Dia dos Discos Voadores

A 24 de Junho celebra-se o Dia dos OVNIs.

A 24 de Junho de 1947, Kenneth Arnold viu 9 objectos sobre o Monte Rainier, EUA, iniciando assim a era moderna de avistamentos de OVNIs.
O que ele viu, como se pode ver pela imagem inserida em que ele mostra o que viu, foram objetos parecidos com uma asa gigante. O repórter que o entrevistou percebeu tudo mal e escreveu que o Kenneth tinha visto discos voadores. E assim começou o mito.

Podem ler mais sobre isto, neste nosso post.

Infelizmente, a comunicação social em vez de dar relevância à verdade, prefere divulgar parvoíces de pessoas com problemas, que põem as suas ridículas crenças ignorantes acima do conhecimento que se tem do Universo, como se pode ler neste péssimo jornalismo sobre a APO.
“Parabéns” TVI (neste caso, TVI24), por mais um atentado à inteligência, aparentemente com o único intuito de estupidificar a vossa audiência.

36 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Ola Carlos, já a alguns dias tenho visto pela net sobre ovni que teria sido encontrado no mar baltico porem não quiz trazer o assunto pois os sites eram pouco confiaveis agora vejo no voz da russia sendo assim resolvi trazer para se possivel você faça uma analize para nos leitores do astropt
    http://portuguese.ruvr.ru/2012_06_27/mar-baltico-ovni/

    1. Olá Edson,

      Já escrevi sobre isso o ano passado 😉
      http://www.astropt.org/2011/08/03/descoberto-ovni-no-fundo-do-mar/

      Tem tido alguns desenvolvimentos interessantes este ano, nos comentários 😉

      abraços!

  2. Lá estão vocês com o vosso mau feitio outra vez, o homem é especialista! A reportagem apenas peca por oferecer só um lado da história, deviam ter convidado também um ET para termos uma perspectiva mais global da temática. Assim por exemplo ocorre-me o ET Bilú.

    Posso até imaginar discussões interessantíssimas sobre se a Terra é oca como diz a APO ou se é côncava como diz o ET Bilú. Wow! Talvez seja até cúbica! Agora redonda tenho a certeza que não, isso são histórias de pessoal de mente fechada. Sim! porque isso de estudar as ondas sísmicas para inferir sobre a constituição e estrutura do interior da Terra é coisa de meninos. Especialistas a sério só precisam de intuição!

    Mas esperem, o meu espírito guia está a enviar-me uma mensagem… só um momento… ah! Ele diz que a Catarina tinha de escrever um peça sobre ovnis e por isso resolveu ir ao Google, onde após esta pesquisa “http://lmgtfy.com/?q=ovnis+em+portugal” a página da APO aparecia em primeiro lugar. Há coisas fantásticas não há?

    • Manel Rosa Martins on 25/06/2012 at 12:41
    • Responder

    A TVI fez um péssimo trabalho, como já infelizmente se parece tornar seu hábito, porventura é por isso que está a perder audiências.

    Entrevistar um doente mental e dizer que isto são provas dos OVMI’s é estar a chamar parvos aos Telespectadores, é estar a chamar de parvos aos Jornalistas Profissionais e é estar a chamar parvos aos anunciantes.

    Até porque OVNI é qualquer avião que esteja a voar e o observador não conheça a Matrícula, até a conhecer e a verificar nos registos das autoridades aeronáuticas o engenho é Não Identificado. Ou até estabelecer contacto por radar e por rádio, como o fazem os controladores aéreos.

    Lamento é que não haja qualquer controlo editorial que previna a emissão para o ar de programa tão imbecil e com tanta falta de respeito por um doente mental.

    É preciso ser-se uma besta, uma completa cavalgadura sem quaisquer valores morais para se fazer uma coisa dessas.

    Sinceramente este tipo de “reportagem” é-me extremamente reprovável. causa-me asco, e expresso o mais vivo repúdio por esta bestialidade.

    Está a insultar os doentes mentais, e está a abusar dum, e isso é inadmissível.

