenho muitas canetas e são baratas.

Uma curiosidade: o site inicial não apresenta qualquer bibliografia, o que é trágico para quem quer ver aceite a sua ideia no mundo da ciência. Mesmo assim eu fui procurar por bibliografia oficial sobre o assunto. Encontrei, no NCBI, 2 entradas, numa a conclusão é a seguinte: “The mathematical objectivation of the Kirlian photographs confirm the visual impression of strong similarity. Because of the lack of anatomical irregularities and since, due to new positioning, physical and chemical surface characteristics were changed in the single Kirlian photographs, the identification of the basic pattern stresses the existence of an individual discharge pattern and thus of an individual electromagnetic field.”

5 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Obrigado José e Carlos!

  2. É isso mesmo Manel. Como já referi num recente post (http://www.astropt.org/2012/03/25/pseudo-em-duas-frentes/), usam termos cientificos para vender pseudo e, por outro lado, usam os mesmo termos mal empregues para meter medo à ciencia e vender pseudo…

    • Manel Rosa Martins on 07/05/2012 at 21:29
    • Responder

    É o mesmo que um pseudo andar a vender tratamentos da aura dos ossos quando surgiram os raios-x. para estes vigaristas é o vale tudo.

    Vendem a consciência a ganhar dinheiro com as vigarices dos bio-magnetismos pseudos mais as cereboterapias e prometem a aura da consciência quântica, para soar melhor o embuste.

    Charlatâes!

  3. Dário, excelente post.
    É caso para dizer: estudem um pouco de Física e dirão menos asneiras. 🙂

  4. Já agora, mais 2 links, cheios de referencias: 😉
    http://www.skepdic.com/kirlian.html
    http://www.csicop.org/si/show/aura_photography_a_candid_shot/

  1. […] Boriska. Braco. Numerologia. Reiki (patetice). Homeopatia (astrofotografia). Auras (Kirlian). Feng Shui. Rede Energética. Alexandra Solnado (limpeza espiritual). Depois da Vida (Anne […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.