Júpiter com mais 2 luas

Foram descobertas mais duas luas ao redor de Júpiter: S/2010 J 1 e S/2010 J 2.
S/2010 J 1 orbita Júpiter com um período de 2,02 anos, e tem 3 quilómetros de diâmetro.
S/2010 J 2 orbita Júpiter com um período de 1,69 anos e só tem 2 quilómetros de diâmetro, sendo assim o mais pequeno satélite natural de Júpiter e sendo a lua mais pequena no sistema solar detectada a partir da Terra.
Ambas as luas são assim bastante pequenas.

Lembremo-nos que Júpiter é o maior planeta do sistema solar e que tem também a maior lua do sistema solar, Ganimedes, com 5.268 quilómetros de diâmetro (superior ao planeta Mercúrio).

Júpiter tem agora um total de 67 luas conhecidas.

11 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Podem ler aqui (http://www.astropt.org/2012/02/06/os-satelites-irregulares-de-jupiter/) mais sobre os satélites irregulares de Júpiter. 😉

  2. Já tínhamos anunciado a descoberta destas 2 luas no ano passado: http://www.astropt.org/2011/06/03/jupiter-tem-mais-duas-luas/. 😉
    Não sei porquê, a University of British Columbia resolveu lançar novamente a mesma notícia: http://www.phas.ubc.ca/ubc-astronomers-help-unveil-jupiters-smallest-known-moon.

    1. ahhhhh boooooooooooooooooaaaaaaaa 🙂

      ooooops 😛

      Não reparei :S

  3. As luas são tão pequenas que seriam certamente locais de visita do Principezinho 🙂

  4. Quando se olha para Júpiter a olho nu, vê-se apenas uma “estrela” muito brilhante. Por um telescópio, nota-se que o disco de Júpiter tem uma forma oval, devido à grande velocidade de rotação (apesar de ser o maior dos planetas, é o que tem um período de rotação mais curto: 9h55m), no disco de Júpiter vêm-se habitualmente duas bandas equatoriais (faixas de gases mais escuras que rodeiam o planeta) e, se prolongarmos esse plano definido pelas faixas equatoriais, vemos, nas imediações, 4 pequenas estrelas (na verdade são satélites) que podem estar ora de um lado ora do outro ou até passar pela frente ou por trás do planeta. Isto é “o normal” 🙂

    Para se compreender melhor a grande disparidade de brilho entre estes novos satélites agora descobertos e os 4 mais conhecidos e que são facilmente visíveis, bem como da distância aparente entre Júpiter e os vários satélites, deixo aqui umas considerações:

    Quando em 1610 Galileu apontou a sua melhor luneta para Júpiter, viu de imediato 4 estrelas nas imediações. Nos dias seguintes notou que elas mudavam de posição relativamente a Júpiter e mesmo uma em relação às outras. Daqui concluiu que se não se tratava de estrelas mas de satélites que orbitavam em torno de Júpiter, à semelhança da nossa Lua em relação à Terra. Em honra de Galileu, apesar de terem nomes próprios, ficaram conhecidos como satélites (ou luas) galileanos.

    Esses satélites, a que se deu o nome de Io, Europa, Ganimedes e Calisto, podem ser observados com qualquer telescópio, por muito pequeno que seja ou até mesmo com uns simples binóculos, desde que estejam montados num tripé.
    Estes quatro satélites têm magnitudes aparentes de 5,02 (Io), 5,29 (Europa); 4,61 (Ganimedes) e 5,65 (Calisto). Na verdade, seriam vistos a olho nu, de um local bem escuro, como estrelas muito pouco brilhantes, não fosse a presença de Júpiter que, com o seu brilho, ofusca os satélites.

    Por comparação, os novos satélites agora descobertos, não são visíveis com um telescópio qualquer. Com magnitude a rondar +23, penso que não é visível directamente através de nenhum telescópio do mundo, sendo apenas visível em fotografias e imagens processadas pela soma de várias fotografias (quanto maior o número menor o brilho, sendo que um corpo de magnitude +23 é 2,5 vezes menos brilhante do que um de magnitude +22, que por sua vez é 2,5 vezes menos brilhante que outro de magnitude +21 e assim sucessivamente).

    Quanto às distâncias a Júpiter, os quatro satélites galileanos variam desde 421.769 kms para Io até 1.882.759 kms para Calisto. Vistas da Terra, estas distâncias traduzem-se numa separação angular máxima (quando Júpiter está em oposição e consequentemente a distância entre a Terra e Júpiter é menor) de 0,0385 graus (2,3 minutos de arco) para Io e de 0,171 graus (10,3 minutos de arco).
    Para se fazer uma ideia , lembro que a Lua tem um diâmetro aparente de cerca de 30’ (30 minutos de arco).

    1. Excelente 🙂

  5. Para fazer uma ideia das dificuldades em detetar um destes satélites de Júpiter, fui procurar mais elementos da órbita de um deles (http://solarsystem.nasa.gov/planets/profile.cfm?Object=Jup_S2010J1&Display=Facts) e pus-me a fazer umas contas.

    Então S/2010J1, que orbita a uma distância média de 23,3Mkm, tem o ponto de periapsis a 15.853.748 km de Júpiter e apoapsis a 30.774.922km. Quanto ao brilho deste satélite, a magnitude varia de 23,2 a 24,0 (consoante Júpiter está em oposição ou em conjunção).
    Calculando a distância angular deste satélite relativamente a Júpiter, quando Júpiter está em oposição, obtemos valores impressionantes. Quando está no apoapsis, S/2010J1 aparece, visto da Terra, a uns estonteantes 2,80 graus de Júpiter!

    A ideia romântica de Júpiter no campo de visão de uma ocular, com os satélites à volta, fica definitivamente afastada. Os investigadores estavam a seguir um calhau de magnitude 23,2 e situado a alguns graus do planeta.

    Só para por as coisas em perspetiva…

    1. Como se se compara “ao normal”? 🙂

      Só para quem não é astrónomo amador ter ideia dessas perspectivas 😉
      Mesmo a magnitude, eu sei o que é, mas muitos leitores podem não saber qual a magnitude (ou graus do planeta) de ver a olho nú ou sequer por telescópios as luas de Júpiter 😉

      abraços! 🙂

    • Manel Rosa Martins on 14/06/2012 at 09:59
    • Responder

    S/2010 J 1 poderia vir a chamar-se Tinia Carme.
    S/2010 J 2 Rumina Ananke.

    São nomes mitológicos relacionados com Júpiter.

    Tinia é o nome de Júpiter na pequena mas influente civilização Etrusca e Rumina é um outro nome atribuído a Júpiter, que tem de ver com a agricultura (segundo alguns historiadores) ou com uma Deusa que aleitava a sua prole (segundo outros historiadores).

    Mas…e quem quererá sugerir outros nomes? :))

    1. Mas isso são sugestões suas ou propostas a sério? Não fiquei bem esclarecido.

      1. Sugestões 🙂

        Estas e outras luas de Júpiter não têm “nome mitológico”… ainda 🙂

  1. […] história, viver, pizza). Júpiter (sistema, núcleo a derreter, mancha a diminuir, explosão, 65 + 2 luas, JUNO, JuIcE). Saturno (anel gigante, tempestade, hexágono, vórtice, rosa vermelha, […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.