Erich von Daniken

Erich von Däniken é o fraudulento (foi condenado por fraude) hoteleiro suíço, seguidor da seita dos Astronautas Antigos (divulgada recentemente no Canal História).

Ao contrário de qualquer pessoa racional (como Einstein e Asimov), Däniken nunca teve intenções de fazer experiências, arranjar evidências independentes ou tentar provar alguma coisa que fosse.
Para ele, chegava-lhe “levantar hipóteses”, “falar de possibilidades”, o que é uma característica de quem é pseudo, vigarista.
Como expliquei aqui:
“Será possível atravessarem uma parede de cimento? É. Será provável? Não.
Será possível que foram unicórnios invisíveis voadores que me pararam o carro na auto-estrada? É. Será provável? Não. Ao saber mais sobre o problema, percebo que me faltou a gasolina.
Será possível que o Sol seja somente um deus com uma lanterna? É. Será provável? Não. Basta estudar o Sol.
Mas ele fica-se pela pergunta do possível. Isto é um dos indicadores que se está na presença de um pseudo – uma pessoa que nada percebe daquilo que está a dizer, uma pessoa que não quer saber do conhecimento, uma pessoa que põe a sua própria crença acima da realidade, e uma pessoa que pode ter o único intuito (consciente ou inconscientemente) de ludibriar as pessoas.”
A verdade é que o mundo, a racionalidade, o conhecimento, não funciona desta forma. O conhecimento dá-nos respostas certas, e por isso é que o utilizamos milhões de vezes ao dia.

Aliás, o Daniken não levanta sequer hipóteses, não faz perguntas sobre coisas que não percebe.
Ele, e tantos outros, simplesmente utiliza técnicas pseudo para fazer avançar a sua ideologia própria, como explicou este episódio de South Park.
Os cientistas sim, levantam hipóteses e testam essas hipóteses. O Daniken somente argumenta numa direcção, numa resposta pré-concebida, mostrando que o que faz é uma “verdade revelada” como é apanágio da religião, e não uma busca de conhecimento.
E como consegue que as pessoas acreditem nele? Fácil: as pessoas sem conhecimento e sem pensamento crítico são facilmente manipuladas, enganadas, e controladas.

A verdade é que o Daniken não estava nem está interessado na verdade, no conhecimento do assunto. Pelo contrário.
Ele até já confirmou que é indiferente à verdade e que só escreve histórias fantasiosas para fazer dinheiro. E fez muito dinheiro. Fez tanto dinheiro à custa dos crentes, que pagou todas as dívidas que tinha. Ele inventou histórias para vender livros.
Zecharia Sitchin percebeu que este tipo de fantasias dava dinheiro, por isso decidiu ser um seguidor de Daniken, re-escrevendo a mesma mitologia de Daniken, e criando mais algumas aldrabices (ex: Nibiru) para os crentes caírem que nem patos.
O Daniken, ao menos, foi original. O Sitchin é só uma cópia do Daniken. Muitas mais cópias (péssimas cópias) existem na internet, porque sabem que as fantasias baseadas em mentiras dão dinheiro. Vigarizar as pessoas ignorantes é um negócio bastante rentável.

E o Daniken foi original na compilação de pseudo-evidências de diferentes características. Mas não foi original na ideologia nem sequer na estratégia utilizada para enganar pessoas.
Ele fez o mesmo, por exemplo, que o Thomas Chalmers ou o George Adamski: apanhou algumas crenças religiosas e deu-lhes uma aura extraterrestre. Dizer que é Deus ou extraterrestres é somente um problema de nomenclatura, nada mais, porque o essencial é igual. O objectivo é parar-se de fazer perguntas e assumir-se uma resposta (com a falácia das “explicações por cenário”), que depende de “seres acima de nós que estão muito interessados em nós, porque nós somos muitos especiais” (geocentrismo psicológico).

