Discutir com pseudos

Sam Harris levanta uma boa questão: é possível falar eficazmente com pseudos, trolls, e derivados?

“Água (H2O) é duas partes hidrogénio e uma parte oxigénio. E se alguém disser, “não é dessa forma forma que eu decidi pensar em água”? Só podemos argumentar com conhecimento científico. Mas se ele não partilhar dos valores científicos, então a conversa está acabada. Se a pessoa não valorizar a evidência, que evidência se pode dar para ele valorizar? Se a pessoa não valorizar a lógica, que argumento lógico se pode dar para ele valorizar?”

3 comentários

1 ping

    • Renan Boschetti on 06/10/2012 at 15:24
    • Responder

    Esclarecedor, nos ultimos meses venho a conviver com algumas pessoas evangélicas, espécie de cristãos protestantes que estão a se multiplicar aqui no Brasil, assim como nos EUA, porém, aqui parece que eles ostentam um radicalismo peculiar, qualquer coisa que não remete a deus ou a jesus cristo é a própria personificação do satanás, e isso inclui os ateus. Eu já tentei em algumas oportunidades expor alguns argumentos racionais, mas como o texto esclarece, esse tipo não dá a mínima pra valores cientificos, ou seja, à lógica e a razão, assim fica difícil estabelecer uma discussão produtiva, a conversa caminha sempre no sentido de opiniões pessoais e crenças, os crentes mais “intelectualizados” ainda colocam o ateísmo em pé de igualdade com a fé, dizendo que o ateísmo também é um tipo de fé, como se nossa posição não fosse fundamentada em uma série de evidências conquistadas através da mente racional. Mas o que me deixa pensativo, é o fato de essas pessoas também se tratarem de seres humanos, providos do mesmo potêncial racional de qualquer outro ser humano, eu não creio que haja pessoas “burras”, e sim que todos podem entender ciência e embasar suas opiniões na razão, o ponto fundamental é que eles não querem entender, para eles é muito confortavel acreditar num ser invísivel que nos criou e após a morte viveremos ao seu lado para sempre.

  1. nem mais….

    um burro será sempre um burro

  2. Nesta imagem, vi um comentário engraçado feito no facebook:
    “O meu professor de canto costumava-nos dizer: Não consegues ensinar um porco a cantar. Tu perdes o teu tempo, e ainda chateias o porco”

  1. […] nas costas e queimaduras na pele. Profecia de Verão gelado (aqui e aqui). Erros e mais erros. Discutir com pseudos. Jogar xadrez com pombos. Estórias. Touradas irracionais. Money bag. Disparates Virais. Caneta […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.