Missão Áster: Projeto Brasileiro levará Sonda Espacial ao Sistema Triplo de Asteróides 2001 SN263

 

Ao que parece, a parceria entre engenheiros e pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP); do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE); da Universidade de Brasília (UnB); do Observatório Nacional (ON); do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); da Universidade Federal do ABC (UFABC); da Universidade de São Paulo (USP); da Universidade Federal do Paraná (UFPR); da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT), além da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Universidade Federal Fluminense (UFF); Instituto Nacional de Estudo do Espaço (INEspaço); Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Astrofísica (INCTA); e do Museu de Astronomia de Ciências e Afins (MAST) – na parte da divulgação oficial científica – poderá, finalmente, levar a um feito inédito: o início do Brasil na exploração espacial. (este assunto já foi inicialmente tratado aqui, neste sítio. Clique aqui).

O objetivo científico principal? Lançar, em 2017 e pousar, em 2019, uma sonda no maior asteróide do sistema triplo 2001 SN263. O objeto maior possui 2,8 km de diâmetro. Os dois menores, que o orbitam – em ordem decrescente de diâmetro – 1,1 km e 0,4 km. A base científica deste projeto está alicerçada nos 30 anos de estudos e desenvolvimentos científicos acerca dos satélites espaciais. Na verdade, até a presente data, somente três missões foram realizadas para explorar asteróides (não, Bruce Willis não foi convocado): na virada deste século, a sonda norte-americana Near-Shoemaker pousou em Eros; em 2003, a sonda japonesa Hayabusa, por sua vez, coletou amostras e enviou imagens do asteróide Itokawa; e, neste ano, foi a vez da Dawn (NASA) analisar Vesta.

Asteróide triplo 2001 SN263 visualizado em fevereiro de 2008. Crédito: Arecibo Observatory

 

De fato, na positividade desta missão, o futuro sucesso desta colocará o Brasil no seleto grupo da Exploração Espacial. Tão ou mais importante, permitirá um maior entendimento acerca da evolução estelar – pois este sistema triplo tem indícios de ser um astro que manteve as características orgânicas em sua composição, assim como permitirá o desenvolvimento de áreas relacionadas à Engenharia Aeroespacial e criação de subprodutos benéficos para serem utilizados futuramente pela sociedade. 

Para saber mais, adquira a mais nova edição da revista de divulgação científica da SBPC, CIÊNCIA HOJE, número 298. O exemplar deste mês custa somente R$ 10,95. Revistas impressas de alta qualidade como esta, assim como as que certamente virão do AstroPT, precisam de todo o apoio da sociedade, para que as equipes consigam se profissionalizar cada vez mais; vencer a burocracia, para que uma ciência cada vez melhor transmitida possa abranger, sempre, um número maior de pessoas.

Esperamos que a péssima burocracia e a falta de interesse por parte da grande maioria política brasileira – como bem atentou  o leitor Denis (no artigo já indicado mais acima) –  não sejam um entrave para a execução desse importantíssimo projeto aeroespacial. A ciência só tem a agradecer – e todos nós, sem exceções, somente a ganhar. 😉

    

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • francisco Magnos on 28/09/2014 at 18:03
    • Responder

    Mim alegro quando vejo fala sobre o arredores da nossa terra!
    E que o Brasil consiga o desejado! explora o espaço!

      • francisco Magnos on 28/09/2014 at 18:11
      • Responder

      Ok

  1. A as sociacao dos factos é simples ignorancia as pessoas achao que só porque nunca viram uma coisa que é sobrenatural o meteoro da Rússia pode somente acomtecer a cada uma geração de outro modo é simples coecidencia ou sorte para quem é interessado

  2. Olá,
    Sim Cavalcanti, é esse mesmo. Obrigado pela atenção e esclarecimentos.
    Abraços!

  3. Olá, boa tarde!
    Ouvi em um programa de TV ontem falando sobre o meteoro que passou pelo Rio de Janeiro, disseram que daquele jeito que passou não é comum, o rastro que deixou. Gostaria de saber, por favor, por que não é comum e por que estão aparecendo alguns meteoros, disseram também que estão analisando ainda, e poderia ser um avião. Seria um meteoro mesmo ou avião? Obrigado e fiquem com Deus!

    1. Robert,

      Trata-se do caso abaixo?

      http://www.folhavitoria.com.br/geral/noticia/2013/02/bola-de-fogo-que-assustou-moradores-do-es-tambem-foi-vista-no-interior-do-rj.html

      Caso afirmativo, trata-se apenas da passagem de um avião no crepúsculo civil. Além da velocidade não característica de um asteróide e/ou meteoro, a trilha de condensação de cor característica dar-se-á devido, no pôr-do-Sol, os raios emitidos por este atravessam uma região muito maior da atmosfera terrestre, favorecendo o comprimento de onda maiores da luz visível, tais como o laranja e o vermelho, que possuem maiores valores para lambda.

      Após o incidente russo, é normal que pessoas comecem a olhar agora para o céu e comecem a associar eventos cotidianos com eventos raros – tal com ocorreu recentemente na Rússia, noticiado em todos os telejornais do globo. 😉

  4. Olá,
    Esses 3 asteroides descritos acima passarão perto da Terra em algum ano? Há algum risco? Ou é apenas exploração mesmo dos asteroides?
    Obrigado pela atenção e grande abraço!

    1. Olá RobertAC. Sinto não tê-lo respondido antes.

      Esse sistema triplo de asteróides completa sua órbita a cada 2,8 anos. Apesar de se tratar de um NEO (Near-Earth Object), não representa qualquer perigo à Terra. É apenas exploração espacial inédita brasileira.

      Grazie.

      Abraços.

        • francisco Magnos on 28/09/2014 at 18:19

        Desculpa em se meter! más queria saber se vai concretiza essa sonda mesmo! em 2017? se ela já está pronta?

  5. Gostei muito da notícia! Mas tenho que dizer que o escudo da missão ficou péssimo. Se tiver mais detalhes traz pra gente. Gostaria que minha faculdade se envolvesse também.

    1. (…) o escudo da missão ficou péssimo.

      😉

      Se tiver mais detalhes traz pra gente.

      Também fique atento às novidades trazidas através dos excelentes artigos do Prof. Luís Lopes. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.