  3. Aproveitando o tópico sobre OVNIs, esses dias vi no youtube um vídeo chamado The Disclosure Project, e um outro chamado Destino Terra / Out of the Blue.
    Os vídeos me intrigaram por aparecerem astronautas falando sobre o assunto. E relatos de avistamento em massa também, como o da cidade de Phoenix nos EUA.
    Eu acredito em projetos militares, porém alguns relatos são impossíveis de se comparar com algo realmente humano, e por muitos desses relatos virem de pessoas até então ditas “sérias”, nos faz questionar e ao menos querer saber mais sobre o assunto.
    Alguém sabe que fim levou esse tal projeto?

    1. Luzes de Phoenix estão perfeitamente explicadas:
      http://www.astropt.org/2011/11/10/luzes-de-phoenix-voltaram/

      Disclosure Project:
      http://www.astropt.org/2008/11/18/disclosure-project/

      abraços!

        • Cavalcanti on 25/06/2012 at 04:01

        Detalhe: por US$ 50.000,00 um cidadão terá seu nome inserido nos créditos do documentário (pseudo).

        😉

        • Fernanda Monteiro on 26/06/2012 at 18:46

        Boa tarde, vi a sua resposta, mas não me convenceu, porque este vídeo não explica as primeiras luzes que eram simétricas e não desapareciam, fora testemunhas que viram uma enorme nave escura com uma luz enorme no meio, por baixo.

      1. http://www.astropt.org/2009/01/18/ovnis-em-phoenix/
        http://www.astropt.org/2011/11/10/luzes-de-phoenix-voltaram/

        É absolutamente irrelevante se a convence ou não 😉
        Aqui damos-lhe a verdade.

        Se prefere acreditar em testemunhos, que como se sabe, costumam estar redondamente enganados (não faltam estudos sobre isso, e qualquer pessoa pode fazer simples experiências em casa como eu faço com os meus alunos nas aulas), aí o problema já é seu 😉

        abraços!

      2. Olá Fernanda,

        O que quer dizer por “simétrico”?
        E dependendo do que quer dizer com isso, exactamente de que forma essa “simetria” torna impossível serem paraquedistas? Eles nunca podem cair de forma “simétrica”? Ou de forma aparentemente “simétrica” dependendo do sítio onde é feita a gravação?

        E perante a impossibilidade de explicar algo, a hipótese de ser uma nave extraterrestre fica provada por defeito? “Eu não sei, portanto sei” não tem sentido lógico. O máximo que se pode fazer é deixar todas as hipóteses em aberto.

        Testemunhas até podem existir, assim como do Monstro do Loch Ness, mas nunca se deve esquecer que as pessoas são falíveis, podem interpretar mal aquilo que vêm, nós só temos acesso à sua interpretação e não aquilo que presenciaram realmente. Todos os anos Vénus é confundido com uma nave extraterrestre, existindo pessoas que garantem a pés juntos que o viram mexer-se de uma forma estranha.

        Cumprimentos

        • Fernanda Monteiro on 26/06/2012 at 21:09

        Obrigada pela sua resposta bem educada, eu comentei pelo que vi no documentário que me passou muita credibilidade. E lhe digo uma coisa, eu sou uma pessoa muito honesta, e já vi coisas, que não comento até porque não tenho certeza do que pode ter sido, intuíções, uma até que salvou minha própria vida, mas pode ser tanta coisa não é? E acredito que muitas pessoas como eu, só vão falar uma coisa se tiverem certeza, e acredito que tudo é possível, este universo é grandioso. Eu acredito que muitas naves que muitas pessoas vêem são daqui mesmo, muito mistério sobre isso com certeza, e porquê será? Agora outras coisas não se tem explicação desde muito tempo. Fernanda.

      3. Marco,

        Se as pessoas preferem acreditar no “diz que disse” em vez de na verdade dos factos… não se pode fazer nada por elas…

        Pela lógica da Fernanda, o Pai Natal existe, porque existem milhares de testemunhos todos os anos, que juram a pés juntos que o viram…

        Isto é tão facilmente compreensível que qualquer pessoa pode fazer montes de experiências em casa e na rua, onde percebe facilmente que o que vê e o que pensa que vê são coisas completamente diferentes…

        Mas a verdade é irrelevante, se as pessoas põem o “diz-que-disse” acima do conhecimento dos assuntos.

        • Fernanda Monteiro on 26/06/2012 at 20:57

        Estou lhe respondendo aqui pela última vez, só para lhe dizer que acredito que ainda existem pessoas honestas como eu sou, que não mentiriam por causa de dinheiro ou para ficarem populares.

