Luas no Sistema Solar

Sabiam que existem pelo menos 171 luas no nosso Sistema Solar ?

7 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Já agora podem incluir a Terra como lua do Sol ou então os imensos satélites terrestres 🙂

  2. Faltam as 4 de Plutão…

    1. Correcto! 🙂

      Vocês não deixam passar nada 🙂 Fantástico!
      Obrigado 😉

      E ainda faltam outras, como por exemplo a Dactyl:
      http://en.wikipedia.org/wiki/243_Ida

      Bem, somando todas as outras que estão em falta… deveremos estar próximos de 200 então 😉

      1. Bom, se podemos incluir Planetas Anões, Haumea tem duas, Éris uma, Orcus uma (e bem grande, 1/3 do tamanho do objeto primário), e Quaoar também tem uma. Alguns asteróides já fica até difícil de definir: em alguns casos a diferença entre o primário e o secundário fica em desprezíveis kms, ou mesmo metros…

        É meio difícil elaborar uma classificação específica para todos os satélites pois a variedade de órbitas de um sistema pra outro é grande… Notei que as distâncias entre planetas e luas é maior quanto mais massivo o Planeta: as de Júpiter são mais afastadas ao planeta do que as de Saturno, e sequencialmente as de Urano são mais próximas a Urano que as de saturninas a Saturno.

        É verdade que a astronomia planetária classifica todo o satélite com órbita irregular ou retrógrada (em relação oposta à rotação do Planeta e à translação das demais luas) como um objeto capturado?

      2. “É verdade que a astronomia planetária classifica todo o satélite com órbita irregular ou retrógrada (em relação oposta à rotação do Planeta e à translação das demais luas) como um objeto capturado?”

        A lua Tritão é um dos exemplos.
        http://en.wikipedia.org/wiki/Triton_%28moon%29
        Provavelmente seria um planeta-anão da Cintura de Kuiper.

        • Rui Costa on 05/09/2012 at 00:00

        «Notei que as distâncias entre planetas e luas é maior quanto mais massivo o Planeta: as de Júpiter são mais afastadas ao planeta do que as de Saturno, e sequencialmente as de Urano são mais próximas a Urano que as de saturninas a Saturno.»

        Há uma razão para isso. tem que ver com o efeito de maré e a capacidade de um planeta desintegrar uma Lua que se aproxime demasiasdo (ou de impedir a formação de satélites naturais próximo do planeta).

        Por exemplo em Júpiter há satélites mais próximos do planeta do que Io, mas são pequenos planetas. Io, com o seu grande diâmetro, só pode existir porque já está mais afastado de júpiter. Mas mesmo assim, Júpiter cria um campo gravítico tão forte que a diferença da força gravítica entre o lado voltado para Júpiter e o lado mais afastado é tanta que o satélite está constantemente a ser “esticado” pelo efeito de maré, enquanto a gravidade própria do satélite se esforça por mantê-lo coeso e esférico. Estas forças opostas, fazem com que o planeta tenha vulcões ativos e que a sua crosta esteja sempre a ser renovada pela lava ejectada.
        Se Io estivesse mais próximo de Júpiter, “próximo do limite de Roche”, desfazer-se-ia e formaria um anel semelhante aos anéis de Saturno.

      3. Obrigado Carlos e Rui Costa. Eu adoro a Tritão, é um mundo magnífico com seus vulcões e gêyseres exóticos de Nitrogênio e Metano… Imagino a surpresa que os astrônomos tiveram décadas atrás quando a Voyager 2 revelou que um mundo que devia ser frio e sem nada interessante pra ver era na verdade um planetinha dinâmico quase que psicodélico… 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.