Uma voluta em Giordano Bruno

lago_lava_GiordanoBruno_Lua_NAC_LROC_090910Uma voluta (ou espiral) na superfície de um lago de rocha fundida no interior da cratera Giordano Bruno. Imagem obtida a 09 de Setembro de 2010 pela sonda Lunar Reconnaissance Orbiter.
Crédito: NASA/GSFC/Arizona State University.

Os lagos de rocha fundida contam-se entre as estruturas mais espectaculares encontradas na orla e no interior da jovem cratera lunar Giordano Bruno. Na imagem de cima é possível ver a superfície de um desses lagos exibindo uma gigantesca voluta com cerca de 1 quilómetro de diâmetro.

GiodanoBruno_Lua_contexto_WAC_LROCImagem de contexto mostrando a localização do lago de lava solidificada visível na imagem de cima.
Crédito: NASA/GSFC/Arizona State University.

Com uma orientação dextrogira, a voluta deverá ter sido formada pela tensão superficial gerada quando a rocha derretida pelo impacto fluiu no interior do lago a diferentes velocidades (provavelmente, devido à fricção criada pelo fundo rochoso do lago ou pela presença de um obstáculo no seu interior). Tal perturbação terá sido provocada, eventualmente, pela queda de material das encostas vizinhas para dentro do lago.
Explorem em pormenor toda esta região ocidental de Giordano Bruno aqui.

3 comentários

  1. Boa tarde!
    Após uma longa ausência sem comentar, e a estudar para os exames, surgiu-me uma dúvida que ainda ninguém me conseguiu esclarecer.
    É um pouco off-topic, mas cá vai: Os continentes lunares são constituidos por uma rocha chamada anortosito. Ora essa rocha é plutonito rico em anortite (plagioclase cálcica), com textura fanerítica portanto, resultante de um arrefecimento lento do magma em profundidade. No entanto, a Lua já não tem atividade geológica, devido a falta de fontes de calor interno.
    Assim, gostaria de saber como é possível a formação deste tipo de rochas na Lua.
    Obrigado!
    Com os maiores cumprimentos,
    Nuno Almeida

    1. Olá Nuno,

      Os continentes lunares (terras altas que rodeiam os maria) são estruturas muito antigas, que datam do período em que a Lua dispunha ainda de um oceano de magma global. Os cientistas sugerem que o anortosito destas regiões foi gerado por segregação da plagióclase no oceano de magma. Pode encontrar um mecanismo recentemente proposto, que explica como se deu este processo, aqui: http://www.lpi.usra.edu/meetings/lpsc2010/pdf/1824.pdf.

        • Nuno Almeida on 13/06/2013 at 17:39

        Muito obrigado!
        Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.