        (comentário editado)

        Obrigada de qualquer maneira, e vou continuar assistindo documentários sobre ufologia e civilizações antigas, até porque sou fascinada sobre os mistérios do universo.

      4. Fernanda,

        Aquilo em que você acredita é completamente irrelevante.
        A verdade não depende de você acreditar ou não nela.

        2 + 2 = 4
        É totalmente irrelevante se você acredita na matemática ou não. A verdade é o que é.

        Ninguém lhe disse que as pessoas não eram honestas. Você é que assumiu parvoíces porque não sabe ler o que se escreve.
        Buzz Aldrin, o 2º homem na Lua, foi uma vez “perseguido” pelo planeta Vénus, que ele pensava que era uma nave…
        Note que ele não estava a mentir, simplesmente viu mal. Quando chegou à base, olhou novamente, e viu bem o que era.

        Não conseguir perceber o que são ilusões, e assumir que é por as pessoas serem desonestas é de uma parvoíce incrível.

        Mas a sua última frase é sintomática da sua falta de racionalidade.
        Os mistérios do Universo são-lhe explicados pelo conhecimento dos assuntos, pelos cientistas.
        Mas você prefere ver coisas que são completos DISPARATES para a VIGARIZAREM.
        http://www.astropt.org/2011/12/13/extraterrestres-antigos/
        http://www.astropt.org/2012/06/17/erich-von-daniken/
        Gosta de ser enganada, o problema é seu. É a sua vida.

        O seu comentário foi editado, já que foram retiradas todas as frases com insultos ao conhecimento.
        Se você é ignorante e gosta de ser ignorante, o problema é seu.
        Mas quando entra num LOCAL DE CONHECIMENTO (como o astroPT) para HIPOCRITAMENTE atacar os cientistas que lhe dão tudo na vida (seja a internet onde está agora, com computadores, telemóveis, electricidade, seja a televisão que lhe é dada por cientistas para você ver programas de vigaristas que nada sabem, seja medicina, etc), então aí a história já é diferente, porque eu trabalho (inclusivé para SI) e não tenho tempo para perder com faltas de educação.

        Passe Bem.

        P.S.: os seus comentários a partir de agora irão directamente para SPAM, sem nunca ninguém os ler.

      5. E não, nem tudo é possível, daí se ter CONHECIMENTO das coisas.

        Não é possível você se atirar do topo de um edifício de 20 andares, sem qualquer ajuda, e voar.

        Não é uma questão de acreditar, nem é uma questão de “tudo ser possível” (a palavra “possibilidade” é anti-saber), é questão de ter CONHECIMENTO sobre o que é a Gravidade.

      6. E TUDO ISTO já está explicado aqui neste local, por DEZENAS de vezes.

        Sugiro à Fernanda que LEIA e APRENDA sobre a VERDADE do Universo, e sobre os VERDADEIROS mistérios do Universo, em vez de perder o seu tempo a ver programas que a vigarizam, e em vez de perder tempo a fazer comentários sem sentido e a fazer-nos perder tempo a NÓS que temos que estar sempre a repetir as mesmas coisas…

        • Henrique on 27/06/2012 at 01:07

        Carlos, sou filho da Fernanda, acompanho o blog já há algum tempo, por ver aqui uma divulgação científica séria, por pessoas com embasamento para tal, e sobretudo, sem interesses econômicos, apenas o interesse em divulgar a informação.

        Porém me surpreendeu a hostilidade que houve quando a minha mãe não se convenceu com a respostas dadas à minha pergunta. Sugeri que minha mãe entrasse no blog quando vi este tópico, e também por se tratar de um blog de divulgação científica, onde mesmo pessoas que estão fora do ambiente acadêmico conseguem entender os tópicos abordados.

        Queria que ela tivesse informação de quem entende bem do assunto, já que ela costuma ver estes documentários sem objetivos sérios. Porém o que vi foram respostas intolerantes a quem notavelmente não entende do assunto.
        Creio que o tom das respostas aqui não seriam muito diferentes das que eu receberia caso colocasse em cheque dogmas religiosos com fanáticos. Entendo que seja chato repetir o mesmo discurso infinitas vezes, mas entendo também que quando não estamos dispostos a fazê-lo, é melhor não fazer.
        A ciência, sobretudo a astronomia, ensina a humildade, já dizia Carl Sagan.

