Persigam os vossos Sonhos

Deram-me a conhecer este website que incentiva as pessoas a viverem a vida de modo a concretizarem os seus sonhos.

Esta página tem 50 lições para se ser feliz na vida:
Realço estas 20:
– a única coisa que te prende és tu próprio.
– é tudo uma questão de querer.
– não tenhas medo de perseguir os teus sonhos.
– faz o que adoras, e não aquilo que era suposto fazeres.
– não importa o que as pessoas pensam; segue aquilo que tu pensas.
– a vida é 10% de coisas que te acontecem e 90% de como reages a elas.
– ri-te bastante, de ti e de tudo.
– a vida não é um destino, mas uma viagem. Aproveita, maravilha-te, e diverte-te na viagem.
– se tiveres uma mentalidade positiva, coisas positivas acontecem-te mais frequentemente.
– se continuares a fazer o que tens feito, terás os mesmos resultados que tens tido.
– independentemente da situação, a vida continua. Nada é assim tão grave que o Universo se vá desmoronar.
– a educação é o mais importante. Aprende. Tem conhecimento sobre as coisas. E tem bastantes experiências diferentes.
– como disse Henry Ford: “Quer penses que consegues ou que não consegues, estás certo”.
– não interessa quantos erros cometas ou quão devagar é a tua progressão; continuas à frente daqueles que nem sequer tentam.
– podes aprender bastante com os teus erros, se não perderes tempo a negá-los.
– sai da tua zona de conforto. Arrisca. As melhores experiências e oportunidades da tua vida só aparecem quando arriscas.
– as oportunidades não aparecem; as oportunidades criam-se.
– não te preocupes demasiadamente com o passado ou com o futuro. A vida é o presente. Vive-a.
– se tens uma paixão por algo, persegue essa paixão, independentemente do que as pessoas pensem. É desta forma que os sonhos se concretizam.
– não te deixes controlar pelos teus problemas; deixa-te levar pelos teus sonhos. Os teus sonhos (e não os problemas) devem guiar a tua vida.

15 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Claro que tudo isto é para ser vivido com algum realismo. Nada de anarquia.
    A verdade é que muitas vezes impomos, a nós próprios, metas demasiado ousadas ou objectivos demasiado rígidos. Muitas vezes estas metas ou objetivos são-nos traçados pelos nossos bem intencionados pais que apenas querem o melhor para nós.
    Com isto apenas conseguimos, na melhor das hipóteses, uma certa dose de satisfação. Quando porém as coisas não correm de feição, acabamos frustrados a fazer aquilo de que não gostamos, mas constrangidos a fazê-lo porque é o que aprendemos a fazer melhor.

    Estas 20 (ou 50) lições de vida, mais não são que pequenas dicas para nos orientarem e nos levarem a obter alguma realização pessoal. Afinal a vida deve ser vivida em pleno e devemos tirar alguma satisfação desta nossa breve existência.
    Cada um de nós deve seguir um ou outro dos passos ali indicados e continuar as nossas vidas como até aqui…

    1. De acordo 😉

  2. Apesar de concordar na generalidade com todos, tendo a seguir mais o que a Shirley disse (é uma questão de mentalidade) e que o Renato escreveu (colhemos o que semeamos).

    😉

    1. Quem nasce pobre e miserável, ou nasceu cego ou autista, “colheu” de onde?

      1. As pessoas não nascem todas com as mesmas oportunidades, mas podem tentar fazer por elas.

        Eu sempre vivi numa das piores ruas do Porto… e ainda bem!
        Não foi isso que me fez desistir dos meus sonhos…

        A casa onde sempre cresci tem piores condições do que o apartamento para alunos que vivi quando vim para Austin… mas não foi isso que me fez cair na cantiga de “ahh e tal, sou português, nunca poderei fazer X”.

        E, já agora, não nasci cego nem autista, mas com uma importante doença que me limitou fisicamente…

        Nunca vi isso como “desculpas” para não tentar seguir em frente… 😉

  3. “faz o que adoras, e não aquilo que era suposto fazeres.”
    Como pôr isto em prática?
    Não é só querer!
    Eu queria estar a mergulhar no mar verde esmeralda das Caraíbas, mas é um pouco difícil se não posso pagar a viagem! :p

    Acho que podemos tentar alcançar algumas metas, mas há demasiados constrangimentos externos para que o êxito dependa apenas de nós próprios.

