Visão de Cientista

Carl Sagan disse que a ciência é muito mais uma forma de pensar do que conhecimento sobre um assunto (“Science is a way of thinking much more than it is a body of knowledge”).

O Abstruse Goose tem este cartoon engraçado sobre a forma como os cientistas vêem o mundo (equações em todo o lado) 😀

E a explicação dessas equações, dentro das áreas da ciência onde se encontram, nesta imagem que foi criada pelo nosso colaborador Cavalcanti:

8 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Dinis Ribeiro on 15/07/2012 at 09:10
    • Responder

    Gostei muito do desenho!

    Quanto ás equações… Para já junto estes links:

    São as reações nucleares de fusão no sol:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_pr%C3%B3ton-pr%C3%B3ton

    A Gravitação Universal:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Gravita%C3%A7%C3%A3o_universal

    Equações Maxwell:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Equa%C3%A7%C3%B5es_de_Maxwell

    Séries de Fourier:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9rie_de_Fourier

    Contudo,

    No canto superior direito, o que está desenhado não tem nada a ver com a Gaiola de Faraday!

    1) http://pt.wikipedia.org/wiki/Gaiola_de_Faraday /
    2) http://en.wikipedia.org/wiki/Faraday_cage
    3) Mathematical derivation of the Faraday cage from the Maxwell Equations
    http://www.pa.msu.edu/~duxbury/courses/phy294H/lectures/lecture6/lecture6.html
    http://www.physicsforums.com/archive/index.php/t-119927.html

    O que se vê são diagramas que mostram radiação electromagnética e partículas geradas por raios cósmicos!

    “Uma imagem vale mil palavras”: https://www.google.pt/search?q=cosmic+ray+shower&hl=pt-PT&prmd=imvns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=OmgCULKaIK3BiQfnz4yeCA&ved=0CFcQsAQ&biw=1440&bih=813

    1) http://en.wikipedia.org/wiki/Air_shower_(physics)
    2) http://www.mpi-hd.mpg.de/hfm/CosmicRay/Showers.html
    3) http://en.wikipedia.org/wiki/Cosmic_ray
    4) http://pt.wikipedia.org/wiki/Raio_c%C3%B3smico

    Aliás,

    A Anomalia Magnética do Atlântico Sul, AMAS ou SAA (do inglês, South Atlantic Anomaly) é uma região onde a parte mais interna do cinturão de Van Allen tem a máxima aproximação com a superfície da Terra.

    O resultado é que para uma dada altitude, a intensidade de radiação é mais alta nesta região do que em qualquer outra.

    No Sul do Brasil, no Estado do Paraná, município de Paula Freitas se localiza um Laboratório de Pesquisas em Geomagnetismo do Instituto de Aeronáutica e Espaço, IAE, ligado ao Comando Geral de Tecnologia Aeroespacial, CTA, chamado Campus de Pesquisas Geofísicas Major Edsel de Freitas Coutinho, é um Campus de Pesquisas, cuja finalidade principal é o estudo da Anomalia Geomagnética do Atlântico Sul e seus efeitos em âmbito regional e global.

    5) http://en.wikipedia.org/wiki/South_Atlantic_Anomaly
    6) http://pt.wikipedia.org/wiki/AMAS

    Passing through the South Atlantic Anomaly is thought to be the reason for the early failures of the Globalstar network’s satellites.

    The PAMELA experiment, while passing through the SAA, detected antiproton levels that were orders of magnitude higher than those expected from normal particle decay.

    This suggests the Van Allen belt confines antiparticles produced by the interaction of the Earth’s upper atmosphere with cosmic rays.

    NASA has reported that modern laptops have crashed when the space shuttle flights passed through the anomaly.

    E há 3 tipos de observatórios. Medições a partir do solo, a partir de instrumentos colocados em Balões, e a partir de satélites:

    7) http://en.wikipedia.org/wiki/Cosmic-ray_observatory

    Em qualquer dos casos, com alguma boa vontade, não deixará de haver (talvez) algumas”semelhanças” (sobretudo relativamente aos efeitos protetores sobre as formas de vida) entre uma Gaiola de Faraday e o Cinturão de Van Allen:

    8) http://pt.wikipedia.org/wiki/Cintur%C3%A3o_de_Van_Allen
    9) http://en.wikipedia.org/wiki/Van_Allen_radiation_belt

    1. Sim, Ribeiro. Agradeço a correção.

      Estava a ter dúvida nesse ponto e, infelizmente, naquele momento, eu não possuía nenhum livro à mão.

      Um abraço.

      1. Carlos, a correção foi enviada faz algum tempo. 😉

        Acredito ter um “delay” no envio para o correio eletrônico… 🙁

      2. Calma 🙂

        Eu trabalho, tenho vida social, e ainda durmo 😛

      3. A imagem já foi actualizada 🙂

        Obrigado aos 2 ! 😀

        • Cavalcanti on 16/07/2012 at 23:13

        “(…) e ainda durmo 😛 ”

        Não é bem assim. 😛 Segundo minhas fontes seguras de Tatooine, 😛 o Carlos está, já agora, após seu doutorado, dia-e-noite, a tentar desvendar um dos mistérios da Astronomia: os processos que antecedem a explosão de uma estrela para supernova. Como? Fazendo reagir potássio e água, como mostra o vídeo abaixo:

        http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=pPdevJTGAYY#!

        Em tempo: Carlos é o simpático senhor de cabeleira no melhor estilo “blackpower” do início do vídeo. 😛

      4. 😀

    • Jonatas Almeida da Silva on 14/07/2012 at 14:14
    • Responder

    Muito legais as ilustrações.
    O cientista olha mesmo o mundo de forma diferente. Não que ele não saiba apreciar a beleza de um arco-íris, mas ele analisa a formação simplesmente pela memória humana, que é associativa, logo quando ele olha já lembra do que sabe de como acontece o fenômeno, uma função automática executada pelo cérebro.
    Ser cientista é o máximo. 🙂

  1. […] à Ciência. Feynman, descobre. 10 descobertas. História do Conhecimento. Evolução tecnológica. Visão de Cientista. Crédito. Aplicações Práticas na Engenharia, Física e Astronomia. 7 Equações que governam o […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.