      7. Henrique,

        As coisas são simples: este é um local de conhecimento.
        Aqui sabe-se que 2 + 2 = 4.

        É-me completamente indiferente se as pessoas estão “convencidas” disso ou não, ou se “acreditam” ou não.

        Os argumentos da sua mãe foram totalmente irrelevantes.
        Existem milhentos estudos sociais sobre testemunhos. Os testemunhos são subjectivos. Nunca deveriam ser usados dessa forma, para mostrar “não convencimento”.

        Dizer que vê os programas vigaristas na televisão, também não serve obviamente como argumento.

        Dizer que “acredita” em X ou Y, é também totalmente irrelevante para a verdade.

        Se reparar, eu não falo aqui no que “acredito” ou “deixo de acreditar”, naquilo que estou “convencido” ou não, ou sequer naquilo que são testemunhos pessoais. Seriam argumentos ridículos da minha parte, que não fariam qualquer sentido.

        Se reparar, mesmo em entrevistas em que me perguntam o que “acredito”, eu sublinho essas diferenças.
        Exemplo:
        http://www.astropt.org/2011/01/30/carlos-oliveira-o-emigrante-cosmico/
        “Eu não gosto de diversas teorias científicas”: SETI, Quântica, Big Bang, Multiverso (…) o Universo não quer saber do que eu penso e das minhas filosofias. Os resultados científicos nem sempre são aqueles que eu gosto”.
        Percebe? Eu não conto. Os meus testemunhos não contam. As minhas crenças e os meus gostos não contam. O que conta é a VERDADE que nos é mostrada pelo Universo.

        Isto SIM é a demonstração de humildade. Não basta dizê-lo. É preciso fazê-lo!
        E sabe qual é o contrário de humildade? É entrar de forma arrogante por locais de conhecimento, dizendo que é é “assim” porque eu “acredito” ou estou “convencido” que é assim.

        O que conta é a verdade, e essa é só atingida pelo Conhecimento dos assuntos, e não por aqueles vigaristas que dizem o que a sua mãe quer ouvir (como nos mostram milhares de estudos, as pessoas são facilmente convencidas pelos vigaristas, porque esses dizem aquilo que as pessoas querem ouvir).

        Se as pessoas querem saber sobre os assuntos, devem pesquisar.
        Não devem entrar em locais de conhecimento, sem saber um mínimo sobre esses locais, sem saberem do que se trata, e sem conhecerem um mínimo daquilo que por lá se faz.
        E aqui existe um botão de pesquisa: precisamente para não se estar sempre a repetir o mesmo.

        Ninguém abre um livro, e em vez de procurar um assunto nesse livro, lembra-se de andar a chatear o autor sobre um tema que já está explicado no livro na página 100. A pessoa deve ler o livro, ver o índice, e procurar sobre esse tema.

        Quanto à forma como a sua mãe entrou aqui e se dirigiu a nós, eu pergunto, a sua mãe faz o mesmo num hospital ou numa universidade?
        Será que a sua mãe entra por um hospital dentro, e começa a discutir com médicos a dizer que não está convencida que o sangue é vermelho?
        Será que a sua mãe entra por uma escola dentro e vira-se para o professor de matemática e diz-lhe que não está convencida que 2 + 2 = 4 ?
        E o argumento que ela usa para esse convencimento, é porque alguém lhe disse que não era assim, baseada em testemunhos pessoais de quem não estudou o assunto?

        Obviamente que será convidada a sair, e será lhe dito para estudar sobre o assunto, e fazer a experiência por ela.
        Por exemplo, no caso do sangue, é completamente irrelevante os testemunhos pessoais em que ela se baseia, é completamente irrelevante se ela está convencida disso ou não, é completamente irrelevante o que ela acredita.
        Basta ela estudar medicina e/ou fazer a experiência (por exemplo, com uma pequena picadela), para ficar imediatamente a saber que o sangue é vermelho.
        Ela não precisa fazer perder tempo a ninguém, nem precisa ser insolente com ninguém na forma como decide entrar nos locais e dirigir-se às pessoas.
        Basta estudar os assuntos para ter conhecimento deles, e basta fazer as experiencias.

