Em Busca dos Nossos Vizinhos Cósmicos

extraterrestrial

 

Integrada no ciclo de conferências Horizontes da Física 5, a decorrer na Universidade de Aveiro até 27 de Março, assisti ontem, dia 20, à 3ª palestra intitulada «Em busca dos nossos vizinhos cósmicos».

 

Para falar deste tema, haveria melhor escolha que o Dr. Carlos Oliveira? Ficámos sem o saber, pois foi o próprio que nos presenteou com uma bela e surpreendente palestra. Bela porque o tema é sempre cativante; surpreendente porque fugiu à estrutura habitual destes eventos, nos quais o palestrante discorre sobre o tema, reservando para o final um período de perguntas e respostas.

Nesta palestra, não houve um período definido para perguntas e respostas. Estas foram surgindo ao longo de toda a apresentação e nem sempre as perguntas partiam do público para o palestrante; com frequência a audiência foi surpreendida com interpelações formuladas pelo Carlos Oliveira, criando uma intensa interação.
Uma agradável surpresa! Ficaram assim goradas as previsões do Carlos que, à laia de brincadeira, se apresentou como candidato à pior palestra de sempre.

Por tudo isto, não é de espantar que, apesar de ter sido largamente ultrapassado o tempo estipulado para o evento, me tenha sabido a pouco e, por mim, ainda ali ficaria naquele agradável “convívio”. Mas o relógio foi implacável e, quando me apercebi, tinham passado mais de 2 horas…

Porém, o tema não se esgotou ali. Em jeito de tertúlia, a conversa passou do anfiteatro para o átrio da Universidade e deste para um restaurante de Aveiro, onde se prolongou noite adentro…

 

Quanto à palestra em si

Sendo o Carlos Oliveira professor de Astrobiologia na Universidade de Austin, Texas e, sendo o tema “Em busca dos nossos vizinhos cósmicos”, havia no ar potencial para expectativas muito ousadas.
Contudo, quem ia à espera de ouvir revelações surpreendentes sobre OVNIS, seres inteligentes vindos de outros planetas ou outros cantos da nossa Galáxia, enganou-se redondamente. Enganou-se, mas não deu o seu tempo por perdido.

Não é fácil resumir aqui mais de 2 horas de conversa. Mas desde o primeiro até ao último minuto, houve um fio condutor que uniu os diversos assuntos abordados. E esse fio condutor nada tem que ver com seres alienígenas…
Ficou claro para todos que a nossa ideia de extraterrestres, que vemos difundida nos filmes e livros de ficção científica, a descrição que deles é feita por supostas testemunhas oculares ou vítimas de rapto/abdução, não passa de projeções dos nossos sonhos, medos e anseios. Imaginamos os ET’s como seres humanóides. Contudo, exageramos ou deturpamos as características que nos definem como humanos.

Afinal, é com base nas nossas percepções e na nossa cultura, que vemos os outros. No fundo, a busca pelos seres extraterrestres não passa da busca pela nossa própria identidade. Estamos à procura de nós próprios.

 

Calvin

9 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernandes on 22/03/2013 at 17:46
    • Responder

    Mais uma vez venho dizer quanto lamento não ter assistido.

  1. Rui,

    Obrigado pelas palavras 😀

    Espero que as (quantas? 250?) pessoas que lá estiveram e praticamente encheram o auditório também tenham ficado satisfeitas e tenham aprendido alguma coisa sobre o tema 🙂

    Uma pequena correcção:
    Nos vários anos que dei aulas na UT em Austin, tive certas funções de professor assistente, professor associado e até de professor catedrático… mas sempre com profissão oficial de aluno de doutoramento 😉
    Ou seja, nunca fui oficialmente professor. O meu contrato era de aluno :D, apesar de dar aulas e até ter criado disciplinas 😛

    abraços! 😉

    1. Quantas pessoas lá terão estado? Estava logo na segunda fila e não as contei. Mas, quando olhei para trás, constatei que o auditório estava muito bem composto e com uma audiência bem numerosa 🙂

      Quanto à correção, julgo não ser necessária. Ministraste aulas na Universidade de Austin e criaste algumas das disciplinas. Foi neste contexto que referi as expectativas criadas 😉

      …parabéns pela palestra!

      • Paula Vasconcelos on 22/03/2013 at 12:03
      • Responder

      Olá Carlos e Rui,

      Lamentavelmente Carlos, tenho de te informar que perdeste o prémio da pior palestra de sempre, convenhamos que nem sequer te esforçaste…. 🙂

      Ainda continuo a considerar que a pedagogia do humor e da interação é uma das formas mais eficazes de “ensinamento”, e como tu foste eficaz amigo!

      Parabéns, queremos mais, tão bom ou “pior” 😉

      Rui, excelente descrição do evento, eu não diria melhor 😉

      Beijinhos para ambos.

      1. Obrigado, Paula.
        Mas desta vez eu não mereço todo o crédito. Foi um trabalho de equipa 🙂

    2. Obrigado 🙂

    • Nantília Gabriel Rosa on 22/03/2013 at 03:22
    • Responder

    Sucinta e perfeita descrição da palestra!

    1. Sucinta é a palavra certa. Numa palestra tão longa e abrangente, qualquer resumo deixa sempre muito por dizer 🙂

  2. A busca por tops continua em outros mundos?ou sera a proliferação de conhecimentos cosmicos somente?

  1. […] C. Prémio. Curso no Porto e Açores. Astrobiologia. Ensino. Pai Natal. Jantar. FNAC. Salesianos. Em Busca dos Nossos Vizinhos Cósmicos (crenças). Da Terra a Marte. Do infinitamente grande ao infinitamente pequeno. AAS. IJA, 33 euros, […]

  2. […] nosso colaborador Rui Costa já disse tudo neste post sobre a palestra: “Em Busca dos Nossos Vizinhos Cósmicos“. No entanto, faltou uma […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.