É verdade que eu adoro as histórias deles, e tenho grande parte dos seus livros, quer do Daniken quer do Sitchin.
Mas é preciso não esquecer que as estórias são de ficção, de fantasia. Nada mais. São exactamente como as estórias do Pai Natal (Papai Noel) quando éramos crianças.
Infelizmente, algumas pessoas não conseguem separar a realidade da fantasia…

Mesmo nada sabendo sobre os assuntos dos livros, como podemos perceber que estamos na presença de pseudos?

Bem, em primeiro lugar, nenhum deles é especialista nos assuntos em causa.
O Sitchin era economista e jornalista, e o Daniken trabalhava em hotelaria, sendo criado de hotel e posteriormente director de um hotel.
Nenhum deles era especialista em história, arte antiga, arqueologia, paleontologia, antropologia, ou outra qualquer disciplina que pudesse estar ligada a estes temas. Nada. Como nada sabiam sobre nada, inventaram.
Eles seguem a premissa que: se não sabem como algo é feito, então só podem ter sido extraterrestres a fazê-lo.

Para eles, a ignorância é motivo de orgulho!

Para eles, as suas interpretações pessoais baseadas em ignorância, estão acima de qualquer conhecimento que se tenha desses mesmos assuntos.
Para eles, as interpretações estão acima das evidências.
Para eles, as opiniões pessoais estão acima do conhecimento.
Para eles, as suas crenças são superiores à realidade!

Daniken é acusado de ser Eurocentrista (racista, favorecendo os Europeus). Por exemplo, sabe-se que o suposto alinhamento das pirâmides no Egipto e a sua geometria nada tinha de avançado para a época. Sabe-se que existem muitas mais pirâmides, algumas delas que caíram, outras deixadas em construção, etc, por isso percebe-se bem que houve uma progressão por parte dos Egípcios durante séculos, para aperfeiçoaram as técnicas.
Mas Daniken assumia que os Egípcios e os Maias eram civilizações inferiores, e por isso teriam que ter ajudas exteriores para conseguirem realizar aqueles feitos. Nada estava mais longe da verdade. Mas Daniken não queria saber da verdade, generalizando os assuntos, baseado na sua ignorância sobre eles.
Para Daniken, é perfeitamente normal que os Europeus criassem Catedrais magníficas, porque tinham inteligência para isso. Já os outros povos, para Daniken, não eram tão inteligentes, e por isso precisavam de ajuda extraterrestre.

Daniken não diz que as fantásticas obras antigas foram construídas por extraterrestres, mas sim por humanos com a ajuda de extraterrestres e em homenagem a esses “deuses”.
Basicamente, numa entrevista recente, ele contraria a versão de alguns vigaristas actuais da internet, e diz que as obras são mesmo construções humanas: “(…) eu teria afirmado que os extraterrestres construíram as pirâmides ou as formações em Nazca para funcionar como aeroporto de disco voador. Isso é besteira, pois essas construções foram sempre obras de seres humanos!”

Daniken (e Sitchin) também cometeu imensos erros nos seus livros. Por exemplo, dizendo que o peso das pirâmides era 5 vezes superior ao que é na realidade.

Daniken também forjou artefactos, mentiu, roubou, e inventou coisas que nunca se passaram. Aliás, algumas das suas fraudes, levaram-no à prisão.

Daniken mentiu algumas vezes. Por exemplo, no seu 2º livro, ele disse que estava a viajar aos locais quando na verdade estava numa cela de prisão.
A verdade é que muitas das coisas que ele disse que viu, para retirar a informação que consta dos livros, na verdade não viu (só viu em fotos).