        Foi o que lhe foi dito.
        O resto, as crenças delas, os convencimentos delas, os testemunhos que ela decide acreditar, são totalmente irrelevantes. Isso é o oposto de conhecimento.

        Por fim, o Henrique não viu respostas intolerantes, porque não houve sequer perguntas!
        Esta foi a 1ª mensagem da sua mãe:
        “Boa tarde, vi a sua resposta, mas não me convenceu, porque este vídeo não explica as primeiras luzes que eram simétricas e não desapareciam, fora testemunhas que viram uma enorme nave escura com uma luz enorme no meio, por baixo.”
        Não houve qualquer pergunta!!
        Não houve uma tentativa de saber mais!
        Houve sim um comentário, totalmente sem nexo, porque se baseou em “convencimentos” e em “testemunhos”.
        A sua mãe não quis aprender. Só quis, de forma intolerante, entrar por um local de conhecimento adentro e dizer o que ela pensava… por causa do convencimento dela.
        A resposta que lhe dei foi esta: “É absolutamente irrelevante se a convence ou não 😉 Aqui damos-lhe a verdade.”
        Uma resposta totalmente baseada na verdade sobre qualquer assunto. E até coloquei um “smile”. Onde vê intolerância ou má-educação? Qual é o tom errado da resposta?
        E seguidamente disse também isto: “Se prefere acreditar em testemunhos, que como se sabe, costumam estar redondamente enganados (não faltam estudos sobre isso, e qualquer pessoa pode fazer simples experiências em casa como eu faço com os meus alunos nas aulas), aí o problema já é seu ;)”
        Mais uma vez, baseei-me somente na VERDADE para lhe responder desta forma. Ela é livre de se convencer do que quiser. Se ela quer ser vigarizada, o problema é dela. A vida é dela. Aqui não tentamos convencer ninguém. Aqui é-lhe dito a verdade. Se duvida, estude sobre o assunto e faça as experiências. Se quer acreditar em parvoíces, o problema é dela… não é nosso. Não podemos fazer mais por ela, a não ser dar-lhe a informação verdadeira.
        ONDE é que isto é ser intolerante? Pelo contrário: somos tão tolerantes que nem nos importamos do que as pessoas acreditem, mesmo que sejam puras mentiras… logo que não nos chateiem com essas mentiras.

        Se eu lhe disser que 2 + 2 = 4, isto é ser intolerante?
        E se alguém entrar aqui e decidir dizer que não está convencido disso, porque leu sobre uns testemunhos quaisquer de que afinal 2 + 2 = 567… isto é ser correcto?
        E se eu responder isto: “a resposta já foi dada. Se quer acreditar que 2 + 2 = 567, o problema é seu”. Isto é ser intolerante?
        E se de resposta a esse meu comentário, tiver comentários com falta de educação (a sua mãe que lhe conte sobre o comentário que tive que lhe apagar), em que ela se vira contra o conhecimento, e diz, por exemplo, que ela pode acreditar no que quiser e não quer saber do que a matemática diz?
        Acha que isso é forma de entrar em locais de conhecimento e falar com as pessoas que detêm mais conhecimento sobre determinados assuntos?
        É óbvio que ela pode acreditar no que quiser. Não deve é entrar em locais de conhecimento, virar-se contra quem detém mais conhecimento que ela sobre esses assuntos e ainda usar esse conhecimento (ex: internet) para dizer mal dele.

        Parece-me que a intolerância vê-se sim em quem não quer saber do conhecimento, não quer saber da verdade, não quer estudar sobre o assunto, não quer fazer a experiência, mas simplesmente quer ficar presa ao seu próprio convencimento e às suas próprias crenças, por mais erradas que objectivamente sejam.

        abraços Henrique!

