SIC descobre vida em Marte ?

Num exemplo perfeito de péssimo jornalismo, a SIC notícias e outra comunicação social anda a difundir várias tretas.

Por exemplo, andam a dizer que as condições actuais no Alentejo são semelhantes às condições que existiram aquando da origem da vida na Terra. Isto é mentira. Basta ver que nessa altura, nem sequer oxigénio existia (apesar de controvérsias recentes). A não ser que a SIC & Companhia pensem que no Alentejo não existe oxigénio actualmente.

Obviamente que a vida também não teve “origem no Alentejo”. Não existia Alentejo na altura, porque desde há 4 mil milhões de anos, a geologia já mudou consideravelmente, incluindo os continentes já se juntaram e se separaram algumas vezes, provocando inúmeras mudanças a nível geológico.

O interesse nestas termas é o elevado teor de compostos de enxofre. Sendo que há 4 mil milhões de anos a Terra era rica em enxofre, então como não se tem máquinas de tempo, estuda-se os locais na Terra que actualmente têm enxofre para tentar perceber como os organismos actuais vivem disso (quimiossíntese) nessas zonas e especular sobre como potenciais organismos muito primitivos poderiam ter condições semelhantes. É só.
Mas estas condições existem em muitos outros lados na Terra, por exemplo, em cavernas um pouco por todo o lado, onde os microorganismos prosperam. Não é só no Alentejo, nos EUA, e em Marte!

E quanto à origem da vida, TODO o planeta Terra era um imenso laboratório para o aparecimento da vida, sendo que algumas zonas (como as famosas “sopas primordiais”, as chaminés negras no fundo dos oceanos, etc) têm maior probabilidade de origem da vida. Mas, tal como em alguns exemplos de evolução cultural (ex: agricultura, escrita, etc), também a evolução biológica terá surgido em vários locais mais ou menos simultaneamente, sendo que durante os primeiros milhões de anos, em vários desses locais a vida terá se extinguido rapidamente enquanto que noutros locais terá se mantido.

Por várias vezes dizem que os “cientistas acreditam”. Isto é um ataque à ciência, porque é uma das concepções erradas mais frequentes. A ciência não se faz de acreditar! Só aqui no astroPT existem dezenas de artigos a explicar a natureza da ciência. Infelizmente, estes jornalistas preferiram não se informar devidamente.

Ao 1 minuto de vídeo, o jornalista diz que a água em Cabeço de Vide só tem paralelo nos EUA e em Marte. Isto é puro disparate, já que em Marte não existe actualmente água líquida (no estado líquido).

Aos 10 segundos e aos 30 segundos, os jornalistas dizem: ” (…) uma bactéria que só foi detectada nas águas termais de Cabeço de Vide e em Marte”; “(…) Cabeço de Vide onde em 2008 foi detectada uma bactéria também descoberta no planeta Marte”. Isto é um total e completo disparate! Não foi detectada qualquer vida em Marte, seja bactérias ou não! Não foi detectada qualquer bactéria em Marte!

Mas então o que diz o cientista da NASA, Steve Vance?
Ele diz que a geologia encontrada actualmente naquela zona do Alentejo, é semelhante à geologia que se pensa ser necessária para criar condições favoráveis ao aparecimento da vida tal como a conhecemos (e a vida quando começou na Terra, actualmente seria considerada extremófila). E também fala de um instrumento para detectar etano e metano (que já existe em Marte). É só!
Como diz José Manuel Marques ao Boas Notícias (que também foi levado inicialmente pelo sensacionalismo e depois, e muito bem, corrigiram os erros na notícia): “(…) os dados recolhidos nos últimos anos permitem estabelecer uma relação entre as rochas de Cabeço de Vide, as de uma zona termal norte-americana e sedimentos dos solos marcianos”. E completa: “os cientistas sabem que algumas rochas marcianas têm elementos e características hidrogeológicas idênticas às rochas e às águas de Cabeço de Vide e às de The Cedars, uma zona termal nos EUA”.

Ou seja, esta notícia deveria ser sobre geologia e biologia. Nada mais.
Em momento algum deveria servir para difundir disparates sobre ter sido detectada uma bactéria em Marte!