Aliás, ele próprio já reconheceu na televisão que a aldrabice era necessária para a estória que ele queria contar.
O programa Nova, num dos episódios, descobriu a pessoa que tinha feito um dos artefactos que Daniken dizia que tinha centenas de anos e tinha sido feito para representar um OVNI. Quando a sua fraude foi desmascarada, Daniken disse que tinha sido necessário forjar algumas coisas para apresentar “evidências” da estória (o episódio foi intitulado “The Case of the Ancient Astronauts). Desta forma, as pessoas acreditariam nele e compravam os seus livros.
Segundo ele, ele não tem culpa que as pessoas prefiram acreditar nele, que simplesmente escreve estórias, do que nos especialistas que realmente estudam os assuntos. Ele não tem culpa que as pessoas, caso precisem ser operadas, prefiram um trolha que diga que o coração é um órgão extraterrestre, em vez de preferirem um médico-cirurgião. Basicamente, ele não tem culpa que as pessoas sejam parvas.

No artigo sobre os Dogons do Mali, já deixamos aqui este excerto, escrito pelo Kentaro Mori:

“Um dos primeiros a divulgar amplamente a idéia de que podemos ter mantido contato com civilizações extraterrestres na Antiguidade foi curiosamente um dos mais conhecidos céticos. No livro “Vida Inteligente no Universo” (1966) o astrônomo Carl Sagan, em colaboração com o colega soviético Iosif Shklovsky dedica um capítulo inteiro para defender seriamente a possibilidade de um contato em eras passadas.
Já então a dupla indicou um possível deus astronauta: o enigmático personagem da mitologia suméria, Oannes. Quimera metade peixe, diz a lenda que a criatura surgiu no Golfo Pérsico por volta de 4.000AC e ensinou várias artes e ciências aos homens. Seriam os ecos longínquos do contato com um alienígena benevolente?
Talvez, apenas talvez. A dupla de cientistas foi sóbria e cautelosa ao deixar claro que eram apenas especulações sem comprovação. E é aqui que reside a diferença entre especulação e a enganação. Logo depois um hoteleiro suíço (Daniken) venderia exatamente as mesmas idéias como se fossem fatos comprovados, e o resto, como dizem, é história. Ou melhor, ficção vendida como história. (…)”

A wikipedia também é clara sobre as mentiras do Daniken:

“In Chariots of the Gods?, Däniken wrote that a non-rusting iron pillar in Delhi, India, was evidence of extraterrestrial influence. In a later Playboy interview, when told that the column showed some signs of rust and its method of construction was well understood, Däniken admitted that the pillar was actually rusty and man-made (…)”

“In The Gold of the Gods von Däniken wrote of being guided through artificial tunnels in a cave under Ecuador, Cueva de los Tayos, containing gold, strange statues and a library with metal tablets, which he considered to be evidence of ancient space visitors. The man whom he said showed him these tunnels, Juan Moricz, told Der Spiegel that von Däniken’s descriptions came from a long conversation and that the photos in the book had been “fiddled”. Von Däniken told Playboy that although he had seen the library and other places he had described, he had fabricated some of the events to add interest to his book. Later in 1978 he said that he had never been in the cave pictured in his book but in a “side entrance”, and that he had fabricated the whole descent into the cave. A geologist examined the area and found no cave systems. Däniken also wrote about a collection of gold objects held by local priest Father Crespi, who had special permission from the Vatican to make archeological research. But an archeologist reported to Der Spiegel that, while there were some good pieces, many were just local imitations for tourists, and that Crespi has difficulty distinguishing brass from gold.”

“Dr. Samuel Rosenberg said that the “Book of Dyzan”, referred to by von Däniken, was “a fabrication superimposed on a gigantic hoax concocted by Madame Blavatsky”. He also says that the “Tulli Papyrus”, cited by von Däniken in one of his books, is likely cribbed from the Book of Ezekiel, and quoted Dr. Nolli (through Dr. Walter Ramberg, Scientific Attache at the U.S. embassy in Rome), then current Director of the Egyptian Section of the Vatican Museum, as “suspect[ing] that Tulli was taken in and that the papyrus is a fake.” According to NYT’s Richard R. Lingerman, it is likely that von Däniken obtained these references from UFO books that mentioned them as real documents.”