        • Fernanda Monteiro on 27/06/2012 at 06:35

        Mentiroso, não falei nada de matemática (…)

        (comentário editado)

      8. Fernanda, o comentário foi novamente editado porque eu não estou para perder mais tempo a repetir-me.

        Henrique, por favor, fale com a sua mãe, e explique-lhe que antes de me insultar de mentiroso, a sua mãe devia aprender a ler.
        Eu dei dois exemplos, o da matemática e da medicina, para comparar com aquilo que a sua mãe fez aqui com as luzes de Phoenix.
        Em lado nenhum eu afirmo que a sua mãe falou de matemática, como a sua mãe de forma totalmente errada escreveu.
        Espero que explique isso à sua mãe, e espero que lhe explique também que a partir de agora, os comentários dela irão para SPAM porque é totalmente claro que ela não sabe nem quer saber sobre os assuntos. O único objectivo dela parece ser insultar quem lhe dá conhecimento.

        abraços

    2. Pois é…

      Eu era um que dava “fé” ao Disclosure Project, porém era um tal de “vamos publicar os documentos secretos” hoje, “vamos publicar os documentos secretos” amanhã e, até agora, bulhufas de nada. 🙁

      Até o fundador do projeto, Steven Greer, lançou um vídeo recentemente pedindo auxílio financeiro ao público pra poderem lançar um filme sobre extraterrestres (claro que com “evidências incontestáveis” que estamos sendo visitados por et’s há milênios):

      http://www.youtube.com/watch?v=4n0FO_HtF5s&feature=player_embedded

      Se eles querem dinheiro, por quê não publicam os tais documentos secretos pra, no mesmo instante, inundar de patrocinadores?

  4. Mas é claro que existem OVNI’s! Todas as vezes que vejo algo a voar e não sei bem o que é (por estar longe ou precisar de óculos)!

    1. Precisamente 😉

  5. Boa tarde, sr. Carlos.

    Hum… Já está explicado por que há tantas seitas religiosas na Terra (muitas derivadas do Cristianismo e Judaísmo): serão imaculadas concepções as “milhões de grávidas na Terra sem explicação”…? 🙂

    Agora algo relacionado com isto mas a respeito do “Prometheus”. No IMDB, encontrei isto na parte do Trivia:

    «According to Ridley Scott, the film’s plot was inspired by Erich von Däniken’s writings about ancient astronauts: “Both NASA and the Vatican agree that it is almost mathematically impossible that we can be where we are today, without there being a little help along the way. That’s what we’re looking at: we are talking about gods and engineers, engineers of space. Were the Aliens designed as a form of biological warfare, or biology that would go in and clean up a planet?” »

    A NASA terá afirmado verdadeiramente isso? Que tivemos alguma ajuda “de fora” para sermos o que somos hoje? E que não é possível (“matematicamente”) termos o completo mérito da nossa evolução? Os pseudos devem ter um infiltrado por lá (se for verdade, o que não acho)….

    Abraço.

    1. Olá,

      Sobre Prometheus:
      http://www.astropt.org/2012/06/10/prometheus-3

      Não. A NASA não disse isso.
      A NASA, como qualquer pessoa com conhecimento do assunto em questão, afirma que a nossa evolução dependeu de factores extraterrestres, como colisão de cometas, por exemplo.
      Nada tem a ver com avançados seres extraterrestres. Isso é pura mentira dos pseudos.

      abraços!

    • Rafael Ligeiro on 24/06/2012 at 20:07
    • Responder

    Poderiam usar esse tempo para transmitir um debate sobre aspectos específicos da astronomia…

    Mas não pense que seria diferente no Brasil…

  6. Pode ser que ocorram muitos enganos sobre esse assunto, mas também é verdade que alguns aparecimentos são totalmente inexplicáveis. Esse tipo de coisa não pode ser simplesmente desconsiderada.

    1. Inexplicáveis não quer dizer extraterrestres.

      Inexplicáveis, na grande maioria das vezes já estão totalmente explicáveis, mas os vigaristas é que continuam a dizer que não há explicação.

      Inexplicáveis baseia-se na ideia pseudo da possibilidade, e não na ideia científica, racional, que nos dá tudo na vida, da probabilidade.
      Já expliquei isto aqui no blog 😉

      Não é desconsiderar. Há quem investigue este assunto de forma séria. E depois há os ignorantes que só dizem disparates.

      Quem estuda o assunto já leu os documentos da CIA sobre isto, por exemplo, onde eles próprios reconhecem o que faziam para vigarizar a população sobre este assunto.

      Quem estuda o assunto, sabe de vários aviões secretos, humanos, que os ignorantes não fazem ideia.