    1. Bem, eu vim estudar astrobiologia para os EUA, quando era suposto ser gestor financeiro em Portugal… 😉

      É assim que interpreto a frase… 😉

      Como sabes, em Portugal o que se ouve bastante é queixas do pessoal que está num trabalho que não gosta assim tanto… simplesmente, foi praquilo que havia ou que era suposto.

  4. Penso que tudo é relativo.

    (eu não imaginaria que um site científico um dia viraria um site de auto-ajuda.. kkk.. brincadeira!!)

    Por que é relativo? Dependendo do nível de consciência que estou na vida, dependendo de onde estou dentro das faixas de consciência do Maslow (do status de vida), descritas em posts recentes, a coisa serve. Em algumas faixas, não.

    Se estou no nível básico de sobrevivência, com 55 anos, analfabeto, vivendo dentro das condições do trabalho e de moradia e saúde do salário baixíssimo que meu nível formacional me dispõe, minhas limitações para perseguir meus sonhos serão muito maiores ou até impossíveos. Pobre e analfabeto não sonha sonhos “menores” que uma pessoa mais bem educada ou formada.

    Se sou pobre, analfabeto, sem educação, não sei ler nem escrever, serei mais reativo aos fatos da minha vida do que uma pessoa independente que pode sonhar e perseguir os sonhos.

    Passarei mais tempo dependendo das filas dos órgãos públicos de atendimento de saude, de emprego, de horas incontáveis nos ônibus para ir ao trabalho. Mais vegetarei do que serei alguém. O tempo fica pequeno para sonhar e, se conseguir sonhar, de chegar até eles.

    Nesse caso, “tudo não depende só de mim”. Só eu não me resolvo. E muitos nesse mundo estão aí nessa faixa, bilhões.

    Quando se tem a mente dando muito valor a crenças, da mesma forma, a autolimitação acontece.

    Sonhar não paga imposto, mas a realidade é diferente para cada um e é muito relativo isso.

    • Renato Romão on 12/06/2012 at 22:23
    • Responder

    Em tudo existe a possibilidade de, ou a probalidade de. No entanto, o mais importante penso que seja a “janela” de oportunidade.
    Embora não seja anarquico, penso que existe também uma ordem “dentro” da anarquia. Depende da visão micro/macro. A tendência de comportamentos sociais leva a essa mesma ordem. O padrão comportamental anarquico tem o risco elevado de roçar facilmente os extremos. Nisso os humanos são peritos. Mesmo na “ordem” em que nós vivemos.
    Todos nós colhemos o que semeamos.

    Em tudo à que ponderar e pensar… 3 vezes no máximo. 😉

    Post inspirador.
    Abraços.

    • Rui Gonçalves on 12/06/2012 at 20:44
    • Responder

    Olá ao Pedro e à Diana. Bom… e já agora a todos.

    Não será que a a “anarquia” e a “prática” são, simplesmente, interiorizados, logo, praticados por cada um de nós, com toda a possibilidade de – “ser ou não ser”- .??? isto é: acontecer ou não, conforme nos predispomos ???

    Hoje deu-me para isto…!!!

    Saudações astronómicas.

  5. É muito bonito em teoria…já pô-lo na prática…

  6. É sem dúvida inspirador mas pouco viável. No limite conduzirá à anarquia.

    1. Eu não sou anárquico, mas tento seguir algumas das coisas 😉

  7. Bonito, me fez lembrar do Pablo Neruda.

    O que temos que mudar é a forma de pensar para atingir tudo isso.

    • Rafael Ligeiro on 12/06/2012 at 08:16
    • Responder

    Incrível mensagem! Tudo conspira ao bem quando você tem em mente atitudes nobres.

  1. […] Oportunidades. Arriscar. Ganhar. Decisões. Importância. Comprimido Vermelho. Pirâmide de Maslow. Lições. Em Busca da Felicidade. Feliz. Amigos como estrelas. Meu Universo. Pense Diferente. Ser Diferente. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.