“Von Däniken brought the Nazca Lines to public prominence with his 1968 book Chariots of the Gods?, attracting so many tourists that researcher Maria Reiche had to spend much of her own time and money preserving them. Von Daniken said that the lines were built following instructions from extraterrestrial beings, to be used as airfields for their spaceships. In his 1998 book Arrival of The Gods, he added that some of the pictures depicted extraterrestrials. Archeologists are sure that they were made by pre-columbian civilizations for cultural purposes, and they have not bothered refuting this sort of speculations. Silverman and Proulx say this silence from archaeologists has harmed the profession and the Peruvian nation. The idea was not original of von Däniken, it started as a joke made by people who first saw the lines from the air (…)”

“Von Däniken wrote in Chariots of the Gods? that a version of the Piri Reis map that the map depicted some Antarctic mountains that were and still are buried into ice, and could only be mapped with modern equipment. His theory relies on the book of Maps of the Ancient Sea Kings by Charles Hapgood. A. D. Crown in Some Trust in Chariots explains how this is simply wrong. The map in von Däniken’s book only extends 5 degrees south of the equator, ending in Cape São Roque, which means that it doesn’t extend to the Antarctica. Däniken also said that the map showed some distortions that would only happen if its was an aerial view taken from a spaceship flying above El Cairo, but in fact it doesn’t extend enough to the South to cause visible distortions in an aerial view. (…)”

“The Nova documentary The Case of the Ancient Astronauts shows that all the claims made by Däniken about the Pyramid of Cheops were wrong in all accounts. The technique of construction is well understood, we know perfectly what tools they used, we can still see the marks of those tools in the quarries, and there are many tools preserved in museums. Däniken claims that it would have taken them too long to cut all the blocks necessary and drag them to the construction site in time to build the Great Pyramid in only 20 years, but Nova shows how easy and fast it is to cut a block of stone, and shows the rollers used in transportation. He also claims that Egyptians suddenly started making pyramids out of nowhere, but there are several pyramids that show the progress made by Egyptian architects while they were perfecting the technique from simple mastabas to later pyramids. Däniken claims that the height of the pyramid multiplied by 1 million was the distance to the Sun, but the number falls too short. He also claims that Egyptians couldn’t align the edges so perfectly to true North without advanced technology that only aliens could give them, but Egyptians knew of very simple methods to find North via star observation, and it’s trivial to make straight edges.”

“Däniken claimed that the Sarcophagus of Palenque depicted a spacemen sitting on a rocket-powered spaceship, wearing a spacesuit. However, archaeologists see nothing special with the figure, a dead Mayan monarch who is wearing traditional Mayan hairdo and jewelry, surrounded by Mayan symbols can be observed in other Mayan drawings. The right hand is not handling any rocket controls, but simply making a traditional Mayan gesture, that other figures in the sides of the lid also make, and is not holding anything. The rocket shape is actually two serpents joining their heads at the bottom, with the rocket flames being the beards of the serpents. The rocket motor under the figure is the face of a monster, symbol of the underworld.”

“Von Däniken put forward photographs of ancient stones in Peru, with carvings of men using telescopes, detailed world maps, and advanced medical operations, all beyond the knowledge of ancient Peruvians. But the PBS television series Nova determined that the stones were modern, and located the potter who made them. This potter makes stones daily and sells them to tourists. Von Däniken had visited the potter and examined the stones himself, but he didn’t mention this in his book. (…)”

“Some also question von Däniken’s credibility, as he has also knowingly put forward fraudulent evidence to advance his hypotheses, such as photographs of pottery “depicting UFOs”, supposedly from an archaeological dig dating back to the biblical era. The PBS television series Nova determined that this was a fraud, and even located the potter who made them. When confronted with this evidence, von Däniken argued that the deception was justified because some people would only believe his theories if they saw actual proof.”