      Voltando aos inexplicáveis, de todos os casos que estudei, só um é inexplicável: o de Alfena. E com isto não estou a dizer que é extraterrestre!
      Já falei deste caso várias vezes aqui no blog… 😉

      abraços!

    2. Lua,

      Experimentos secretos militares (ao longo das décadas) respondem à estes 1% – que correspondem à estes “fenômenos” inexplicáveis? 😉

      1. Precisamente.

        Nesses 1% estão incluídos: mentiras, satélites espiões, naves secretas, e a psique humana.
        Isso faz deles “inexplicáveis”…

        http://www.astropt.org/category/ovnis/
        http://www.astropt.org/2011/04/14/como-se-fazem-ovnis/
        http://www.astropt.org/2011/04/14/fbi-diz-que-ets-cairam-em-roswell/
        http://www.astropt.org/2011/07/01/satelites-espioes/
        http://www.astropt.org/2010/11/03/ovnis-secretos/

    3. Carlos,

      Também temos o “nosso”: Operação Prato.

      Não sei se chegou a debruçar sobre o tema, porém minha opinião é: ilustra bem uma espécie de experimento secreto militar – sabe-se lá por qual motivo.

      Não acredito que extraterrestres altamente evoluídos venham de qualquer lugar do Universo pra ficarem lançando “raios” luminosos e ferindo pessoas. Isso está mais, vulgarmente falando, com “cara” de experimento militar estrangeiro.

      P.S.: não conhecia sobre o “Caso Alfenas”, porém, quando pesquisei, por agora, veja o que encontrei logo de cara (já li o texto por completo 😉 ):

      http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=3505&Itemid=86

      Tais importante, não Carlos? 😉

      Abraços.

  7. Dos comentários lá no artigo da TVI24, gostei especialmente deste comentário:

    “Luís Aparício, são pessoas como tu que há base de tanta asneira e disparate juntos, fazem passar um tema sério para um número de circo. É triste.”

    Só acrescento: não é só culpa desta pessoa ignorante, mas a maior parte da culpa tem que se atribuir neste caso à comunicação social e à “jornalista” em causa que preferem divulgar disparates circenses para estupidificar a população, do que informar devidamente a população como deveria ser a sua obrigação!

    1. Tendo em conta que esta jornalista fez um péssimo trabalho de procura de fontes credíveis, chamando “especialista em ovnis” a quem não o é, qualquer dia também vai entrevistar este, também lhe chamando especialista:

      http://www.astropt.org/2010/05/02/brasileiro-raptado-por-ets/

      enfim… é o poder da desinformação…

  8. Mais algumas frases engraçadas:

    “preocupante a afirmação do Presidente da APO : «Existem milhões de grávidas na Terra sem explicação»”

    “e roubam as nossas vacas,esvaziam-nas e depois atiram-nas cá pra baixo!”

    “Oh, pá! Não! As lágrimas escorrem-me e dói-me o estômago de tanto rir. Fogo! 105 milhões de pessoas “abduzidas”?”

    “E roubam electricidade com cabos! Fazem puxadas!”

    “E o tráfego intenssíssimo de OVNI? Já era tempo de instalar semáforos e construir rotundas no céu, não?”

    “Fonte da telha tem um tráfego intensíssimo!
    Realmente tem.. quando lá vou à praia fico horas no trânsito.. :)))
    Na fonte da telha costuma haver muitos parapentes. Eu próprio já voei lá. Se calhar ele pensa que os parapentes são ET’s.. lolol!”

  9. Na nossa página de Facebook, também repararam nos disparates deste péssimo jornalismo:
    http://www.facebook.com/astropt#!/astropt/posts/248002135315298

    “Quando cliquei estava à espera de ver disparates, mas não tantos… e o guia “como nos comportarmos perante um ovni”? Priceless”

    “Muito obrigado! Graças a este guia sinto-me muito mais seguro! Pensava que estes seres extraterrestres eram extremamente inteligentes, mas a avaliar pelo guia são bastantes estúpidos (até podem confundir uma lanterna com uma arma), logo a possibilidade de conseguirem conquistar a Terra é bastante remota.”

    “«Os extraterrestres vieram roubar-nos eletricidade através de cabos que atiraram das naves»
    Agora percebo porque é que a EDP está farta de aumentar os preços em Portugal…”

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.