Terra sofreu um ataque espacial há 8 anos

Concepção artística da explosão da magnetar em 2007. Crédito: NASA

Concepção artística da explosão da magnetar em 2007. Crédito: NASA

Se fosse hoje, milhões de vigaristas andariam a proclamar em websites pseudos que a vida na Terra iria ser destruída.
Mas não foi hoje.
Foi a 27 de Dezembro de 2004 que a Terra sobreviveu ao maior ataque espacial da era Humana.

Veio da constelação Sagitário, a cerca de 50.000 anos-luz de distância.
Durou apenas alguns décimos de segundo, mas difundiu tanta energia como o Sol durante meio milhão de anos…
Alguns satélites que orbitavam a Terra ficaram fritos e viram-se auroras fantásticas nos céus da Terra.
A Terra tinha levado um enorme murro energético… de raios gama.
E, por incrível que pareça, o autor deste “murro” estava a 50.000 anos-luz! Ou seja, incrivelmente longe! E mesmo assim, conseguiu produzir um “murro” poderosíssimo.

A fonte deste ataque invisível foi a magnetar SGR 1806-20, que se encontra do outro lado da nossa galáxia.

Uma Magnetar é um pulsar, uma estrela de neutrões com campos magnéticos 1.000 vezes superiores aos pulsares “normais” e que podem ser 1.000.000.000.000.000 vezes superiores ao campo magnético da Terra!
Na altura do “estouro”, estas magnetars produzem terramotos violentíssimos (23 na escala de Richter!), que provocam a erupção de energia.
Emitem raios energéticos, de raios X e raios gama, tão poderosos que arrasam tudo numa distância de alguns anos-luz.

A nossa Galáxia, com a localização da magnetar e da Terra. Crédito: NASA/JPL-Caltech/Plait

A nossa Galáxia, com a localização da magnetar e da Terra. Crédito: NASA/JPL-Caltech/Plait

A 19 de Março de 2008, outro ataque: os nossos satélites registaram uma dessas explosões quase direccionadas para a Terra… “cegando” alguns desses satélites.
Foi chamada de GRB 080319B, e foi visível até para os olhos humanos.
A estrela “moribunda” que deu origem a este “flagelo” encontrava-se a mais de 7 mil milhões de anos-luz de distância.

Felizmente para a Terra, as fontes de emissões de poderosas explosões de raios gama parecem estar todas muito longe…

As explosões de raios-gama são as maiores explosões que se conhecem no Universo. A maioria ocorre quando estrelas massivas “morrem” e transformam-se em buracos negros ou pulsares. Produzem “jactos” que são expelidos por todo o Universo.
Como a Terra é um minúsculo grão de poeira, o mais normal é que nem demos por esses jactos. Mas por vezes temos “sorte” e eles vêm mesmo alinhados connosco.

space attack

26 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Uma estrela vira um buraco negro? Pra depois que ela morresse virava uma estrela anã branca!? Me explica isso?

    1. ?? está a falar de quê?

      • Ricardo André on 30/12/2014 at 05:05
      • Responder

      Uma rápida pesquisa no Wikipédia responderá à sua pergunta: http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Evolução_estelar

      E o próprio Astro PT tem artigos sobre a evolução estrelar. Talvez esta infografia o ajude a compreender melhor: http://www.astropt.org/2012/10/27/vida-de-uma-estrela/

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernandes on 03/03/2014 at 18:56
    • Responder

    A nossa minúscula Terra soube bem criar os seus mecanismos de defesa. Por isso cá andamos e evoluímos (o que depende muito do significado que dermos ao termo).

    Um abraço.

  2. Se fritaram satélites e puderam ser vistos a olho nu, então é realmente verdadeiro que a Terra não sofreu nadica? Nem um aquecimento, mínimo que seja? Nadica de nada?

    1. O campo magnético terrestre protegeu-nos. 😉

      Mas existiram auroras devido a isto 😉

  3. “Veio da constelação Sagitário, a cerca de 50.000 anos-luz de distância.”
    “A Terra tinha levado um enorme murro energético… de raios gama.
    E, por incrível que pareça, o autor deste “murro” estava a 50.000 anos-luz! Ou seja, incrivelmente longe! E mesmo assim, conseguiu produzir um “murro” poderosíssimo.”

    Pegasus foi você ?

    • Ricardo Correia on 06/09/2013 at 09:24
    • Responder

    A estrela “moribunda” que deu origem a este “flagelo” encontrava-se a mais de 7 mil milhões de anos-luz de distância.

    Se a Via Lactea tem 100.000 anos luz de diametro, onde fica esta estrela?

    1. Noutra galáxia, muito longe da Via Láctea 😉

      E aconteceu numa altura em que a Terra ainda não existia 😉

  4. É muito emocionante ler sobre essas estrelas que explodem, cara!

  5. qual a possibilidade de uma outra explosão como essa ocorrer e qual a consequencia para a terra?