“Kenneth Feder accused von Däniken of European ethnocentrism, while John Flenley and Paul Bahn suggested that views such as his interpretation of the Easter Island statues “ignore the real achievements of our ancestors and constitute the ultimate in racism: they belittle the abilities and ingenuity of the human species as a whole”.”

“A 2004 article in Skeptic Magazine states that Däniken took many of the book’s concepts from The Morning of the Magicians, that this book in turn was heavily influenced by the Cthulhu Mythos, and that the core of the ancient astronaut theory originates in H. P. Lovecraft’s short stories “The Call of Cthulhu” written in 1926, and “At the Mountains of Madness” written in 1931.”

Recomendo que vão ver as fontes destas informações.
Ao contrário do Daniken, que não reconheceu as fontes nos seus livros, nem nunca deu o crédito aos autores donde foi buscar as informações que ele escreveu nos seus livros como sendo suas, ma Wikipedia é possível irem ler as fontes originais e comprovar que a informação é fidedigna.

Por outro lado, também recomendo que leiam o livro escrito por Ronald Story, a rebater todas as supostas “evidências” apresentadas por Daniken, explicando tudo com base no conhecimento dos assuntos: The Space Gods Revealed: A Close Look At The Theories of Erich Von Däniken.

O próprio Carl Sagan escreveu isto no prefácio do livro de Ronald Story: “I know of no recent books so riddled with logical and factual errors as the works of von Däniken.” – não conheço nenhum livro com tantos erros como os livros de Daniken.

Por fim, deixo-vos excertos deste artigo, no Ceticismo Aberto, intitulado: Erich von Daniken: mentiras, fraudes e bananas.

“No livro “The Gold of the Gods” (1973)*, Erich von Däniken anuncia logo no início: “Para mim esta é a mais incrível e fantástica história do século. Poderia facilmente ter vindo diretamente dos campos da Ficção Científica se eu não tivesse visto e fotografado a verdade pessoalmente. O que eu vi não foi produto de sonhos ou imaginação, era real e tangível. Um sistema gigantesco de túneis, com milhares de quilômetros de comprimento e criado por construtores desconhecidos em uma data desconhecida jaz a grande profundidade no continente sul-americano”. [ênfase inserida]

Tão ou mais incrível que o sistema subterrâneo de milhares de quilômetros sob nossa América do Sul era o conteúdo de algumas das imensas cavernas, “tão grandes quando o hangar de um avião Jumbo”. Descrito em primeira pessoa, o autor suíço descreve suas aventuras adentrando uma delas e a revelação em meio ao escuro de incontáveis estátuas de material desconhecido, formando um magnífico zoológico de figuras de animais, de elefantes a leões, incluindo mesmo dinossauros, adornados por algo ainda mais inacreditável: uma miríade de placas de metal contendo inscrições com “o que é provavelmente um sumário da história de uma civilização perdida … contendo a sinopse da história da humanidade, assim como um relato da origem da humanidade na Terra e informação sobre uma civilização desaparecida”.
O descobridor desta mais incrível e fantástica história do século seria Juan Moricz, guia de Däniken na fabulosa expedição. O leitor empolgado com a descoberta, no entanto, poderá ficar intrigado com o fato de que entrada do sistema de túneis ainda deveria ser mantida secreta, “guardada por índios hostis entre o triângulo formado pelas três cidades de Gualaquiza, San Antonio e Yaupi na privíncia de Morona-Santigago” (no Equador). O livro contém ainda uma foto do que se entende ser o autor adentrando a caverna, com a legenda:

“Dentro do sistema de túneis artificial, que é assombrado por revoadas de pássaros”