11 comentários

7 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Eles só mudaram um pouquinho o depoimento do Steve Vance kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • João Pestana on 28/10/2012 at 19:29
    • Responder

    E a TVI voltou a repetir hoje a asneira…

  2. Descoberta vida em Marte? Acho que não! Por enquanto só robos…

  3. A notícia é muito má…não só revela uma grande deficiência na compreensão de conceitos científicos por parte do jornalista (possivelmente não por sua culpa), mas sobretudo problemas com a língua portuguesa. E isso é imperdoável num jornalista.
    Daqui aproveitam-se as declarações do cientista do JPL.
    ….E, como disse noutro local, é uma oportunidade perdida para uma notícia de ciência e uma adequada promoção de uma vila alentejana onde se está a fazer uma interessantíssima pesquisa.

  4. E pronto, já andam as piadas pela net (o Curiosity à procura de vida no Alentejo):
    https://lh3.googleusercontent.com/-kZ1RMSAVITA/UIFCNXfg3UI/AAAAAAAABQM/OmLimr2HYJE/s400/pmcurio.jpg

    • Bruno B Garcia on 20/10/2012 at 16:45
    • Responder

    O Antonio Borges é de Cabeço de Vide por isso para mim está tudo explicado é Marciano !!!n( ironia politica )

    no meio disto o Observatório Astronómico da Ribeira Grande – Monte das Estrelas – Fronteira a uns meros 14kms, nem visto nem achado…
    se o objectivo era o astroturismo foi um redondo tiro ao lado.

    mesmo assim convido-vos a fim de semana bem passado de dia nas termas

    http://www.jf-cabecodevide.pt/termas.htm

    e a noite observando estrelas no Celestron C-14 ou nos varios Orion XT-8

    http://www.facebook.com/pages/Observat%C3%B3rio-Astron%C3%B3mico-da-Ribeira-Grande-Monte-das-Estrelas-Fronteira/216510751728377

  5. Como comentou no facebook a “nossa” bióloga Diana Barbosa: “esta notícia poderia promover muito bem a localidade alentejana pela excelente Ciência que por lá se faz, evitando o disparate e as informações falsas. Mas deturparam tudo o que o cientista disse. Esta é uma reportagem que deveria ser obrigatória nos cursos de jornalismo para demonstrar “como não fazer uma notícia de ciência” “

  6. Muito bom artigo! Devo dizer que fiquei perplexo quando disseram que era uma bactéria que tinha sido detetada em Marte, e ainda quando disseram que o investigador era um Astrofísico e não Astrobiólogo.

  7. estou farto de ver o video original da SIC, cheio de erros, partilhado por aí… espero que partilhem também este artigo a corrigir o que foi dito 😉

  1. […] – Vida na Terra: origem com documentário. Origem da Vida. Alentejo. Evolução, comprovada, e mais notícias. Elo Perdido. Biodiversidade, ano, datas. Árvore. 1ª […]

  2. […] em cen­te­nas de sí­tios de de­sign tão ma­nhoso como o conteúdo. É tam­bém o mundo das bac­té­rias mar­ci­a­nas no Alentejo, das pro­vas da exis­tên­cia do Abominável Homem das Neves en­con­tra­das em tu­fos de […]

  3. […] Já vos tinha dito que iria estar no Instituto Politécnico de Portalegre para dar uma palestra geral sobre astrobiologia. Este convite veio a partir dos erros televisivos sobre a suposta bactéria marciana no Alentejo. […]

  4. […] sobre a parvoíce jornalística da “bactéria alentejana” (difundida pelas televisões SIC e TVI) os Adiafa estiveram no programa “5 para a meia-noite”, a cantarem uma canção […]

  5. […] Vida, Vida por Carlos Oliveira29/10/2012Depois desta parvoíce ter sido divulgada pela SIC (vejam aqui), agora é a TVI24 a dizer o mesmo absurdo oposto ao conhecimento que se tem do assunto.Segundo a […]

  6. […] pessoa do jornalista João Vasco Almeida. Desta vez, o tema do debate terá como ponto de partida a suposta descoberta de vida marciana no Alentejo, para se debater alguma ciência e mitos da astrobiologia. Os convidados serão: eu e o Sérgio […]

  7. […] para chegar à Lua ? Categorias: Imprensa, Pseudo-Astronomia por Carlos Oliveira22/10/2012Após as supostas bactérias marcianas no Alentejo, a comunicação social decidiu prendar-nos com mais uma pérola:Vou colocar as fotografias de 3 […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.