Fantásticas notícias: quase todas as estrelas como o Sol deverão ter planetas!

Começou ontem o maior congresso de astronomia no mundo, na Califórnia. É o famoso encontro da AAS.
E já há novidades… incríveis!
A Missão Kepler continua em GRANDE e a transformar a nossa visão do cosmos!

Telescópio Espacial Kepler

Telescópio Espacial Kepler

O nosso especialista nestes temas, Luís Lopes, esteve bastante atento a todas as palestras, e mais logo irá escrever um post completo sobre tudo o que tem sido dito.

Mas, para vos “abrir o apetite”, deixo-vos para já algumas descobertas bombásticas (com frases do Luís Lopes):

Actualização do número de candidatos planetários detectados pelo Kepler: 2740.
Muitos sistemas múltiplos: 312 (2 planetas), 119 (3 planetas), 49 (4 planetas), 11 (5 planetas) e 1 (6 planetas).

Ou seja, o telescópio Kepler detectou mais 461 candidatos desde a ultima análise dos dados.
Os dados actuais correspondem aos 8 primeiros trimestres da missão.
4 destes planetas são Super-Terras na zona habitável das respectivas hospedeiras.
Um deles tem um diâmetro de 1.5 vezes o da Terra e orbita uma estrela de tipo solar em 242 dias.
Ou seja, existe um planeta candidato na zona habitável da sua estrela, que é similar ao Sol, com um tamanho similar à Terra e com uma órbita similar à Terra.
O planeta denomina-se KOI-172.02
Já chega para fazermos as malas? 😀

Atentem neste número: Uma em cada 6 estrelas observadas pelo Kepler tem um planeta do tamanho da Terra!
Assim, os astrónomos estimam que poderão existir 17 mil milhões (17 bilhões, no Brasil), ou seja 17.000.000.000 de planetas do tamanho da Terra na nossa Galáxia!

A análise dos dados para os 8 trimestres mostra, relativamente à análise anterior, um aumento em 43% do número de planetas do tamanho da Terra e 21% no número de Super-Terras.

Os dados implicam que quase todas as estrelas do tipo solar têm sistemas planetários.

Ainda não é possível determinar a frequência de planetas do tamanho da Terra na zona habitável de estrelas do tipo solar: este é o principal objectivo da missão.
Provavelmente serão necessários 7-8 anos de dados do Kepler para conseguir detectar uma amostra estatisticamente significativa de planetas do tamanho da Terra nas zonas habitáveis de estrelas semelhantes ao Sol.

Quase todas as estrelas têm planetas.
Planetas pequenos (como a Terra) são igualmente comuns em torno de estrelas pequenas (como anãs vermelhas) e estrelas maiores (como o Sol).

No entanto, 2 estudos independentes apontam para 10-15% de falsos positivos nos candidatos detectados pelo Kepler.
Falsos positivos são objectos que pensávamos que podem ser planetas, mas depois percebe-se que aí não existia qualquer planeta.
Assim, entre 85% e 90% dos candidatos são mesmo planetas!

Crédito: NASA/Ames/JPL-Caltech

Crédito: NASA/Ames/JPL-Caltech

Infografia da Space.com

Infografia da Space.com

E, notem bem, esta missão estuda somente um bocadinho da Galáxia…

Crédito: Jon Lomberg

Crédito: Jon Lomberg

Crédito: Jon Lomberg

Crédito: Jon Lomberg

3 comentários

7 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Adorei! Agora só falta encontrar os homenzinhos verdes. 🙂

    • Douglas Ferrari on 08/01/2013 at 01:52
    • Responder

    Muito boa informação. Super interessante. Muito obrigado por proporcionar mais este conhecimento 😀

  2. Lembro das poéticas comparações entre Astrônomos de hoje e Navegadores do passado:
    Holandeses, Espanhóis, Portugueses, Nórdicos, Chineses.. em fim, os navegadores se aventuraram mar a dentro e não só revelaram esse magnífico mundo em que vivemos como até hoje povoam nossas lembranças com a mais célebre frase: “Terra à vista!”…
    “Terra à vista…” acho que tal comparação é mais que poética – a algumas décadas atrás achar que haviam mundos ao redor de outros sóis era considerado crer no improvável, apenas a ficção científica se atreveu a tal por muito tempo. Se voltar séculos atrás seria pior ainda: morte na fogueira. Mas nem navegantes nem cientistas são pessoas que se deixam levar pelas tendências e crenças de sua época; seu espírito de descobridor, desbravador, aventureiro sempre fala mais alto, custe o que custar. Um navegante foca o desconhecido, se guia pelas estrelas e encontra novas terras, e é por isso que sim, tal como eles, nós astrônomos, profissionais, amadores e apreciadores sempre podemos repetir a clássica frase dos nossos ancestrais navegantes imortais para nossos exoplanetas e exoterras: Terra à vista!
    É o melhor que podemos ser em vida, descobridores. Abraços

  1. […] de potenciais exoplanetas, e isso examinando apenas uma porção minúscula da galáxia. Extrapolando seus dados, os astrônomos estimam que haja 17 bilhões de planetas do tamanho da Terra, apenas na Via […]

  2. […] e 20f, Kepler-22b. Kepler-62, Kepler-69. Diamante. 55 Cancri-e de diamante. Negro. Outra Galáxia. Estrelas como o Sol têm planetas. Kepler (características). WASP. HATnet. QES. TRAPPIST. Projectos. Hot Jupiters. Terrestres. […]

  3. […] Notem que isto vem no seguimento da notícia de Janeiro deste ano que nos dizia que as estimativas apontam que quase todas as estrelas do tipo solar têm sistemas planetários e que poderão existir 17 mil milhões (17 bilhões, no Brasil), ou seja 17.000.000.000 de planetas do tamanho da Terra na nossa Galáxia. […]

  4. […] passado mês de Janeiro, a NASA anunciou os resultados obtidos até à data, dando conta de 351 candidatos com diâmetro semelhante ao da Terra […]

  5. […] Já falamos sobre isto, neste post. […]

  6. […] foram dadas pela equipa do telescópio espacial Kepler que detectou mais 461 candidatos a planetas? Leiam aqui. 4 destes planetas são Super-Terras na zona habitável das respectivas […]

  7. […] foi noticiado aqui em primeira mão pelo Carlos Oliveira, no 221º Encontro da American Astronomical Society (AAS) a […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.