Neutrinos respeitam a velocidade da luz

Os paradoxos da argumentação dos pseudos. Crédito: http://fleasnobbery.blogspot.com/

Chegou ao fim a famosa saga dos “neutrinos mais rápidos que a luz”.
Começou o ano passado (leiam aqui), sofreu um revés passado um mês (leiam aqui), recebeu novo impulso passado mais um mês (leiam aqui), e já este ano tinha sofrido um “tiro de morte” (leiam aqui).

Desta vez não há dúvidas.
As conclusões das 4 experiências (Borexino, Icarus, LVD, Opera), mostram que as medições inicialmente realizadas pela equipa da experiência Opera estavam erradas e “deveram-se mesmo à falha de um componente de sincronização no sistema de fibra óptica daquela experiência”.
Os neutrinos não viajam mais depressa do que a luz!

Resultados das 4 experiências, que indicam que os neutrinos viajam à velocidade da luz, dentro dos parâmetros de incerteza das experiências. Crédito Sergio Bertolucci

Resultados da experiência MINOS, indicando que os neutrinos viajam à velocidade da luz. Crédito: Phil Adamson

Erros encontrados: um cabo de 8.3 kms tinha sido um pouquinho esticado demais levando a um erro de 74 nanosegundos; o relógio do sistema estava atrasado 15 nanosegundos. Crédito: Marcos Dracos

Gostei do comunicado do CERN, que refere as palavras do seu director de investigação Sergio Bertolucci:
“Esta história cativou a imaginação do público e deu às pessoas a oportunidade de ver o método científico em acção. Um resultado inesperado foi escrutinado, investigado com grande rigor e resolvido em parte graças à colaboração entre experiências normalmente concorrentes. É desta maneira que a ciência avança.”

Perfeito!
Isto é a natureza da ciência, o processo da ciência, a ciência em acção (com muito conhecimento, muita matemática e muitas experiências)… e não aquilo que os pseudos imaginam que ciência é, nem aquela “imagem limpinha e perfeita” que aparece nos nossos livros…

Leiam o comunicado do CERN, e o artigo no Público.

P.S.: o mesmo comunicado de imprensa do CERN dá-nos conta que a experiência OPERA apresentou evidências da presença de um segundo tau-neutrino no feixe de muóns-neutrinos do CERN. Este é um passo importante para a compreensão da ciência das oscilações dos neutrinos. Os neutrinos oscilam entre as suas 3 gerações; a única propriedade física que distingue as gerações é a massa, têm 3 massas diferentes (as massas são medidas em unidades de energia).

2 comentários

3 pings

    • Manel Rosa Martins on 08/06/2012 at 23:48
    • Responder

    Boa noite a todos, exclente post Carlos :)) Perfeito ! :))

    O comunicado do CERN foi emitido a partir da Conferência Internacional de Física de Neutrinos e de Astrofísica que decorre neste momento em Kyoto, no Japão.

    Ao avançar com estes passos é que os leitores podem testemunhar como funciona a Ciência.

    O PS é uma tradução de minha responsabilidade da parte final desse comunicado.

    Desta forma é para contribuir para informar o melhor possível, com as fontes originais, os leitores.

    O link da Conferência, é este:
    http://neu2012.kek.jp/index.html

  1. O P.S. final, foi um complemento importante que me foi transmitido pelo nosso colaborador Manel Rosa Martins 😉

  1. […] que foi isto mesmo que aconteceu quando saiu a notícia de que se mediram neutrinos a viajar mais rápidos que a luz. Tinha sido um problema no […]

  2. […] medo, passear. Mortos-vivos. Neutrinos (mais rápidos que a luz, efeitos, não, repetição, não, processo da ciência, Minuto da Física, IceCube). High School Teachers 2012. Les Horribles Cernettes. Mundo das […]

  3. […] Recordo-me de todo o burburinho “causado” pelos neutrinos, faz algum tempo, quando o CERN divulgou um resultado preliminar dos cientistas do OPERA (Oscillation Project with Emulsion-tRackin Apparatus) que estas partículas subatômicas tinham ultrapassado a velocidade da luz durante um teste no LHC. Para relembrar acerca desse assunto, cliquem (já em ordem crescente de data para entenderem o desenrolar deste) aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.