Pouco após a publicação do livro, o próprio Moricz desmentiu Däniken. Em entrevistas aos jornais alemães, Moricz assegurou que Däniken nunca havia visto o que descreveu. “Exceto se ele foi em um disco voador… se ele diz ter visto a biblioteca e as outras coisas por si mesmo então isso é uma mentira”.
No documentário da PBS/BBC, “The Case of the Ancient Astronauts”, (…) ao redor dos 40 minutos o próprio Erich von Däniken admite a inverdade. Questionado se a história que publicou da visita às cavernas realmente aconteceu, Däniken responde com um cachimbo na boca: “Não, isso não aconteceu (…)”
Quanto à foto publicada dentro do sistema de túneis, também se pode ver Däniken explicando que a expedição teria sido feita por Juan Moricz em 1969 e que ele mesmo nunca esteve lá. (…)

Erich von Däniken já foi condenado e cumpriu penas em três ocasiões. A primeira foi já aos dezenove anos, por furto. Um psiquiatra descreveu na ocasião que ele exibia uma “tendência a mentir”. A segunda condenação foi por fraude relacionada a uma negociação de jóias, pela qual cumpriu nove meses de pena. A terceira também foi relacionada a fraudes, através das quais o então hoteleiro havia tomado empréstimos somando uma dívida de $130.000 enquanto viajava pelo mundo coletando material que usaria em “Eram os Deuses Astronautas?”. Foi condenado a três anos e meio de prisão, cumprindo um ano antes de ser liberado. No julgamento, foi descrito novamente como um mentiroso e um psicopata criminal pelo psiquiatra que o avaliou.

Tais condenações pouco deveriam afetar a realidade de suas ideias ou evidências, não fosse o fato de que se relacionam com fraudes, falsificações e mesmo avaliações psiquiátricas que, como visto acima, parecem no mínimo parcialmente confirmadas quando o próprio autor admite se valer de “efeitos” dramáticos, ou simples mentiras. Para ele, um autor “pode fazer isso”.

O imbróglio do sistema secreto de túneis sob a América do Sul não é o único engodo do qual Däniken participou na criação ou divulgação. Ainda na América do Sul, outra fraude notória promovida nos livros de Däniken é a história muito similar de “Tatunca Nara”, um suposto índio que seria portador da fantástica “Crônica de Akakor”, estendendo-se por tempos imemoriais de outra (ou a mesma?) civilização avançada e perdida nos subterrâneos da Amazônia. Parte desta fantasia permeou mesmo o último filme de Indiana Jones, onde Akakor foi referido como “Akator” e mesclado com crânios de cristal e extraterrestres.

Em verdade Tatunca é Hans Guenther Hauck, nascido na Baviera, Alemanha. Ele deixou seu país natal na década de 1960, deixando mulher e três filhos em Nuremberg e é até hoje suspeito de ter assassinado vários turistas e aventureiros em busca do mito de cidades perdidas na selva sul-americana.

No mesmo documentário da BBC em que Däniken admite ter inventado sua visita à câmara subterrânea, as pedras de Ica também são apresentadas, ao lado de seu criador: não uma civilização perdida de homens que viviam ao lado de dinossauros e realizavam operações cardíacas, e sim o índio Basilio Uchuya, que por muitos anos tem riscado pedras que encontra com um estilo muito característico, assando-as em meio ao estrume de seu burro e então polindo-as com graxa de sapato para completar a aparência antiga. Mas é apenas aparência, o mesmo programa cita análise do Instituto de Geociências em Londres que conclui que os riscos na pedra são claramente recentes. (…)

As evidências apresentadas por Däniken são ou especulação contrariada pela evidência arqueológica, ou simples fraudes evidentes em que o autor escolheu omitir informação ou inclusive, inventá-la para “efeito” [dramático] em seu “estilo” de livros. No mesmo livro com a fantasiosa visita às fantásticas cavernas inexistentes da “história do século”, Däniken especula que bananas são um mistério que talvez seja explicado com uma origem alienígena: “… a banana é um problema. É encontrada mesmo na mais remota das ilhas do sul. Como essa planta, que é tão vital para a nutrição da humanidade, se originou? Como ela fez o caminho ao redor do mundo, visto que não possui sementes? Será que os ‘Manu’, sobre quem a saga indiana conta, a trouxe consigo de outra estrela – como um alimento completo?”

