Foram detetadas misteriosas explosões no espaço

O rádio-telescópio Parkes detetou os potentes rápidos pulsos de energia. Crédito da ilustração: Swinburne Astronomy Productions

O rádio-telescópio Parkes detetou os potentes e rápidos pulsos de energia. Crédito da ilustração: Swinburne Astronomy Productions

Uma equipa de astrónomos detetou no comprimento de onda do rádio, 4 fortes explosões que duraram apenas alguns milésimos de segundos em galáxias bastante distantes da Terra (entre 5 e 11 mil milhões de anos-luz de distância).
Estas explosões são conhecidas como FRBs: Fast Radio Bursts, explosões rápidas em rádio.

Estas explosões são tão fortes que “fornecem mais energia em um milissegundo do que o Sol em 300 mil anos”.
E provavelmente são constantes, ocorrendo uma a cada 10 segundos (mas para as vermos todas teríamos que monitorizar todo o Universo o tempo todo).

As posições das 4 explosões estão marcadas com 4 asteriscos vermelhos. Crédito da imagem: MPIfR/C. Ng; Science/D. Thornton et al.

Posições das 4 explosões estão marcadas com 4 asteriscos vermelhos. Crédito da imagem: MPIfR/C. Ng; Science/D. Thornton et al.

A origem destas explosões é um mistério.

Se me perguntarem a mim, eu diria que são os Q a guerrear 😀
E se perguntarem a alguém viciado em ficção científica, então certamente que os rádio-telescópios estão a detectar mensagens dos extraterrestres…

Mas passemos às prováveis explicações científicas:

Uma das hipóteses é a interacção de uma supernova com o campo magnético de uma estrela de neutrões que a orbita, levando a que se produzam explosões de rádio.

Outra hipótese é a evaporação de buracos negros, libertando uma tremenda energia rapidamente.

Ainda outra hipótese é a incrível explosão de uma magnetar, uma estrela de neutrões com um poderosíssimo campo magnético.

A hipótese mais recente e mais espectacular por ser um fenómeno só agora proposto: Blitzars.
Blitzars serão estrelas de neutrões bastante massivas, que rodam tão rapidamente que não se conseguem transformar em buracos negros (a força centrífuga previne o colapso). Estes pulsares (estrelas de neutrões em rotação) têm um campo magnético bastante forte que se vai desvanecendo com a forte rotação ao longo de milhões de anos. Ao perder energia, o pulsar passa a rodar gradualmente mais devagar. Eventualmente, sucumbe à força da gravidade e torna-se um buraco negro. Quando isto acontece, o exterior do campo magnético é transformado numa explosão de energia em rádio.
O artigo científico com esta explicação, que está à espera de ser publicado, está aqui.

Leiam em inglês, aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui. Artigo científico, aqui.

Rádio-telescópio Parkes em New South Wales, Austrália. Crédito: Alex Cherney/terrastro.com

Rádio-telescópio Parkes em New South Wales, Austrália. Crédito: Alex Cherney

1 comentário

2 pings

    • Ricardo Correia on 13/07/2013 at 11:18
    • Responder

    Interessante a teoria dos Blitzars e faz sentido… mas eu acredito mais na guerra com os Q 🙂

  1. […] Já tivemos um Sinal Wow, agora temos um Sinal Boom. […]

  2. […] 34 – Raios Gama (tag): Bolhas. GRB 130427A. GRB 130606A. Explosão há 1200 anos. Ataque Espacial. SGR 1806-20. Raios Cósmicos (tag): Aumento Extraordinário. Fast Radio Bursts. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.