Não sabemos tudo, mas sabemos o que não é

Como já foi explicado neste artigo, uma das críticas mais comuns à ciência é que não sabe tudo.
Como foi dito, para as pessoas que têm este tipo de críticas, não saber tudo é sinónimo de saber nada.

Mas isto é errado. Porque sabemos muito!
E o que sabemos é muito mais do que aquilo que não sabemos.
Porquê? Porque sabemos as diversas respostas erradas, em vez de sabermos somente a resposta certa.

road signs_4a685c342c593

Deixem-me dar um exemplo:

Quanto é 45990567193478038362 x 85873201875659024 ?
Vamos supôr que eu não posso usar calculadoras, e tenho que fazer a conta de cabeça em 2 minutos.
Eu não sei qual é a resposta certa: não sei tudo! Mas sei bastante: sei quais são as respostas erradas.
Sei que a resposta não é 1 ou 2 ou 3 ou 4 ou 5 ou 6 ou 7, e por aí adiante.
Sei bastante: sei praticamente uma infinidade de respostas que são erradas.

Isto funciona para tudo.
Eu posso não saber explicar a gravidade, mas sei que ela não funciona de forma a que todos andemos a voar por aí.
Eu posso não saber explicar como funciona a electricidade, mas sei que não é com pozinhos mágicos.
Eu posso não ter uma definição universal de vida, mas sei que um cão e uma pedra são diferentes, o primeiro é um ser vivo e o segundo não.
Isto não funciona só para assuntos científicos. Exemplo: eu posso não ter uma definição universal de serviço público, mas sei que ajudar a vigarizar as pessoas com tretas pseudo-científicas não é serviço público.

Por isso dizer-se que não se pode criticar algo como sendo errado, só porque não se tem uma definição universal para isso, é totalmente errado: é uma falácia.

Esta é uma das características da literacia funcional: sabermos distinguir aquilo que é correcto daquilo que não é correcto. Mesmo não sabendo aquilo que é correcto, podemos e devemos na mesma saber aquilo que não é correcto.
Isto é bastante importante sobretudo quando avaliamos as chamadas terapias alternativas ligadas à saúde: mesmo que não percebamos bastante de medicina, precisamos de saber que grande parte do que nos tentam “vender” está incorrecto à luz do conhecimento.

Como vêem, isto funciona desta forma para todos os assuntos.
Não ter conhecimento daquilo que é correcto, não quer dizer que não saibamos o que é errado. Aliás, uma das características principais do processo da ciência é a curiosidade. Essa curiosidade vai sendo alimentada por todas as hipóteses que se experimentam e que dão erradas, de modo a chegarmos à “verdade absoluta” – a resposta correcta (ex: 2 + 2 = 4).

Eu não falhei. Eu encontrei 10.000 maneiras que não funcionam.

Eu não falhei. Eu encontrei 10.000 maneiras que não funcionam.

3 pings

  1. […] Não se acredita. Evidências. Dawkins. Magia. Funciona. Funciona. Tyson. Não sabe tudo. Sabemos muito. Ciência Não Erra. Estar certa. Especialistas. Preferências não determinam a verdade. Natureza […]

  2. […] Neste post, eu expliquei isso com este exemplo: “Quanto é 45990567193478038362 x 85873201875659024 ? Vamos supôr que eu não posso usar calculadoras, e tenho que fazer a conta de cabeça em 2 minutos. Eu não sei qual é a resposta certa: não sei tudo! Mas sei bastante: sei quais são as respostas erradas. Sei que a resposta não é 1 ou 2 ou 3 ou 4 ou 5 ou 6 ou 7, e por aí adiante. Sei bastante: sei praticamente uma infinidade de respostas que são erradas.” […]

  3. […] O argumento final é: não importa a metodologia que se use para falar sobre o passado remoto, ninguém esteve lá para dizer – apenas deus, que ditou a Bíblia e é por isso que a Bíbilia é o ponto de partida para se […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.