Cura Alternativa

cura alternativa

A TVI, no programa Repórter TVI, fez uma reportagem sobre terapias alternativas.

“As terapias não convencionais estão em expansão. Existe quase uma centena de medicinas alternativas e o número de adeptos não pára de crescer. O que leva as pessoas a arriscarem neste mundo desconhecido? O que procuram? Com que resultados?
No Repórter TVI, mostramos-lhe os benefícios e as contra-indicações da homeopatia, as promessas de cura da eletroterapia e os princípios na base da filosofia macrobiótica.
«Cura Alternativa» é uma reportagem de Pedro Veiga com edição de Miguel Freitas, para ver no Repórter TVI.”

Curioso que na electroterapia quase que parece que recomendam que se meta os dedos nas tomadas, para “renovar a electricidade” no corpo. E a senhora, ingenuamente, deixa-se levar pelo placebo. Ainda bem que se sente bem, mas ela não entende o que é o placebo e pensa que está curada. (!!??)
Atenção que não estou a colocar em causa os impulsos electromagnéticos. São ideias já utilizadas em ciência. Simplesmente, estes senhores no vídeo não têm quaisquer estudos científicos sobre isso. Baseiam-se somente numa ideia que tiveram, sem serem especialistas no assunto, e esperam que as pessoas acreditem (crença) neles.
Curiosamente, o senhor que supostamente é médico (e que já tem aparecido noutros programas de TV) é informático, técnico de electrónica, homeopata e bioquímico. Nada a ver com medicina… mas pronto, acha-se com capacidade para dar consultas médicas.
Também curiosamente, o texto apresentado para se seguir esta “medicina”, contém inúmeros exemplos dos pseudos, como “o que hoje acreditamos amanhã pode ser verdade”, ou que “antes acreditava-se que a Terra era plana”. Estes argumentos – que são completamente errados à luz da história da ciência – servem aos pseudos para passar a ideia que, se o mundo evolui com mais conhecimento dado pelos cientistas, então as ideias deles – dos pseudos – também têm que estar correctas.

A ideia da macrobiótica é, tal como a anterior, uma recente ideia do género New Age, que supostamente se baseia em conceitos milenares. Note-se que não tem a ver com “alimentação equilibrada”, já que isso nos dizem os nutricionistas. Estes têm mais a ver com os princípios orientais de Yin e Yang, crenças milenares que como sabemos não servem para nada.
Note-se que testemunhos pessoais, como são apresentados nos vídeos, não contam como evidências. O jornalista certamente que não foi perguntar às milhares de pessoas que utilizaram esta “dieta” e que não ficaram melhores. Por vezes, ficam piores.

Homeopatia: água com açúcar e leite.
Para ter um “medicamento” mais potente, deve-se retirar o mais possível o princípio activo (aquilo que poderia levar ao tratamento).
Como o repórter diz: querem se curar da gripe, por exemplo? Coloquem um milímetro do vírus no oceano atlântico, a seguir bebam toda a água do mar, e pronto, ficam curados da gripe. Ridículo, não é? Essa é a ideia base da homeopatia.
Novamente, vejam que se baseiam em testemunhos pessoais, e não estudos controlados.
Já o Presidente da Associação de Homeopatia demonstra a sua ignorância ao não entender o que é o placebo. É óbvio que o placebo funciona em bebés e em animais. Isso já está mais do que provado. Tanto o investigador está mais propenso a ver resultados positivos, como os próprios animais e bebés podem melhorar só por sentirem que estão-lhe a ser dados mais cuidados e mais atenção. Essa é uma característica do placebo.
E notem, ele “diz ter curado”. Eu também tenho aqui uma garrafa de água milagrosa que vendo por uns míseros 500.000 euros. Uma pechincha, porque eu digo que já curei centenas de pessoas.
O técnico homeopata é honestamente claro: isto é uma religião, que depende da fé e das crenças. Nada mais.

Uma informação dada na reportagem e que é muito importante: qualquer pessoa do dia para a noite pode apelidar-se de “senhor doutor” de uma das terapias alternativas. Não há qualquer avaliação formal. Não há qualquer aprendizagem formal durante vários anos. Não há qualquer excelência em matemática e exames clínicos. Simplesmente, auto-intitulam-se de doutores numa técnica alternativa, sem qualquer mérito.
Qualquer pessoa pode criar uma “clínica alternativa” e vender mezinhas a quem lá entrar.

Também importante, como o médico diz: qualquer medicamento sem efeitos secundários, é um medicamento que não funciona. Por isso, é óbvio que as terapias alternativas não têm efeitos secundários. Nem secundários nem primários: não funcionam.

2 comentários

2 pings

  1. Mudando de caixa para cacheta…

    Vc quer ser um líder espiritual?

    http://www.youtube.com/watch?v=0yNTb-qsO-A#t=717

    • António Castanheira on 23/08/2013 at 23:12
    • Responder

    As TV´s privadas em Portugal não cumprem (em vários domínios) os contratos de concessão que assinaram com o estado há mais de 20 anos.
    No caso da TVI, esse desrespeito chega a ser criminal – Lembremo-nos, por ex., do exemplo recente de noticiarem que o SNS financiava curas de cancro na Alemanha!…

    Mas pronto, temos uma Autoridade para a Comunicação Social que não serve para nada, enfim…

  1. […] (Anne Germain). Psíquicos. Mitchell Coombes. Empty Force. Peter Popoff. Televisão Alternativa. Cura Alternativa. Terapias Alternativas. Não-Medicina. Steve Jobs. Movimento Anti-Vacinação (fraude). Graviola […]

  2. […] Vejam também uma reportagem similar na SICnotícias, onde médicos alertam para o facto dos doentes ingerirem substâncias não controladas que lhes são vendidas por não-especialistas em medicina – por pessoas que se fazem passar por especialistas e não o são (qualquer pessoa do dia para a noite pode apelidar-se de “doutor” de uma terapia alternativa). […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.