A mais nítida imagem da Nebulosa do Anel

A Nebulosa do Anel foi observada pela primeira vez no século 18, e desde aí tem sido um dos objectos mais populares no nosso céu para quem anda sempre de “cabeça no ar”.
Agora o Telescópio Espacial Hubble tirou a melhor imagem de sempre (até agora) da Nebulosa do Anel, Messier 57, conseguindo-se ver a sua estrutura complexa.

Crédito: NASA/Hubble Heritage Team

Crédito: NASA/Hubble Heritage Team

Esta nebulosa encontra-se a 2.000 anos-luz de distância da Terra.
Esta é uma nebulosa planetária, que tem uma anã branca no seu centro.
A anã branca é o que resta da evolução de uma estrela que tinha uma massa superior ao nosso Sol, enquanto a nebulosa é o que resta das camadas exteriores da estrela quando ela se contraiu rapidamente a partir de gigante vermelha, há cerca de 4.000 anos.

O gás azul que rodeia a estrela central é bastante quente e deve-se ao hélio. À medida que o gás se vai expandindo, vai arrefecendo, tornando-se progressivamente verde (devido ao oxigénio), amarelo e finalmente vermelho (denotando nitrogénio/azoto).

A nebulosa está-se a expandir a uma média superior a 70 mil quilómetros por hora.
Irá se expandir por mais 10.000 anos, até se desvanecer no meio interestelar.

Imagem composta por fotografias feitas em luz visível pelo Telescópio Espacial Hubble e por observações em infravermelho feitas pelo Large Binocular Telescope no Arizona. Crédito: NASA, ESA, C.R. Robert O’Dell (Vanderbilt University), G.J. Ferland (University of Kentucky), W.J. Henney and M. Peimbert (National Autonomous University of Mexico), David Thompson (University of Arizona)

Imagem composta por fotografias feitas em luz visível pelo Telescópio Espacial Hubble e por observações em infravermelho feitas pelo Large Binocular Telescope no Arizona. Crédito: NASA, ESA, C.R. Robert O’Dell (Vanderbilt University), G.J. Ferland (University of Kentucky), W.J. Henney and M. Peimbert (National Autonomous University of Mexico), David Thompson (University of Arizona)

Os astrónomos pretendem estudar a sua estrutura, evolução, condições físicas e movimento.

Uma das conclusões que já se podem tirar é que a Nebulosa do Anel afinal não tem muito a forma de anel.

Leiam no site do Hubble e da NASA.

2 pings

  1. […] Boomerang. Cone. Torre Negra. Cachimbo. Fantasma. Árvore de Natal. Trífida. 30 Doradus. Anel (aqui, vídeo). Anel do Sul. Colar. Bolha Cósmica. Bolha. Sharpless 308. Crescente. Abell 39. Alma. […]

  2. […] explicando a formação e a estrutura actual da famosa nebulosa planetária Messier 57 (M57), Nebulosa do Anel, na constelação da Lira. O vídeo descreve como os astrónomos, utilizando a câmara WFC3 (Wide […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.