Aram Chaos criado pelo colapso catastrófico de um lago gelado

formacao_Aram_Chaos_artRepresentação artística do colapso catastrófico responsável pela formação de Aram Chaos.

Crédito: Faculdade de Geociências, Universidade de Utrecht.

Um grupo de cientistas europeus liderados por Manuel Roda da Universidade de Utrecht descobriu evidências da fusão e drenagem catastróficas de um gigantesco lago gelado subterrâneo em Aram Chaos, uma depressão circular com 280 km de diâmetro, situada a leste de Valles Marineris, em Marte. O estudo combinou observações realizadas pela sonda Mars Express com modelos que explicam os processos de fusão de extensas massas de gelo subterrâneas.

Os terrenos caóticos são unidades geológicas complexas distintivas do planeta vermelho. Com dimensões que podem atingir as centenas de quilómetros, estas vastas estruturas apresentam uma geomorfologia típica que inclui superfícies irregulares com mesas elevadas, colinas de variados tamanhos e profundas depressões. Os mecanismos envolvidos na sua formação são ainda alvo de debate científico.

Aram Chaos é uma estrutura particularmente interessante porque se encontra ligada a Ares Vallis por um canal cavado com 15 km de largura e 2,5 km de profundidade. Dados providenciados pela câmara HRSC da sonda Mars Express sugerem que o terreno caótico de Aram Chaos era originalmente uma grande cratera de impacto, que foi preenchida quase na totalidade, antes de ocorrerem os eventos catastróficos responsáveis pela sua actual morfologia.

mapa_topografico_Aram_Chaos_Roda_et_alMapa topográfico da região de Aram Chaos. É possível ver à direita o canal que liga a cratera a Ares Vallis.
Crédito: Faculdade de Geociências, Universidade de Utrecht.

“À cerca de 3,5 mil milhões de anos, a jovem cratera de impacto Aram foi parcialmente preenchida com gelo de água, que [por sua vez] foi sepultado por baixo de uma camada de sedimentos com 2 quilómetros de espessura”, afirmou ontem Manuel Roda no Congresso Europeu de Ciência Planetária, em Londres. “Esta camada isolava o gelo das temperaturas da superfície, mas foi gradualmente fundido durante um período de milhões de anos pelo calor libertado pelo planeta. Os sedimentos que cobriam a água fluída ficaram instáveis e colapsaram.”

O resultado deste processo foi a libertação massiva de cem mil quilómetros cúbicos de água, o equivalente a quatro vezes o volume de água do Lago Baikal, o maior lago de água doce da Terra. Em apenas um mês, a revoltosa massa de água rasgou o canal profundo que liga a cratera a Ares Vallis, deixando para trás o padrão caótico que hoje observamos em Aram Chaos.

“Uma consequência entusiasmante é que as unidades de gelo e rocha estão ainda, possivelmente, presentes abaixo da superfície”, disse Roda. “Estas nunca atingiram as condições de fusão, ou derreteram em apenas uma fina camada, insuficiente para resultar num evento catastrófico completo. Os lagos gelados subsuperficiais são um testemunho das rápidas alterações que transformaram Marte num planeta gelado (…). Estes lagos poderão providenciar locais potencialmente favoráveis para a vida, protegidos da radiação ultravioleta nociva da superfície.”

Podem ler mais sobre este trabalho aqui.

1 ping

  1. […] ausente. Passado frio e seco. Água a fluir em Marte. Lago na cratera Gusev. Lago na cratera Gale. Aram Chaos. Vida. Vídeo. Oposição (2014, 2012). Marte perto. Sobrevoar a superfície. Passeio animado. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.