    1. Acima de 100 anos-luz de distância, estamos seguros aqui na Terra 😉

      abraços

        • Matheus Peixoto on 12/01/2015 at 18:49

        Li em alguns lugares que o que conta de verdade é a angulação dos polos da estrela em questão, para a terra. O sistema binário de WR104 por exemplo tem um certo risco de morrer em uma supernova nos próximos 100 000 anos, e existe uma possível situação em que seus polos estejam virados para nós.

        Queria saber sua opinião sobre os riscos que essa estrela pode oferecer ao nosso planeta…

      1. Está demasiado longe.

        O perigo desses sistemas vem de duas formas: direção dos raios (têm que estar exatamente alinhados com a Terra num determinado ponto da sua órbita e que a Terra esteja lá na altura em que chegam) e distância a que estão.

        abraços!

        • Matheus Peixoto on 14/01/2015 at 16:48

        Então estamos seguros, já que esse sistema ao qual citei, está distante por 7500 anos luz?
        E na pior das possibilidades, quanto tempo esses tais raios levariam pra chegar a terra se essa estrela morresse hoje?

      2. Se está a 7500 anos-luz , então essa luz (radiação) demora 7500 anos para chegar aqui 😉

        Sim, estamos seguros porque quando chegar cá já passou por muita poeira e material interestelar… 😉

        • Matheus Peixoto on 28/01/2015 at 19:41

        Uma ultima coisa rsrs

        Toda estrela supermassiva, como as Wolf-Rayet, resultam em explosões de raios gama, quando chegam a hora da sua morte?

        Fiquei de certa forma preocupado ao saber dessa ”ameaça” quando vi um documentário sobre WR 104 no History ( sei que eles são meio alarmistas), mas despertou minha curiosidade sobre o assunto.
        Obrigado pelos esclarecimentos =)

      3. O Sol também envia alguma radiação gama… assim como os hospitais por vezes fazem tratamento com radiação gama.
        Por isso, não se pode ter medo da radiação gama.

        Claro que sendo a mais energética, e se for proveniente de grandes explosões estelares, torna-se muito mais perigosa, claro.
        Se não for isso, ela nem passa pela atmosfera terrestre para nos afetar.
        Se for isso, e se estiver muito longe, então tamos seguros.

        abraços

  6. Mas ainda é possível vigarizar com esta história:
    É que 26 de Dezembro de 2004, foi a data do terramoto no Índico que provocou o mais famoso e destruidor Maremoto dos nossos tempos!!! Portanto foi na véspera !!! Alguém ainda vai dizer que foi um reflexo por antecipação das placas tectónicas, afectadas pela chegada dos raios-gama, no dia seguinte!!!

    Abraços

    1. LOLLLLLLLLLLLLLLLL 😀

    • Betinhofloripa on 28/12/2012 at 12:32
    • Responder

    Obrigado a todos.

    Abraços

    🙂

  7. Parece-me ser provocado por um fenómeno a que chamamos de raios anti-crepusculares.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Anticrepuscular_rays

    Eu também já fotografei algo semelhante, mas sem a mesma espectacularidade:
    http://fotografia.clerigo.net/2005/08/28/raios-anti-crepusculares/

    Uma busca no Google, e aparecem imensas imagens relacionadas:
    https://www.google.com/search?q=Raios+Anti-Crepusculares&hl=pt-PT&tbo=u&tbm=isch&source=univ&sa=X&ei=rHjdUMOeIoaQhQeBsIHoBQ&ved=0CDsQsAQ&biw=1680&bih=925

    1. Só mais uma adenda… uma explicação mais técnica do fenómeno e outros relacionados, basta consultar a fantástica página de Les Cowley sobre Óptica Atmosférica, em http://www.atoptics.co.uk/atoptics/anti1.htm

    • Betinhofloripa on 28/12/2012 at 11:19
    • Responder

    Professor

    Por falar em energia luminosa….
    O senhor tem ideia do que possa ser esse fenômeno que ocorreu recentemente no sul do Brasil..
    Uma fonte de luz estranha aparece no céu em oposição ao pôr do Sol…

    Creio que se trata de algum fenômeno de refração ou reflexão da luz…no entanto, é bem incomum…nunca ouvir falar disso…

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=DMqK7MkDmsw#!

    Abraços

    1. Olá Betinhofloripa,

      São raios anticrepusculares. No vídeo as nuvens ocultam o Sol a poente, mas permitem a passagem de alguns raios luminosos um pouco mais acima. Embora sigam paralelos, eles parecem convergir no ponto anti-solar devido ao efeito de perspectiva criado pela posição do observador (http://www.atoptics.co.uk/atoptics/anti1.htm).

  8. Foram os insectos do “Starship Troopers”.
    Les salauds…

    Sabe-se qual o valor do campo magnético do astro quando ficou mal disposto?

  1. […] Leiam tudo sobre isto, neste artigo. […]

  2. […] – Raios Gama. Bolhas Gigantes. Ataque Espacial. SGR 1806-20. Raios […]

  3. […] soube disto, porque alguns leitores, e muito bem, nos fizeram perguntas sobre este fenómeno, aqui e […]

Responder a Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernandes Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.