Em uma cândida e demolidora entrevista concedida, onde mais, na revista Playboy em agosto de 1974 ao então novato jornalista Timothy Ferris – que posteriormente produziria o disco dourado enviado nas sondas Voyager – após expor como mal havia lido e pesquisado boa parte das supostas provas que apresentou, concedendo que várias delas, como o pilar de ferro de Delhi, não seriam realmente um mistério “e podemos esquecer sobre essa coisa”, o clímax chega quando Ferris encerra:
“Ferris: Uma última pergunta vem à mente porque das suas teorias, a nossa favorita é aquela em Gold of the Gods em que você sugere que a banana foi trazida à Terra vinda do espaço. Você estava falando sério?
Von Daniken: Não, e poucas pessoas sacaram isso.
Ferris: O que nos leva a perguntar a você se tudo que você escreveu é uma piada. Você diria que é, como um escritor sugeriu, ‘o mais brilhante satirista do século na literatura alemã’?
Von Daniken: A resposta é sim e não. Temos um maravilhoso termo em alemão: jein. É uma combinação de ja e nein, sim e não. Em parte, absolutamente não; eu realmente acredito no que digo seriamente. De outras formas, eu tento fazer as pessoas rirem. (…)”

Leiam todo o artigo, aqui, e recomendo vivamente que vejam o programa da NOVA, de 1977 (veja-se bem ao tempo que já se sabe a verdade, e no entanto, ainda há quem siga fantasias mentirosas, porque vigarizar os ignorantes dá muito dinheiro):

75 comentários

4 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • antonio carlos novelli on 19/11/2016 at 03:28
    • Responder

    Se partimos do principio das fraudes, mentiras e fantasias. devemo-nos lembrar do próprio Jesus, pois em sua época, era comum em cada esquina, haver um pregador dizendo ser filho de Deus, com montes de falácias e pior, de seguidores. Eu parto apenas de um princípio, “Em todo universo, existe uma noção de ordem para que tudo funcione harmoniosamente, esse é o Deus, e para ele, nós não temos importância nenhuma”. Alias se lembrarmos a respeito de absurdos, a Bíblia está cheinho deles… (não sou ateu, apenas uma pessoa que tira conclusões…) Como disse sabiamente, o grande pensador e filósofo, Sêneca, “só sei, que nada sei”

    1. O que é que o texto tem a ver com Jesus ou a Bíblia?

  1. Por favor! A maior catedral gótica na Europa é ainda muito menor do que a pirâmide de Giza. Estive lá! O troço é um portento! Difícil de engolir mesmo. Antes de esculhambar esses autores (deixando claro que não sou defensora fanática, existe a possibilidade da vigarice sim), procure viajar e ir até esses lugares, a cada um deles, e perceber a discrepância temporal, a esquisitice mesmo, pois os monumentos estão ali, mas não temos registro histórico das ferramentas usadas. Quanto a ets bem, se eles existem e viajam pelo cosmos, não vejo por que não deixariam construções por onde parassem. Uma coisa não exclui a outra. Acho eu…

    1. Cláudia,

      Eu já estive. Felizmente, viajo.

      Pensar que ETs incrivelmente avançados que conseguem viajar entre estrelas, são tão burros que usam ferramentas que até para nós são primitivas para fazerem construções de areia, é um absurdo.

      Temos sim registo das ferramentas usadas. Assim como conseguimos fazer as piramides.
      Pirâmides essas que são mais de uma centena, e em que conseguimos ver como os Egipcios foram evoluindo na forma de fazer as pirâmides (foram aprendendo).
      Tudo isso está documentado e visível.

