NASA estima a existência de 4.700 asteróides potencialmente perigosos

Diagrama ilustrando toda a população de asteróides próximos da Terra estimada a partir dos novos resultados da missão NEOWISE. Estão representados a laranja os asteróides potencialmente perigosos e a verde a órbita da Terra.
Crédito: NASA/JPL-Caltech.

De acordo com resultados da missão NEOWISE publicados ontem na revista Astrophysical Journal, existem 4.700 ± 1.450 asteróides potencialmente perigosos ou PHAs (acrónimo inglês de potentially hazardous asteroids) na vizinhança da Terra. Estes valores foram obtidos pela análise dos elementos orbitais de 429 asteróides próximos da Terra e correspondem à melhor estimativa desta população realizada até hoje.
Consideram-se potencialmente perigosos os asteróides com massa suficiente para provocarem devastação na superfície terrestre a nível regional ou superior (por definição, asteróides com diâmetros superiores a 140 metros), que se aproximam da órbita da Terra a distâncias menores que 0,05 UA. Dos 8.880 asteróides próximos da Terra detectados até hoje, 1.302 respeitam esses critérios, sendo que destes 152 têm diâmetros superiores a 1 quilómetro. Esta nova estimativa permite concluir que apenas estão catalogados 20 a 30% de todos os PHAs.
Os novos resultados da NEOWISE sugerem ainda que os PHAs com baixas inclinações orbitais são mais numerosos do que se assumia anteriormente. Curiosamente, estes objectos são também mais brilhantes e mais pequenos que os seus congéneres com órbitas mais inclinadas, um claro indício de que muitos destes PHAs são fragmentos gerados por violentas colisões entre objectos da Cintura de Asteróides, que posteriormente migraram para órbitas interiores à órbita de Marte. Dado o seu alinhamento com o plano orbital da Terra, estes objectos serão certamente alvos preferenciais para futuras missões de exploração robóticas ou humanas.
Podem ler mais sobre esta notícia aqui.

9 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Com tantos asteróides aqui à volta, é preciso inventar planetas misteriosos inexistentes para hipotéticos fins-do-mundo? :p

    1. Pois… é a burrice normal dos vigaristas 😛

      1. Nem para eles próprios são bons. Com um bocadinho de estudo podiam ser menos pseudo e mais pseudo-científicos, extrapolando possibilidades reais de choques…mas não lhes quero dar ideias! :p

  2. O ano passado, esta era a notícia, baseada nos dados do WISE:
    http://www.astropt.org/2011/10/03/menos-asteroides-perigosos/
    “Ao fazer este inventário, a NASA percebeu que afinal não existem 35.000 asteróides potencialmente perigosos para nós perto da Terra, mas somente cerca de 19.500.”

    Ou seja, parece-me que algo vai mal nas contas ($$$) da NASA… 😛

  3. E já ouço os comentários dizendo que um desses vai cair aqui na Terra e matar todo mundo no final do ano…sei não viu, esse povo gosta de aterrorizar!

    • Andre Valente on 17/05/2012 at 20:24
    • Responder

    Sou um admirador da tecnologia e do conhecimento espacial, então perdoe minha ignorância nessa pergunta. Se somente 20 a 30% dos PHAs são catalogados, pode haver o risco de estarmos e rota de colisão com algum desses objetos a qualquer momento. Será que à alguma forma de detectar uma possível ameaça???

    1. O perigo está sobretudo naqueles que nem conhecemos…
      http://www.astropt.org/2011/12/28/activa/

  4. Nem são assim tantos, considerando que são POTENCIALMENTE perigosos, mas nada os confirma como tal.

  1. […] 1998 QE2 tem lua. 1998 QE2 com lua. Chariklo tem 2 aneis. P/2013 P5 tem 6 caudas. Portugal. NEOs. Milhares perigosos. Órbitas Perigosas. 26 Quedas. Animação. Documentário. Nomear. Cintura de Asteróides. Sessão […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.