      E a vigarice não é uma possibilidade, é uma realidade. Ele esteve preso devido a isso.

  2. Eu discordo de algumas opiniões.
    Primeiro porque tudo que diz Daniken não sçao afirmações, são perguntas.
    Segundo que eu não li aqui um contra ponto de um conteúdo dito por ele, apenas uma desqualificação da pessoa dele, como “vigarista” e “mentiroso”. Não quero aqui defendê-lo, mas eu gostaria de ser um contra ponto fundamentado, com exemplos a mostrar que aquilo que fora dito, não passa de mentias, pois a verdade é “tal”.

    Ademais, é sempre válido o debate!

    1. Não foram dadas opiniões. 2 + 2 = 4 não é uma opinião.

      Sim, ele foi um vigarista e mentiroso, como ele próprio reconheceu que se “enganou”.
      Aliás se ler os livros dele a dizer que está em “tal sítio” no México, quando afinal estava era numa prisão europeia, percebe as mentiras. Não são opiniões; basta querer ter conhecimento.

      E as perguntas feitas de forma pseudo, como ele faz, são de promoção de imbecilidades mentirosas… que é o que ele mais fez.
      A estratégia é comum nos vigaristas, como também já foi explicado no “famoso” programa do Canal História:
      http://www.astropt.org/2011/12/13/extraterrestres-antigos/

      O debate é válido só quando ambos os lados do debate têm conhecimento. Se um dos lados nega o conhecimento, não pode haver debate.
      Na verdade, o que devia existir do lado que ignora os assuntos, é uma aprendizagem.

      abraços

      P.S.: ninguém no seu “estado normal” que nega o conhecimento médico e afirma que o sangue humano é verde, diz que pode haver um debate entre ele e médicos, muito menos afirma que o facto do sangue ser vermelho é só uma “opinião” do médico.

        • Mateus on 18/06/2015 at 15:13

        Não estou aqui para defender ninguém e até acho esse Erich um aproveitador. Mas como afirmar que ele foi preso por fraude se seus documentários continuam a ser exibidos e pelo que sei até um parque temático ele contruiu com este tema?

      1. Chama-se a isso Negócio, não Ciência.

        Se dá dinheiro, se há muita gente que fica rica à custa disso, isso não é razão suficiente, não interessando a verdade?

        Não é isso que acontece periodicamente nos meios financeiros? Não é essa estratégia que levou ao crash das bolsas e dos bancos recentemente?

        A verdade não importa para essas pessoas: o que lhes interessa é o dinheiro que fazem à custa dos ignorantes.

  3. durante um tempo Sagan foi muito criticado por algumas declarações “especulativas” quem sabe um dia Daniken possa estar certo , algumas “possibilidades” que ele tenta mostrar eu até acho que poderiam ser melhor reavaliadas por estudos, mas no geral acaba sendo tudo muito extravagante demais ,star trek, stars wars, guerra dos mundos,conspiração etc.

    1. Não.

      Porque com Daniken já se sabe as respostas e ele estava errado.

      Com Sagan não se sabia. Quando se soube, viu-se aspectos em que ele estava certo e aspectos em que ele estava errado.

      abraços

  1. […] Obviamente, todo este geocentrismo psicológico existe devido ao filme se basear nas ideias de Erich von Däniken (as pirâmides “só podiam” ter sido construídas com a ajuda de alienígenas) e no […]

  2. […] arqueólogo? Terá esse hipotético turista tido também um almoço bem regado? Terá entrevistado Erich von Däniken, mentor espiritual do Ancient Aliens, desconhecendo que Erich von Däniken […]

  3. […] Humanas. Money bag. Disparates Virais. Barulhos estranhos. Extraterrestres Antigos. Desmistificar. Erich von Däniken. Dogons. Anel Negro. Dois Sóis. Alinhamento planetário sobre Pirâmides de Gizé. Sismos e […]

Responder a Carlos Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.